Início Melhores histórias Rússia inicia exercícios nucleares táticos, em alerta aos aliados da Ucrânia

Rússia inicia exercícios nucleares táticos, em alerta aos aliados da Ucrânia

6

A Rússia enviou um lembrete na terça-feira de que poderia usar armas nucleares no campo de batalha na Ucrânia, divulgando um vídeo de suas forças iniciando exercícios para praticar seu uso, duas semanas depois que o presidente Vladimir V. Putin ordenou os exercícios provocativos.

Um vídeo divulgado pelo Ministério da Defesa russo mostrou uma caravana de veículos militares movendo-se por uma estrada arborizada, bem como sistemas móveis de mísseis Iskander – que podem lançar explosivos convencionais ou nucleares – posicionando-se para o lançamento, com suas ogivas desfocadas. A filmagem também mostrou um bombardeiro estratégico supersônico armado com mísseis e uma aeronave de ataque sendo preparada para decolar.

Num comunicado, o Ministério da Defesa russo afirmou que o exercício, realizado perto da Ucrânia, tinha como objetivo preparar a força para a possibilidade de utilização de armas nucleares táticas. O objetivo é “garantir incondicionalmente a integridade territorial e a soberania do Estado russo em resposta a declarações provocativas e ameaças de autoridades ocidentais individuais”, afirmou o ministério.

Ao anunciar os exercícios no início deste mês, o Kremlin sugeriu que a medida era uma resposta aos comentários do presidente Emmanuel Macron, da França, que se recusou a descartar o envio de tropas francesas para a Ucrânia, e de David Cameron, o principal diplomata britânico, que disse que a Ucrânia poderia usar os britânicos. armas para atacar dentro da Rússia.

Dmitri S. Peskov, porta-voz do Kremlin, na altura chamou os seus comentários de “sem precedentes” e descreveu-os como uma “ronda completamente nova de escalada” que mereceu uma resposta de Moscovo.

Os exercícios foram o aviso mais claro da Rússia de que poderia usar armas nucleares no decurso da sua guerra contra a Ucrânia.

“É claramente um esforço de coerção nuclear”, disse Jeffrey Lewis, especialista em não-proliferação nuclear do Instituto Middlebury de Estudos Internacionais. “Eles até confundiram a ogiva dos mísseis balísticos Iskander, o que parece desnecessário, mas teatral.”

A possibilidade de o conflito se tornar nuclear existe desde o início, com Moscovo a tentar usar o seu arsenal nuclear para dissuadir as nações ocidentais de ajudar Kiev. No dia em que lançou a sua invasão, há mais de dois anos, Putin alertou as nações que consideravam intervir para ajudar a Ucrânia que enfrentariam “consequências como nunca viram em toda a sua história”.

Ao contrário das armas nucleares estratégicas, lançadas a grandes distâncias e com o poder de destruir cidades inteiras, as ogivas nucleares tácticas são concebidas para utilização no campo de batalha. São feitos para serem usados ​​contra alvos limitados, muitas vezes a distâncias relativamente curtas, com rendimentos suficientemente baixos para limitar a destruição a uma determinada área.

O Ministério da Defesa russo disse na terça-feira que a primeira etapa do exercício começou no Distrito Militar do Sul, que inclui grande parte do sul da Rússia, além de áreas da Ucrânia que Moscou ocupa agora.

Os exercícios ocorrem em meio a questões mais amplas sobre se as nações ocidentais deveriam intervir com mais força no conflito para ajudar os sitiados militares ucranianos, que têm lutado com a escassez de munições e pessoal, bem como com o atraso na ajuda do seu maior patrocinador, os Estados Unidos.

Numa entrevista ao The New York Times publicada na terça-feira, o presidente Volodymyr Zelensky da Ucrânia apelou aos países da NATO para se envolverem mais directamente na guerra, particularmente ajudando a abater mísseis russos. Ele também disse que queria poder usar armas americanas contra as forças russas em território russo, o que Washington não permitiu.

Zelensky acrescentou que os temores de uma escalada nuclear eram exagerados, dizendo que Putin “pode ser irracional, mas ele ama a sua própria vida”.

Durante os exercícios, as forças russas praticaram o carregamento de ogivas “especiais” nos sistemas Iskander, que têm um alcance de algumas centenas de quilómetros, e a sua movimentação secreta para a posição de lançamento, disse o ministério. O exercício também viu as forças praticarem o carregamento de ogivas em aeronaves.

As autoridades norte-americanas têm estado preocupadas há anos com o vasto arsenal de armas nucleares tácticas da Rússia, mas os esforços para controlá-las através da diplomacia falharam no meio de um desgaste mais amplo dos pactos de controlo de armas da era da Guerra Fria.

O noticiário estatal russo também informou na terça-feira que um general, Ivan Popov, que se manifestou contra a liderança militar de Moscovo numa gravação viral divulgada por um legislador russo no ano passado, foi preso por suspeita de fraude.

O general Popov, ex-comandante do 58º Exército de Armas Combinadas da Rússia, foi detido como parte de um processo criminal envolvendo “fraude em grande escala”, informou a agência de notícias estatal russa Tass.

Ele atacou a liderança militar russa no ano passado, depois de ser afastado do seu comando, dizendo que o oficial superior do país, general Valery V. Gerasimov, tinha “decapitado traiçoeira e vilmente o nosso exército” num momento particularmente sensível para as forças russas. Na altura, a sua unidade estava a impedir uma contra-ofensiva ucraniana na região de Zaporizhzhia.

A gravação surgiu em meio à agitação causada por um levante fracassado do chefe mercenário Yevegeny V. Prigozhin.

Sergei Buinovsky, advogado do general Popov, disse aos meios de comunicação russos que o seu cliente negou qualquer irregularidade.

As autoridades russas também prenderam subordinados do ex-ministro da Defesa, Sergei K. Shoigu, nas últimas semanas, numa campanha anticorrupção. O Kremlin trouxe um novo ministro da Defesa, o economista Andrei R. Belousov, e transferiu Shoigu para dirigir o conselho de segurança russo.

Essas detenções foram vistas como um método para dissuadir os altos funcionários russos de roubarem o dilúvio de fundos estatais que fluem para o sector da defesa, e como uma forma de aumentar o moral das tropas, que se irritam com a ideia de os altos funcionários ficarem ricos enquanto lutam em as trincheiras.

Mas a prisão do General Popov pode ter o efeito oposto para as tropas russas. Ele era geralmente visto como popular entre as bases, e vários blogueiros militares pró-guerra vieram em sua defesa na terça-feira.

“O general Ivan Popov não é um ladrão”, escreveu Alexander Sladkov, correspondente de guerra da mídia estatal russa, no Telegram. “Ele é um soldado.”

Fuente