Início Melhores histórias WADA se inocenta em caso de doping chinês

WADA se inocenta em caso de doping chinês

3

Na terça-feira, a Agência Mundial Antidoping se inocentou de irregularidades em sua decisão de não punir nadadores chineses de elite que testaram positivo para uma droga proibida antes das Olimpíadas de Verão anteriores, mesmo com o surgimento de novos detalhes que levantaram questões sobre como a agência lidou com a decisão.

Um promotor especial nomeado pela agência antidoping, conhecida como WADA, para revisar sua decisão, disse que considerou que a agência tomou uma decisão “indiscutivelmente razoável” de não impor penalidades aos nadadores e concluiu que a agência não havia demonstrado tratamento preferencial à China.

Mas em um anexo ao seu relatório, o promotor observou que dois importantes cientistas da agência disseram ter dificuldade em acreditar na alegação da China de que os nadadores haviam sido contaminados involuntariamente.

A decisão da WADA de se isentar de irregularidades dificilmente satisfará os especialistas antidoping e outros críticos — principalmente nos Estados Unidos — que alegaram que o investigador, Eric Cottier, foi escolhido a dedo por autoridades da agência e que o regulador antidoping, junto com os chineses, encobriu os testes positivos em 2021.

O anúncio veio cinco dias depois de ter sido revelado que o Departamento de Justiça e o FBI tinham aberto uma investigação criminal sobre como os testes positivos foram tratados. E surgiu um pouco mais de dois meses depois que o The New York Times revelou que 23 dos principais nadadores chineses testaram positivo para o mesmo medicamento cardíaco proibido meses antes dos Jogos Olímpicos de Verão de 2021 em Tóquio.

A agência antidoping da China culpou um incidente de contaminação em massa pelos casos positivos, no qual os nadadores, segundo ela, ingeriram involuntariamente a droga proibida trimetazidina, conhecida como TMZ, depois de comerem comida servida em um hotel onde estavam hospedados para uma competição.

Apesar de não conseguir provar como ou por que os nadadores ingeriram a droga, a WADA — que deveria ser a solução quando os países falham em policiar adequadamente seus próprios atletas — essencialmente aceitou a explicação chinesa ao se recusar a conduzir sua própria investigação ou disciplinar os atletas.

A falta de punição abriu caminho para que alguns nadadores chineses ganhassem medalhas — incluindo três ouros — nas Olimpíadas de Tóquio. Onze dos 23 nadadores que testaram positivo estão na equipe chinesa definida para competir nos Jogos de Paris neste mês. Vários são novamente favoritos para ganhar medalhas.

Ao anunciar as conclusões do promotor, o chefe da WADA disse que a agência agora voltaria sua atenção para aqueles que, segundo ela, difamaram a agência.

“Agora que foi confirmado pelo promotor independente que não houve impropriedade relacionada à forma como a WADA lidou com o caso, a agência considerará, com assessoria jurídica externa, quais medidas podem ser tomadas contra aqueles que fizeram alegações falsas e potencialmente difamatórias”, disse o presidente da WADA, Witold Banka.

Ele alegou que as notícias e acusações de encobrimento “têm sido extremamente prejudiciais à reputação da WADA e à confiança que os atletas e outras partes interessadas têm na agência e no sistema antidoping global”.

A investigação do Sr. Cottier foi limitada em seu escopo. Ela não estudou, por exemplo, como a China lidou originalmente com os casos e as informações nas quais se baseou para inocentar seus nadadores. E o relatório que ele entregou é apenas uma forma provisória; uma versão final não será concluída e publicada antes do início das Olimpíadas de Paris, disse a WADA, embora alguns dos nadadores chineses envolvidos no caso de doping — incluindo vários que testaram positivo mais de uma vez sem punição — irão competir nelas.

O diretor geral da WADA, Olivier Niggli, disse que o relatório final seria concluído “nas próximas semanas” e então discutido com o conselho administrativo da agência em setembro. “Entendemos que ele conterá recomendações voltadas para o fortalecimento do sistema antidoping global, o que acolhemos com satisfação”, disse ele.

Como parte de seu anúncio na terça-feira, a WADA divulgou o relatório do Sr. Cottier e um anexo a ele. Incluído no anexo estavam detalhes de discussões internas entre dois dos principais cientistas da WADA em 2021, enquanto a agência lutava para lidar com os testes positivos na China.

De acordo com o anexo, o cientista-chefe da WADA, Olivier Rabin, disse que tinha dúvidas sobre a ciência por trás das alegações chinesas de contaminação e “que os chineses não encontraram, entre a equipe da cozinha ou do hotel, uma pessoa tomando TMZ”.

A principal cientista da WADA responsável pela lista de substâncias proibidas, Irene Mazzoni, disse que expressou “sua dificuldade em acreditar na contaminação devido às doses mínimas encontradas na cozinha” onde a droga foi encontrada, de acordo com o relatório.

Mas ambos os cientistas disseram que não tinham escolha a não ser aceitar a decisão da WADA porque não podiam refutar as alegações chinesas.

O Sr. Rabin “não viu outra solução senão aceitá-la, mesmo que continuasse a ter dúvidas sobre a realidade da contaminação descrita pelas autoridades chinesas”, de acordo com o relatório.

A escolha do Sr. Cottier para conduzir a investigação atraiu críticas desde o início. Ex-procurador-geral de Vaud, uma região suíça que por anos foi o centro dos esportes internacionais como lar de vários órgãos governamentais, ele tinha ligações estreitas com a WADA e autoridades olímpicas. Ele havia sido nomeado para liderar a investigação pelo oficial que estava encarregado de auditar o departamento de inteligência e investigações da WADA na época em que os nadadores chineses testaram positivo.

O auditor, Jacques Antenen, serviu como chefe de polícia de Vaud sob o Sr. Cottier quando este último era procurador-geral de Vaud. Em uma entrevista por telefone em 3 de maio, o Sr. Antenen disse que havia contatado o Sr. Niggli, o administrador mais sênior da WADA, nos dias após a divulgação dos testes positivos para sugerir que o Sr. Cottier poderia ser uma boa escolha para liderar qualquer investigação.

“Eu não o recomendei; eu apenas disse que se você precisa de alguém, é uma boa escolha”, disse o Sr. Antenen. Ele disse que não sabia se outros tinham sido considerados para a função.

A WADA reagiu com raiva quando as primeiras perguntas sobre a independência do Sr. Cottier foram levantadas, dizendo que “as tentativas de difamar a integridade de um profissional altamente conceituado no momento em que ele começa seu trabalho estão se tornando cada vez mais ridículas e têm como objetivo minar o processo”.

Fuente