Início Melhores histórias Real Madrid x UEFA é a rivalidade mais amarga da Liga dos...

Real Madrid x UEFA é a rivalidade mais amarga da Liga dos Campeões

7

O Real Madrid preparou as camisolas comemorativas assim que foi garantida a sua vaga na final da Liga dos Campeões. Enquanto os jogadores corriam uns para os outros, exultantes por mais uma vitória emocionante e de cortar os nervos, os membros da equipe correram para o campo atrás deles, garantindo que cada estrela estivesse vestida corretamente.

Nas costas de cada camisa estava o mais recente slogan aprovado pelo clube: Indo para 15. Para o dia 15. A taquigrafia corria o risco de parecer arrogância: o 15º título da Liga dos Campeões do Real Madrid ainda estava a uma vitória de distância. Ninguém, porém, parecia especialmente preocupado. A Liga dos Campeões, no que diz respeito à equipa que a venceu duas vezes mais do que qualquer outra pessoa, pertence em grande parte ao Real Madrid.

Essa crença colocou o clube espanhol no centro de uma luta pelo poder cujas apostas incluem nada menos do que o controlo sobre o futuro do futebol europeu. É uma luta acirrada entre clubes ricos e administradores poderosos sobre quem é mais importante, quem deve definir a agenda e – talvez o mais importante – quem deve beneficiar dos milhares de milhões de dólares de receitas de transmissão e patrocínio que as competições mais ricas do continente geram todos os anos.

O confronto apresenta duas das figuras mais poderosas do futebol mundial: o descarado presidente do Real Madrid, Florentino Pérez, representando a velha guarda do futebol europeu, contra o líder do órgão dirigente do continente, Aleksander Ceferin, que exerceu influência e ameaças para manter a sua própria versão. do status quo.

E colocou a UEFA – o órgão dirigente do futebol europeu e a organização que realmente dirige a competição – numa posição cada vez mais incómoda de celebrar regularmente um clube que representa uma séria ameaça à sua autoridade.

A vitória sobre o Borussia Dortmund, da Alemanha, no sábado, significaria que o Real Madrid sagrou-se campeão da principal competição da UEFA seis vezes na última década. Ao mesmo tempo, está a entrar no terceiro ano de uma dura luta jurídica, conduzida em grande parte através de procuradores, destinada, se não a destruir a Liga dos Campeões, pelo menos a provocar as mudanças mais radicais da sua história.

O status preciso dessa batalha varia dependendo da perspectiva dos combatentes. Na semana passada, um tribunal espanhol emitiu uma decisão que o Real Madrid e os seus aliados interpretaram como um forte endosso às suas tentativas de lançar uma Superliga rival: uma sucessora da Liga dos Campeões que pertence e é operada pelos maiores clubes de futebol, livre dos auspícios da Uefa.

“A era do monopólio acabou definitivamente”, disse Bernd Reichart, presidente da A22, a empresa de consultoria que serve como rosto público do projecto da Superliga apoiado por Pérez.

A leitura da situação pela UEFA foi marcadamente diferente. “O tribunal não deu luz verde nem aprovou projetos como a Superliga”, afirmou em comunicado. “Na verdade, a juíza afirmou que o projeto da Superliga foi abandonado há muito tempo e que não se pode esperar que ela se pronuncie sobre quaisquer projetos abstratos.”

Isso deixou ambos os lados, e os seus poderosos presidentes, presos num impasse insatisfatório.

Privadamente, a UEFA insiste que não considera a actual encarnação da visão de Pérez na Super League como qualquer tipo de ameaça. Ao mesmo tempo, tem sido consistentemente incapaz de desferir qualquer tipo de golpe decisivo, que possa pôr fim definitivamente ao projecto.

O efeito foi tornar as relações entre a UEFA e o Real Madrid em geral – e entre Pérez e Ceferin, em particular – cada vez mais tensas e cada vez mais pessoais: num conjunto de mensagens do WhatsApp que vazaram online na semana passada, foi relatado que Certa vez, Ceferin descreveu Pérez como um “idiota e racista”. Ele não contestou a precisão do relatório de uma publicação online, The Objective.

Os homens deveriam reunir-se novamente na sexta-feira para um jantar habitual envolvendo delegações dos finalistas e a hierarquia da UEFA. A última vez que partiram o pão nessa ocasião foi em Paris, em 2022, apenas alguns meses após o fim da supernova que foi a vida curta e infeliz da Superliga.

Naquela época, eles navegaram pelos protocolos pré-jogo exigidos deles sem incidentes. Nada estranho – como as tentativas de Perez de destruir a Liga dos Campeões – foi discutido em torno da mesa. E a noite terminou com um sorriso Sr. Pérez apresentando o Sr. Ceferin com uma maquete do renovado Estádio Santiago Bernabéu do Real Madrid.

A animosidade, porém, nunca está longe da superfície e serve como ampla ilustração de quão fundamentalmente opostas permanecem as suas posições.

Ceferin vê a UEFA como a última guardiã do futebol europeu, o auge da sua pirâmide. Para Pérez, a hierarquia do futebol está abaixo dos clubes mais poderosos do esporte, e um deles mais do que qualquer outro.

Em 2021, quando o Real Madrid – juntamente com o A22 e 11 de outras equipas de elite da Europa – lançou a Superliga, a questão mais discordante foi por que razão, exactamente, pretendia provocar o fim da Liga dos Campeões. Afinal, foi a competição que imbuiu o sentido de identidade do clube de Pérez. Foi o torneio que serviu para definir e consolidar a sua presidência.

Pérez, porém, não via a Superliga como uma substituta da Liga dos Campeões. Em vez disso, seria pouco mais do que uma nova iteração. Questionado, por um dos seus meios de comunicação preferidos, se vencer a Superliga contaria para o número cada vez maior de títulos europeus do Real Madrid, Pérez confirmou que sim. A Liga dos Campeões, para ele, é onde quer que o Real Madrid esteja.

Ao longo da última década, tornou-se uma visão difícil de desafiar. Em 2013, o Real Madrid nutria um medo profundo de ter sido amaldiçoado na competição. Ganhou o último de seus nove troféus em 2002; encerrar a espera e conquistar o décimo título tornou-se uma espécie de fixação.

Pérez supervisionou gastos generosos nessa busca – recrutando estrelas como Cristiano Ronaldo, Kaká, Xabi Alonso e Karim Benzema – quando, em 2013, pagou o que era então uma taxa recorde mundial por Gareth Bale, um explosivo atacante galês. Em sua coletiva de imprensa introdutória, Bale confirmou que já havia aprendido a dizer uma frase em espanhol: La décima (dia 10).

Seu vocabulário se expandiu apenas um pouco nos anos que se seguiram, mas não foi necessário. O Real Madrid quebrou a seca na primavera seguinte, derrotando o seu rival citadino, o Atlético, em Lisboa. Título nº 11, la undécima, seguido em 2016, e la duodécima em 2017.

No ano seguinte, a tredécima – título nº 13 – fez do Real Madrid a primeira equipa em quase meio século a vencer a competição três vezes consecutivas. O Real Madrid afastou o Liverpool em 2022 para dar ao clube la decimocuarta (os números, reconhecidamente, tornaram-se menos cativantes com o tempo) e a Pérez a sexta coroa europeia da sua presidência.

É o mesmo número adquirido por Santiago Bernabéu, o presidente totêmico da era de ouro do clube, o homem que dá nome ao reluzente estádio do Real Madrid. No sábado, em Wembley, Pérez tem a chance de superá-lo.

Para os grandes e antigos clubes da Europa continental – Real Madrid, Barcelona, ​​Juventus e o resto – a ideia da Super League foi o último lançamento de dados de um grupo que temia não ser mais capaz de competir com os seus rivais na Premier League inglesa. , repleto de receitas de radiodifusão, e equipas como o Manchester City e o Paris St.-Germain, que têm o apoio dos Estados-nação. Era, acreditavam eles, a única maneira de manter o prestígio.

No caso do Real Madrid, essa luta já não parece tão urgente. O clube está no meio de um período de domínio sem paralelo na era moderna do futebol. Tem um elenco bordado com alguns dos jovens talentos mais brilhantes do mundo, que em breve será enfeitado com mais alguns.

O fato de Pérez continuar a atiçar as brasas do projeto da Superliga sugere que a causa não é mais a angústia existencial. Em vez disso, tornou-se uma luta pelo controlo, uma afirmação de poder, um teste de força.

A sua opinião – de que são os clubes que competem na Liga dos Campeões que conferem ao torneio o seu prestígio e encanto e, portanto, que são os clubes que deveriam estar no comando – foi talvez melhor expressa numa reunião dos membros do Real Madrid no final do ano passado. ano.

“Talvez”, disse ele à assembleia, sob aplausos generalizados, “a UEFA precise de ser lembrada do que é o Real Madrid”.

Tariq Panja contribuiu com relatórios.

Fuente