Início Melhores histórias Ucrânia intensifica ataques com mísseis de longo alcance dos EUA

Ucrânia intensifica ataques com mísseis de longo alcance dos EUA

7

O exército ucraniano tem utilizado cada vez mais mísseis de longo alcance fornecidos pelos EUA para atingir aeródromos e navios de guerra russos bem atrás das linhas inimigas, uma prática que lhe trouxe algum sucesso dentro do território ucraniano ocupado pela Rússia, mas que foi impedido por Washington de se estender até A Rússia propriamente dita, limitando a sua capacidade de repelir os ataques russos.

Na semana passada, as forças de Kiev lançaram três ataques usando Sistemas de Mísseis Táticos do Exército, conhecidos como ATACMS. Os ataques aéreos – que atingiram um sistema de defesa aérea e um navio com mísseis em território ocupado pela Rússia no leste e no sul da Ucrânia – foram relatados por ambos os lados, e o seu impacto foi confirmado por grupos independentes que analisam imagens geolocalizadas do campo de batalha.

A Ucrânia espera que os ataques, ao prejudicarem a capacidade de Moscovo de conduzir operações militares, acabem por ajudar a aliviar as tropas que lutam para conter os avanços russos no terreno. Mas os Estados Unidos e outros aliados ocidentais permitiram apenas o disparo de armas ocidentais contra o território ocupado pela Rússia na Ucrânia, e não contra a própria Rússia, por receio de uma escalada da guerra.

Autoridades ucranianas reclamaram que a política permite que Moscou lance ataques de dentro da Rússia sem risco e algema a capacidade da Ucrânia de repeli-los. “Eles procedem com calma, compreendendo que os nossos parceiros não nos dão permissão” para atacar, disse o presidente Volodymyr Zelensky da Ucrânia numa entrevista ao The New York Times na semana passada. “Esta é a sua enorme vantagem.”

Agora, aumenta a pressão sobre a administração Biden para reverter essa política face às dificuldades da Ucrânia no campo de batalha. A última chamada ocorreu na sexta-feira, com o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, a dizer ao The Economist que negar “à Ucrânia a possibilidade de usar estas armas contra alvos militares legítimos em território russo torna muito difícil para eles se defenderem”.

A Ucrânia não produz armas poderosas de longo alcance, deixando-a dependente dos seus aliados ocidentais para as obter. Mas Washington recusou-se durante muito tempo a fornecer ATACMS – pronunciados “ems de ataque” – temendo que isso pudesse ultrapassar uma das “linhas vermelhas” do Kremlin que levaria a uma escalada.

Isso mudou no final do ano passado, quando o Presidente Biden aprovou o envio à Ucrânia de uma versão do ATACMS que pode atingir alvos a 160 quilómetros de distância. Depois, em Abril, Washington deu secretamente a Kiev uma nova versão da arma, com um alcance de cerca de 300 quilómetros.

E na sexta-feira, os Estados Unidos anunciaram um pacote militar de 275 milhões de dólares para Kiev que inclui munições para o HIMARS, um lançador de foguetes que pode disparar mísseis ATACMS. Zelensky agradeceu à Casa Branca, dizendo nas redes sociais que o pacote incluía “mísseis de longo alcance muito necessários”.

Os mísseis permitiram que a Ucrânia atingisse postos logísticos e de comando bem atrás das linhas russas. Kiev tem como alvo aeródromos, depósitos de munições, lançadores de mísseis antiaéreos e concentrações de tropas.

Um alvo específico tem sido a península da Crimeia ocupada pela Rússia, um centro de abastecimento para as forças de Moscovo no sudeste e uma plataforma de lançamento para ataques de mísseis e drones. Moscou relatou vários ataques envolvendo mísseis ATACMS este mês.

Na semana passada, o exército ucraniano disse ter atingido o porto de Sebastopol, na Crimeia, e danificado um pequeno navio com mísseis. O Instituto para o Estudo da Guerra, um think tank com sede em Washington, disse que as imagens de satélite obtidas após o ataque mostraram prováveis ​​​​danos ao navio.

No início de maio, as forças ucranianas atingiram um sistema de defesa aérea russo perto de uma base aérea na Crimeia, segundo o Oryx, um site de análise militar que contabiliza as perdas com base em evidências visuais.

Mas a incapacidade da Ucrânia de disparar armas contra a própria Rússia deu a Moscovo uma vantagem significativa, dizem as autoridades ucranianas, o que se tornou mais claro quando as forças russas abriram uma nova frente este mês na região de Kharkiv, no nordeste da Ucrânia. Antes da ofensiva, Moscovo reuniu tropas e equipamento perto da fronteira, mas a política dos aliados impediu a Ucrânia de os atacar com armas ocidentais.

Após cerca de duas semanas de combates ferozes, Zelensky disse na sexta-feira que o avanço russo havia estagnado e que a situação estava sob controle. Ainda assim, a ofensiva proporcionou a Moscovo os maiores ganhos territoriais na Ucrânia desde finais de 2022.

Fuente