Início Notícias Ucrânia permitirá que alguns prisioneiros entrem no exército, enquanto Kiev se concentra...

Ucrânia permitirá que alguns prisioneiros entrem no exército, enquanto Kiev se concentra em encontrar os recrutas necessários

5

Poderia a Ucrânia realmente recorrer às suas prisões para recrutar milhares de novos recrutas para a sua guerra com a Rússia?

É uma possibilidade, depois de o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, ter assinado legislação na semana passada permitindo o alistamento de certos condenados. Vários milhares de prisioneiros pedem agora para ser admitidos no exército, segundo a vice-ministra da Justiça da Ucrânia, Olena Vysotska.

À medida que a guerra avança para o seu terceiro ano, a Ucrânia tem lutado para encontrar os soldados adicionais de que necessita. Para conseguir que mais pessoas uniformizem, o governo reduziu a idade de recrutamento, aumentou as multas para quem se esquiva do recrutamento e lembrou aos ucranianos no estrangeiro as suas obrigações.

Mas a decisão de permitir que condenados – excluindo os envolvidos em crimes graves específicos – se juntem ao exército é uma indicação de que Kiev está disposta a lançar uma rede mais ampla para satisfazer as suas necessidades de pessoal durante a guerra. Ainda não se sabe até que ponto isso irá aumentar as suas fileiras.

“O exército da Ucrânia enfrenta um problema cada vez mais agudo de escassez de pessoal, e o envolvimento de prisioneiros pode reduzir ligeiramente a gravidade deste problema”, disse Andrii Kharuk, historiador militar ucraniano, por e-mail.

A abordagem da Rússia

A necessidade de soldados da Ucrânia surge em meio aos contínuos ataques russos na região nordeste de Kharkiv, uma situação que chamou a atenção de Kiev nas últimas semanas e exigiu o envio de reforços. O governador regional Oleh Syniehubov disse na sexta-feira que as autoridades evacuaram mais de 11.000 pessoas desde que os ataques russos começaram em 10 de maio.

Um membro de um esquadrão anti-bomba da polícia trabalha no local de um recente ataque aéreo russo em Kharkiv, Ucrânia, na quarta-feira, 22 de maio de 2024.
Um membro do esquadrão anti-bomba da polícia é visto na quarta-feira no local de um ataque aéreo russo em Kharkiv, Ucrânia. (Sofia Gatilova/Reuters)

As motivações para as ações da Rússia no nordeste têm várias explicações possíveis: o presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que Moscovo quer criar uma zona tampão, enquanto alguns analistas sugerem que as ações da Rússia em Kharkiv podem ter como objetivo desviar o foco de outras partes da linha da frente.

A Rússia tem uma população mais de três vezes superior à da Ucrânia, o que proporciona uma vantagem numérica quando se trata de recrutar potenciais soldados. No entanto, também tem enviado prisioneiros russos para a Ucrânia durante grande parte da invasão total.

Yevgeny Prigozhin, o falecido fundador do Grupo paramilitar Wagner, ganhou as manchetes em 2022 quando surgiu um vídeo que o mostrava a fazer um apelo direto aos reclusos para que conquistassem a sua liberdade lutando na Ucrânia. Ele alegou ter recrutado dezenas de milhares de homens nas prisões russas.

Uma mulher em São Petersburgo, na Rússia, empurra um carrinho diante de cartazes que promovem serviços contratados com o exército.
Cartazes promovendo serviços contratados com o exército russo são vistos nesta foto tirada em São Petersburgo, na Rússia, no mês passado. (Olga Maltseva/AFP/Getty Images)

A Rússia continua a enviar condenados para a batalha, embora alguns relatórios sugiram que Moscovo reduziu os termos oferecidos aos que servem. Também assistiu a incidentes de violência que chegaram às manchetes no seu lado da fronteira, envolvendo prisioneiros que se tornaram soldados e que regressaram a casa depois de servirem na Ucrânia.

Uma mudança para a Ucrânia

Kharuk, o historiador militar, disse que Kiev tinha razões para não recorrer às populações prisionais em busca de potenciais recrutas no início do conflito.

“Na minha opinião, no início da guerra, a Ucrânia não conseguiu mobilizar prisioneiros por razões éticas”, disse Kharuk, que também é professor de humanidades na Academia Nacional do Exército Hetman Petro Sahaidachnyi, em Lviv, Ucrânia.

ASSISTA | O impacto do atraso na ajuda dos EUA à Ucrânia:

Atraso no pacote de ajuda dos EUA levou a vantagens no campo de batalha para a Rússia, diz primeiro-ministro ucraniano

O atraso de seis meses no pacote de ajuda militar dos EUA levou a desvantagens tácticas para a Ucrânia, afirma o primeiro-ministro Denys Shmyhal. Shmyhal fala sobre a relação do país com a OTAN e o apoio do Canadá à Ucrânia durante a guerra.

“No contexto do recrutamento em massa de prisioneiros para o exército russo, era importante demonstrar que a Ucrânia interpreta o serviço militar como um dever honroso de um cidadão, e não como uma forma de evitar a punição por sanções penais.”

Autoridades de Kiev dizem que cerca de 20 mil prisioneiros poderiam ser elegíveis para seguir esse caminho para o serviço militar, embora se espere que apenas uma fração o faça.

Dois dos primeiros homens autorizados a lutar são ladrões condenados que foram libertados para este fim, informou a Agence France-Presse esta semana. Outros 50 prisioneiros foram libertados para que pudessem ingressar no exército, informou o Kyiv Independent na sexta-feira.

A experiência britânica de muito tempo atrás

Um século antes da actual guerra na Ucrânia, houve outra guerra terrestre na Europa que exigiu o envio de cada vez mais tropas para a luta.

Ivan Liashko, um soldado ucraniano e comandante da tripulação de obuses, é visto atirando contra as tropas russas ao longo de uma posição de linha de frente na região de Kharkiv, na Ucrânia, na terça-feira, 21 de maio de 2024.
Ivan Liashko, um soldado ucraniano e comandante da tripulação de obuses, é visto atirando contra as tropas russas ao longo de uma posição de linha de frente na região de Kharkiv, na Ucrânia, na terça-feira. (Valentyn Ogirenko/Reuters)

Essa foi a Primeira Guerra Mundial, um conflito que ceifou milhões de vidas, incluindo as de 880 mil forças britânicas.

A Grã-Bretanha acabaria por enviar condenados para a luta à medida que a guerra avançasse, tal como a Ucrânia está a considerar hoje.

Cameron McKay estudou esta história de perto e escreveu sobre como a Grã-Bretanha compreendeu que precisaria de muito mais homens para lutar do que os que estavam disponíveis no início da guerra.

“A escassez de mão de obra foi certamente um fator determinante para permitir o alistamento de criminosos”, explicou McKay, historiador, por e-mail.

“No início da guerra, os réus que se ofereceram para se alistar em vez de serem mandados para a prisão geralmente eram informados de que não. No entanto, à medida que a guerra avançava, os réus foram cada vez mais autorizados a se alistar”.

Um soldado ucraniano prepara um drone de combate pesado para uso na região de Donetsk na segunda-feira, 20 de maio de 2024.
Um soldado ucraniano prepara um drone de combate pesado para uso na região de Donetsk na segunda-feira. (Inna Varenytsia/Reuters)

De acordo com a sua investigação, os decisores na Grã-Bretanha viram várias vantagens em permitir que prisioneiros servissem no exército. Estas incluíam o serviço militar sendo visto “como uma oportunidade de redenção, ao mesmo tempo que reduzia a população carcerária”, disse McKay.

Ao contrário da situação na Ucrânia moderna, contudo, a Grã-Bretanha permitiu o alistamento de criminosos violentos.

Alguns dos argumentos apresentados contra o seu alistamento giravam em torno de um possível ressentimento por parte de outros soldados.

“Também se acreditava amplamente na época que os criminosos não tinham o altruísmo necessário para o serviço militar, embora a sua disponibilidade para se alistar provasse o contrário”, disse McKay.

Pressões sobre Kyiv

Oxana Shevel, professora associada de ciência política na Universidade Tufts de Boston, disse que a natureza imprevisível da guerra cria desafios para um governo em Kiev que deve decidir quem deve juntar-se à luta.

Um membro de uma unidade de defesa aérea ucraniana é visto viajando em um veículo blindado perto de Bakhmut, Ucrânia, na quinta-feira, 23 de maio de 2024.
Um membro de uma unidade de defesa aérea ucraniana é visto andando em um veículo blindado perto de Bakhmut, na Ucrânia, na quinta-feira. (Oleksandr Ratushniak/Reuters)

Shevel observa que a ação de “recrutar muitas pessoas que podem não querer ser recrutadas não é uma medida superpopular”, por mais necessária que seja para o esforço de guerra de Kiev. Há também questões por resolver sobre a chamada desmobilização, uma vez que alguns soldados ucranianos estão na linha da frente há mais de dois anos, sem que o seu serviço militar esteja à vista.

Shevel, nascido na Ucrânia, não vê a decisão de Kiev de permitir a entrada de prisioneiros no exército como particularmente controversa, dado que os condenados por crimes graves são excluídos do serviço. E pede-lhes que assumam os mesmos riscos que qualquer outra pessoa que ajude a defender a Ucrânia.

De um modo mais geral, Shevel disse que os líderes políticos em Kiev tiveram de fazer escolhas difíceis e contínuas sobre quem convocar para o serviço militar, ao mesmo tempo que equilibram outras considerações, como os impactos demográficos e económicos que o recrutamento impõe.

Mas ela disse que eles também foram claros sobre por que não podem evitar tomar essas decisões, dados os custos de não conseguirem deter a Rússia.

“O exército invasor não vai se preocupar com os direitos humanos de ninguém”, disse Shevel.

Fuente