Início Melhores histórias Sávio para o Manchester City? UEFA diz que não é tão...

Sávio para o Manchester City? UEFA diz que não é tão rápido

2

Para a nova geração de investidores super-ricos do futebol – bilionários favoráveis ​​ao risco, fundos de cobertura americanos, estados ricos do Golfo – o apelo de um novo modelo de propriedade de equipas reside na sua estratégia simples.

Ao reunir não apenas uma única equipe, mas vários times e centenas de jogadores em extensas redes multiclubes, esses novos proprietários ricos acreditaram que poderiam alavancar a eficiência, as melhores práticas e o volume para obter sucesso em campo.

A Red Bull, fabricante de bebidas energéticas, foi pioneira no modelo. O Manchester City, campeão inglês financiado pela riqueza dos Emirados Árabes Unidos, superou-o através do seu City Football Group. Jim Ratcliffe, presidente da gigante química INEOS, trouxe-o para o Manchester United quando adquiriu uma participação importante no clube no ano passado.

Mas uma das maiores atracções da propriedade de vários clubes depara-se agora com um desafio significativo: o órgão dirigente do futebol europeu está a mudar as regras.

O problema, segundo os líderes do futebol europeu, é que os jogos entre equipas controladas pelo mesmo grupo proprietário podem comprometer a imparcialidade das competições continentais e abrir a porta à auto-negociação no mercado de negociação de jogadores do futebol, que movimenta 7 mil milhões de dólares por ano.

Aleksander Ceferin, principal administrador do futebol europeu, tentou superar a divisão. Numa entrevista em podcast no ano passado, ele sugeriu que o modelo multiclubes representava um perigo para o esporte, ao mesmo tempo em que cortejava os investidores dizendo que as regras sobre tal propriedade poderiam ser flexibilizadas no novo formato da Liga dos Campeões.

O atual ponto crítico envolve uma das histórias mais célebres da recém-concluída temporada de futebol europeu: o clube espanhol Girona e seu talentoso atacante brasileiro de 20 anos chamado Sávio.

O Girona terminou em terceiro lugar no campeonato espanhol na temporada passada, no seu quarto ano na primeira divisão do país. Esse desempenho rendeu ao time uma vaga na próxima temporada na Liga dos Campeões, a competição de clubes mais rica da Europa, e atraiu a atenção de alguns dos maiores clubes do continente para os maiores talentos do Girona.

Na hora de contratar Sávio, o Manchester City levou vantagem. O seu proprietário, irmão do governante dos Emirados Árabes Unidos, é também o detentor da maior participação acionária em Girona. Portanto, a próxima parada da estrela emergente do Girona não parecia estar em dúvida. A notícia foi praticamente confirmada em fevereiro, quando o influenciador das redes sociais Fabrizio Romano, especializado em notícias sobre negociação de jogadores, declarou o negócio fechado.

“O Manchester City assinou todos os documentos para contratar Sávio a partir de 1º de julho”, declarou ele em mensagem aos seus mais de 20 milhões de seguidores no X que começava com um emoji de sirene vermelha.

Os direitos de Sávio, porém, na verdade não pertenciam ao Girona. O jogador estava emprestado pelo clube francês Troyes, que também integra o City Football Group.

Esses tipos de participações múltiplas tornaram-se comuns no futebol mundial na última meia década: dados da UEFA, o órgão dirigente do futebol europeu, identificaram mais de 180 equipas em todo o mundo, empregando mais de 6.500 jogadores, que agora fazem parte de redes multiclubes.

Isso criou um problema para a UEFA. No passado, tinha-se concentrado principalmente na forma como a propriedade das equipas afectava as suas competições, determinando que um único proprietário não poderia controlar várias equipas no mesmo evento.

Mas com o controlo multiclubes a aumentar e os críticos a queixarem-se da integridade dos maiores torneios europeus – para não mencionar os receios de que clubes famosos e orgulhosos estejam a ser reduzidos a meras equipas de alimentação – a UEFA introduziu alterações temporárias nas regras.

De acordo com os regulamentos revistos, se um proprietário reduzir a sua participação num dos seus clubes para menos de 30 por cento, ambas as equipas seriam autorizadas a jogar em torneios da UEFA, desde que as equipas também garantissem que são geridas separadamente, sem membros do conselho de administração e outros membros partilhados. vínculos comerciais ou esportivos diretos.

Estas regras serão concedidas apenas uma temporada, permitindo mais tempo para os proprietários alienarem uma participação num clube concorrente abaixo do limite exigido pela UEFA.

Tal acomodação foi feita na temporada passada para os proprietários americanos do AC Milan e do time francês Toulouse, gerando relatos em novembro de que a Red Bird, a empresa que controla ambas as equipes, estava procurando um comprador para o Toulouse.

As regras revisadas sobre movimentação de jogadores, porém, serão rigorosas. Os clubes envolvidos em acordos de propriedade multiclubes seriam proibidos de emprestar ou negociar quaisquer jogadores entre as suas equipas se participassem na mesma competição. (Essa regra também estava em vigor para o Milan e vários outros times na temporada passada.)

Isso significaria que a tão anunciada chegada de Sávio ao Manchester City, campeão da Premier League, teria de ser adiada se City e Girona disputassem a Liga dos Campeões na próxima temporada. Ele ainda estaria autorizado a participar, mas seria improvável que pudesse fazê-lo com um uniforme azul-celeste do City.

(A mesma questão pode afectar uma futura transferência de Jean-Clair Todibo, defesa do clube francês Nice – propriedade do Sr. Ratcliffe – para o Manchester United. United e Nice qualificaram-se para uma competição diferente da UEFA, a Liga Europa, a seguir. temporada “Entendemos os regulamentos da UEFA”, disse a empresa de Ratcliffe, INEOS, em um comunicado, acrescentando: “Nosso objetivo é que ambos os clubes joguem na Liga Europa.

O City Football Group disse que está em contato com dirigentes da Uefa há meses para encontrar uma maneira de liberar Manchester City e Girona para jogar na Liga dos Campeões. Todos os clubes tinham o prazo até esta última segunda-feira para entregar a documentação final.

A UEFA recusou-se a comentar o acordo proposto, mas espera-se que uma decisão final sobre a elegibilidade das equipas seja anunciada no próximo mês.

Fuente