Início Notícias Sonda lunar chinesa Chang’e 6 retorna à Terra com primeiras amostras do...

Sonda lunar chinesa Chang’e 6 retorna à Terra com primeiras amostras do outro lado da lua

6

A sonda Chang’e 6 da China retornou à Terra com amostras de rochas e solo do lado oculto da Lua, pouco explorado, em uma inovação global.

A sonda pousou na região da Mongólia Interior, no norte da China, na tarde de terça-feira.

“Declaro agora que a missão de exploração lunar Chang’e 6 obteve sucesso total”, disse Zhang Kejian, diretor da Administração Espacial Nacional da China, em entrevista coletiva televisionada após o pouso.

Os cientistas chineses prevêem que as amostras devolvidas incluirão rochas vulcânicas com 2,5 milhões de anos e outros materiais que os cientistas esperam que respondam a questões sobre as diferenças geográficas nos dois lados da Lua.

O lado próximo é o que é visto da Terra, e o lado oposto está voltado para o espaço sideral. O outro lado também é conhecido por ter montanhas e crateras de impacto, contrastando com as extensões relativamente planas visíveis no lado mais próximo.

A sonda pousou na bacia lunar do Pólo Sul-Aitken, uma cratera de impacto criada há mais de quatro bilhões de anos. As amostras que os cientistas esperam virão provavelmente de diferentes camadas da bacia, que conterão vestígios de diferentes eventos geológicos ao longo da sua longa cronologia, como quando a lua era mais jovem e tinha um interior activo que poderia produzir rocha vulcânica.

Embora missões anteriores dos EUA e da União Soviética tenham recolhido amostras do lado próximo da Lua, a missão chinesa foi a primeira a recolher amostras do lado oculto.

“Esta é uma inovação global no sentido de que é a primeira vez que alguém consegue decolar do outro lado da Lua e trazer amostras”, disse Richard de Grijs, professor de astrofísica na Universidade Macquarie, na Austrália.

Uma rivalidade crescente

O programa lunar faz parte de uma rivalidade crescente com os EUA e outros países, incluindo o Japão e a Índia. A China colocou a sua própria estação espacial em órbita e envia regularmente tripulações para lá.

O líder chinês Xi Jinping enviou uma mensagem de parabéns à equipe Chang’e, dizendo que foi uma “conquista histórica nos esforços do nosso país para se tornar uma potência espacial e tecnológica”.

A sonda deixou a Terra em 3 de maio e sua viagem durou 53 dias. A sonda perfurou o núcleo e retirou rochas da superfície.

As amostras “esperam que respondam a uma das questões científicas mais fundamentais na investigação científica lunar: que atividade geológica é responsável pelas diferenças entre os dois lados?” disse Zongyu Yue, geólogo da Academia Chinesa de Ciências, em comunicado divulgado no Innovation Monday, jornal publicado em parceria com a Academia Chinesa de Ciências.

Nos últimos anos, a China lançou múltiplas missões bem-sucedidas à Lua, anteriormente coletando amostras do lado próximo da Lua com a sonda Chang’e 5.

Eles também esperam que a sonda retorne com material que contenha vestígios de quedas de meteoritos do passado da Lua. Esse material poderia lançar luz sobre os primeiros dias do sistema solar. Há uma teoria de que a Lua agiu como uma espécie de aspirador de pó, atraindo todos os meteoritos e detritos da era anterior do sistema para que não atingissem a Terra, disse de Grijs, que também é diretor executivo do Instituto Internacional de Ciências Espaciais de Pequim. .

A China disse que planeia partilhar as amostras com cientistas internacionais, embora não tenha dito exatamente em que países.

Fuente