Início Melhores histórias Um ano de guerra civil no Sudão: o que sabemos sobre o...

Um ano de guerra civil no Sudão: o que sabemos sobre o conflito

10

As forças de dois generais rivais devastaram o Sudão durante mais de um ano, desencadeando uma onda de violência que expulsou 9,2 milhões de pessoas das suas casas e criou a maior crise de deslocamento do mundo.

A menos que os combates cessem em breve, o Sudão poderá ser atingido por uma fome devastadora que afectará milhões de pessoas, alertam responsáveis ​​das Nações Unidas. Mas há poucas perspectivas de que o conflito termine tão cedo.

A guerra já reordenou o país com uma velocidade vertiginosa. A capital, Cartum, foi transformada num campo de batalha carbonizado, com edifícios marcados por balas e corpos enterrados em covas rasas.

Mais de um terço dos 48 milhões de habitantes do Sudão sofrem de fome aguda e quase 230 mil crianças subnutridas poderão morrer nos próximos meses se não receberem alimentos e cuidados de saúde, disseram altos funcionários ao Conselho de Segurança das Nações Unidas em Março.

Dezenas de hospitais e clínicas foram fechadas, dizem trabalhadores humanitários. Escolas e universidades estão fechadas num país que outrora atraiu muitos estudantes estrangeiros. Os saques são generalizados, com centenas de bancos roubados e milhares de carros roubados.

As atrocidades continuam a aumentar em Darfur, a região ocidental devastada por duas décadas de violência. Civis foram massacrados, campos de ajuda humanitária e casas queimadas e refugiados estão a fugir em massa através da fronteira para o Chade, muitos deles prometendo nunca mais regressar a casa.

Cerca de 150 mil pessoas podem ter morrido por causas relacionadas com a guerra, segundo Tom Perriello, o enviado dos Estados Unidos para o Sudão, embora seja difícil estabelecer números precisos porque o Estado sudanês está a desmoronar-se rapidamente.

Dos que foram forçados a fugir das suas casas, 7,1 milhões permanecem no Sudão, segundo a agência da ONU para os refugiados. Os outros 2,1 milhões fugiram para países vizinhos, incluindo o Sudão do Sul, o Chade, o Egipto, a Etiópia e a República Centro-Africana.

Os contínuos confrontos entre as forças concorrentes dos dois generais – o exército regular e um grupo paramilitar conhecido como Forças de Apoio Rápido – também frustraram as esperanças de que o Sudão inaugurará um regime civil em breve.

Aqui está uma olhada no que está acontecendo no Sudão.

As Forças de Apoio Rápido dominam grande parte de Cartum, a capital, onde os combates começaram em Abril de 2023, bem como grande parte de Darfur, a região ocidental de onde vêm os líderes do grupo.

Em Dezembro, a RSF também capturou Wad Madani, a capital do estado celeiro de El Gezira, num grande revés para os militares.

Mas o pêndulo voltou a oscilar em Fevereiro, quando o exército recapturou o centro de Omdurman, uma das três cidades que compõem a grande área urbana de Cartum. Os militares também controlam a maior parte do norte e leste do Sudão, incluindo Porto Sudão, no Mar Vermelho.

As batalhas mais ferozes estão agora a ter lugar em Darfur, onde as Forças de Apoio Rápido foram acusadas de inúmeras atrocidades. O grupo paramilitar cercou El Fasher, a última cidade em Darfur ainda controlada pelo exército, provocando fortes avisos de possível massacre étnico.

Os esforços diplomáticos para alcançar um cessar-fogo, incluindo alguns liderados pelos Estados Unidos, não tiveram sucesso. As agências humanitárias estão a lutar para entregar ajuda, citando combates, ameaças, estradas bloqueadas e exigências fiscais.

Numa conferência de doadores de alto nível em Paris, em Abril, os doadores internacionais prometido mais de dois mil milhões de euros (ou mais de 2,1 mil milhões de dólares) em ajuda ao Sudão. Mas até Junho, segundo as Nações Unidas, tinha angariado apenas 430 milhões de dólares dos 2,7 mil milhões de dólares de que necessita para o Sudão.

Antes disso, o General al-Burhan tinha sido comandante regional do exército em Darfur, onde 300 mil pessoas foram mortas e milhões de outras deslocadas em combates de 2003 a 2008 que suscitaram condenação mundial.

Depois de civis e militares terem assinado um acordo de partilha de poder em 2019, o General al-Burhan tornou-se presidente do Conselho de Soberania, um órgão criado para supervisionar a transição do Sudão para um regime democrático. Mas à medida que se aproximava a data para a transferência do controlo para os civis, no final de 2021, ele mostrou-se relutante em renunciar ao poder.

O principal rival do General al-Burhan é Tenente-General Mohamed Hamdan, que lidera as Forças de Apoio Rápido do país, um poderoso grupo paramilitar.

De origem humilde, o General Hamdan, amplamente conhecido como Hemeti, ganhou destaque como comandante das notórias milícias Janjaweed, responsáveis ​​pelas piores atrocidades do conflito em Darfur.

Em Outubro de 2021, o General al-Burhan e o General Hamdan uniram-se para tomar o poder através de um golpe militar, tornando-os efectivamente o líder e vice-líder do Sudão. Mas eles logo se desentenderam.

Muitos diplomatas, incluindo os dos Estados Unidos, tentaram negociar um acordo entre os dois generais que os levaria a devolver o poder aos civis.

No entanto, não chegaram a acordo sobre a rapidez com que as Forças de Apoio Rápido seriam absorvidas pelo exército. Em Abril de 2023, após meses de tensões crescentes, as suas tropas entraram em guerra umas contra as outras.

Ambos os líderes viajaram para fora do Sudão no ano passado em busca de apoio político. O General al-Burhan dirigiu-se à Assembleia Geral da ONU, enquanto o General Hamdan viajou para vários países africanos. Em um discurso neste mês de abril, o general al-Burhan disse que suas forças estavam decididas a lutar até a vitória.

O Sudão, o terceiro maior país africano em área, ocupa uma posição central no continente. Tem cerca de 500 milhas de costa no Mar Vermelho, uma das rotas marítimas mais movimentadas do mundo. É um dos maiores produtores de ouro de África e a sua posição no Nilo confere-lhe um enorme potencial agrícola.

Também partilha fronteiras com sete países – República Centro-Africana, Chade, Egipto, Eritreia, Etiópia, Líbia e Sudão do Sul – muitos também ameaçados pela instabilidade.

À medida que a guerra se arrastava, potências estrangeiras envolveram-se, enviando armas ou combatentes na esperança de apoiar um vencedor.

A maior influência externa são os Emirados Árabes Unidos, que forneceram secretamente armas às forças paramilitares através de uma base no Chade, informou o The Times. Os Emirados, que negam apoiar qualquer lado, dizem que a sua operação é puramente humanitária.

Os mercenários russos Wagner também apoiaram a RSF com armas nos primeiros meses da guerra, afirmam responsáveis ​​da ONU e do Sudão. Isso levou a Ucrânia a enviar forças especiais que teriam conduzido operações ao lado do exército sudanês em Cartum.

Mas desde que o Wagner foi oficialmente dissolvido no ano passado, o governo russo aqueceu as suas relações com os militares sudaneses. Em Maio, um general disse que o Sudão poderia permitir o acesso russo à costa do Mar Vermelho em troca de armas.

Os militares do Sudão já estão a receber drones armados do Irão, segundo autoridades ocidentais e sudanesas – um factor-chave nas recentes vitórias do exército, mas que causou alarme em Washington, dizem as autoridades.

Fuente