Início Política Universidades canadenses dizem que registro de influência estrangeira pode prejudicar parcerias de...

Universidades canadenses dizem que registro de influência estrangeira pode prejudicar parcerias de pesquisa

1

As principais universidades de investigação do Canadá alertam que uma proposta de registo de transparência de influência estrangeira poderia ter um “efeito inibidor” não intencional nas parcerias internacionais, o que significa que o Canadá perderia oportunidades de ponta.

As universidades sub-15 do Canadá estão entre as várias vozes preocupadas que instam os deputados a adoptarem alterações ao registo planeado, uma peça central da legislação que está a ser submetida a um comité da Câmara dos Comuns.

Os membros do comitê estão programados para iniciar hoje uma revisão cláusula por cláusula do abrangente projeto de lei anti-interferência estrangeira – incluindo quaisquer emendas – depois de apenas uma semana de audiências.

A legislação introduziria novas disposições penais contra actos enganosos ou sub-reptícios, permitiria a partilha de informações sensíveis com empresas e outras pessoas para além do governo, e estabeleceria um registo de transparência de influência estrangeira.

O projecto de lei reconhece que os Estados e outras entidades estrangeiras podem interferir na promoção de objectivos políticos e podem contratar pessoas para agir em seu nome sem revelar esses laços.

O registro de transparência exigiria que certos indivíduos se registrassem no governo federal para ajudar na proteção contra tal atividade.

O não registo de um acordo ou actividade com um mandante estrangeiro — um poder, estado, entidade ou entidade económica — pode resultar em sanções financeiras ou mesmo em sanções criminais.

Num resumo escrito ao comité, o Grupo U15 de Universidades de Investigação Canadianas manifesta preocupação com os requisitos de apresentação de relatórios ao abrigo do registo, dadas as extensas redes internacionais de cooperação em investigação.

“É simplesmente impossível para as grandes universidades intensivas em investigação rastrear colaborações de investigação individuais entre as suas instituições e reportar isso no registo” dentro dos 14 dias exigidos, diz a submissão.

Preocupações com a liberdade acadêmica

O Canadá Sub-15 também pede maior clareza sobre como um acordo será definido e se ele abrangeria parcerias de pesquisa, acordos de financiamento ou outras atividades de pesquisa internacionais conduzidas com universidades com financiamento público, instituições de pesquisa ou agências estrangeiras de financiamento de pesquisa.

“O risco de um efeito inibidor sobre as parcerias de investigação internacionais como uma consequência não intencional dos requisitos de notificação do registo poderia prejudicar significativamente as relações com os pares internacionais e significar que o Canadá perde a oportunidade de cooperar em investigação de ponta e de aceder aos líderes mundiais experiência com nações pares.”

O grupo também gostaria de saber se a publicação ou comunicação de resultados de investigação, incluindo através de revistas académicas revistas por pares, ensino, conferências ou outros fóruns públicos, seria considerada uma actividade de comunicação para os efeitos da lei.

Tal exigência poderia “infringir significativamente” a liberdade acadêmica e “limitar a busca pela ciência aberta e pela livre troca de ideias”, afirma o U15 Canada.

A Universities Canada, que representa 96 universidades em todo o país, afirma na sua apresentação ao comité que o registo de transparência poderia capturar informações relacionadas com um processo político ou governamental “que seja comunicado ou divulgado por qualquer meio, incluindo meios de comunicação social”.

“Isso pode incluir publicações de pesquisa que buscam abordar questões como política externa, processos de governança, economia, clima e tecnologias sujeitas a um debate político crescente”, afirma a Universities Canada.

Liberdade de imprensa e questões de privacidade

As publicações de investigação já têm requisitos de transparência incorporados, tais como a divulgação de afiliação universitária e conflitos de interesses financeiros, observa a organização.

“A exigência de registro adicional corre o risco de sufocar a pesquisa canadense ao criar processos administrativos duplicados e pode não considerar outras políticas de segurança de pesquisa que as universidades implementaram nos últimos anos”.

Num resumo político apresentado ao comité, o Centro para a Inovação em Governação Internacional observa que o registo de influência canadiano será “agnóstico em termos de país”, o que significa que não será direcionado a adversários estatais conhecidos, como a China.

O Canadá está a seguir este caminho apesar dos problemas com essa abordagem experimentados pela Austrália, e apesar de um modelo alternativo e mais recente oferecido pelo Reino Unido, afirma o documento escrito pelo especialista em segurança Wesley Wark, membro sénior do CIGI.

Wark aponta que a versão do Reino Unido é um sistema de duas camadas. Um nível melhorado dá ao secretário de Estado o poder de exigir o registo de uma gama mais ampla de atividades para países específicos, partes de países ou entidades estrangeiras controladas pelo governo, quando necessário.

Benjamin Fung, professor e catedrático de pesquisa do Canadá na Universidade McGill, expressa apoio a um modelo de dois níveis como o em vigor no Reino Unido em um comunicado ao comitê Commons. Tal abordagem permitiria ao governo canadense “impor restrições mais precisas a entidades selecionadas”, diz Fung.

A Associação Canadense de Liberdades Civis afirma que a seção do projeto de lei que cria o registro de influência “inclui linguagem vaga e ampla que levanta questões de responsabilização democrática”.

A associação está preocupada com a potencial utilização do registo como uma ferramenta para o governo monitorizar o envolvimento internacional de vários intervenientes, incluindo emissoras estrangeiras pertencentes ou financiadas pelo Estado, instituições académicas e instituições de caridade.

“Essas considerações envolvem potencialmente a liberdade de imprensa e questões de privacidade, bem como questões sobre o lugar reservado às organizações internacionais no ecossistema do Canadá”, diz o documento da associação.

Fuente