Início Melhores histórias ‘Pendurado por um fio’: Chefe da ONU alerta sobre a falta de...

‘Pendurado por um fio’: Chefe da ONU alerta sobre a falta de uma meta climática importante

10

Com o planeta enfrentando as temperaturas mais altas em mais de 100 mil anos, os cientistas da agência meteorológica das Nações Unidas analisaram os números e chegaram a uma conclusão definitiva: mais anos de temperaturas recordes são praticamente inevitáveis.

Nos próximos cinco anos, há quase 90 por cento de probabilidade de a Terra estabelecer mais um recorde para o seu ano mais quente, ultrapassando os máximos escaldantes registados em 2023, afirmou a Organização Meteorológica Mundial num relatório divulgado quarta-feira.

As probabilidades são quase tão grandes de que, em pelo menos um destes cinco anos civis, a temperatura média global seja 1,5 graus Celsius, ou 2,7 graus Fahrenheit, mais elevada do que era no início da era industrial. Este é o nível de aquecimento que os países pretendem evitar no âmbito do Acordo de Paris de 2015.

“A meta de limitar o aquecimento global a longo prazo a 1,5 graus Celsius está por um fio”, disse o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, num discurso na cidade de Nova Iorque na quarta-feira. Apelou a medidas urgentes em diversas áreas, incluindo a redução das emissões de dióxido de carbono e a adopção de energias renováveis, a ajuda aos países pobres a financiar os seus planos climáticos e a repressão da indústria dos combustíveis fósseis.

Sobre o último assunto, Guterres reiterou exortações anteriores para acabar com os subsídios dos contribuintes ao petróleo e ao gás. Mas também voltou a sua atenção para um novo alvo: instou os governos a proibirem a publicidade das empresas de combustíveis fósseis, comparando os produtores de petróleo e carvão com a indústria do tabaco, que enfrenta restrições à publicidade em todo o mundo. E ele instou a mídia noticiosa e as empresas de tecnologia a pararem de exibir seus anúncios.

“Os combustíveis fósseis não estão apenas envenenando o nosso planeta; eles são tóxicos para a sua marca”, disse Guterres, referindo-se às agências de publicidade e relações públicas. “Apelo a estas empresas para que parem de agir como facilitadoras da destruição planetária.”

Várias publicações, incluindo o jornal The Guardian, deixaram de aceitar publicidade de combustíveis fósseis. O New York Times aceita anúncios de empresas de petróleo e gás com algumas restrições, incluindo a proibição do patrocínio do seu boletim informativo sobre o clima e de eventos climáticos, disse um porta-voz da empresa. O Times também não permite que empresas de combustíveis fósseis comprem todos os anúncios em episódios individuais de seu podcast “The Daily”.

A última onda de calor recorde da Terra começou em meados do ano passado e não diminuiu à medida que outro verão se aproxima no Hemisfério Norte.

O mês passado foi o mês de maio mais quente do planeta, anunciou o Serviço de Mudanças Climáticas Copernicus da União Europeia na quarta-feira. Foi o 12º mês consecutivo em que a temperatura média mundial excedeu todos os recordes anteriores para esta época do ano. Ao longo desse período de 12 meses, o mercúrio esteve 1,63 graus Celsius mais quente, em média, do que durante os tempos pré-industriais, de acordo com Copernicus.

O Acordo de Paris afirma que a meta de 1,5 graus é uma meta de “longo prazo”. Tecnicamente falando, isto significa que o mundo só não conseguirá cumprir o pacto se as temperaturas excederem o limiar durante muitos anos, mesmo décadas, e não apenas um único ano.

“Violações temporárias não significam que a meta de 1,5 seja perdida permanentemente”, disse Ko Barrett, vice-secretário-geral da Organização Meteorológica Mundial, em entrevista coletiva. Ainda assim, o que agora parece claro, acrescentou ela, é que tais violações serão cada vez mais comuns.

Os efeitos do calor anormal foram sentidos em todo o mundo. Na Índia e noutras partes do Sul da Ásia, as temperaturas ultrapassaram os 110 graus Fahrenheit nas últimas semanas, levando muitas pessoas ao limite. Milhões de americanos na Califórnia, Nevada e Arizona estão enfrentando esta semana a primeira onda de calor intensa da temporada.

As recentes inundações no Brasil causaram mortes e destruição generalizadas e podem se tornar o desastre mais caro já registrado no país. As chuvas torrenciais de vários dias que causaram os dilúvios foram duas vezes mais prováveis ​​devido à energia térmica extra adicionada à atmosfera pela atividade humana, disseram cientistas esta semana.

Em todos os oceanos do mundo, os recifes de coral estão a sofrer o branqueamento mais generalizado alguma vez observado, em grande parte devido ao quão quente a água tem sido. A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica espera que a temporada de furacões no Atlântico deste ano seja excepcionalmente tempestuosa, com 17 a 25 ciclones tropicais nomeados. As temperaturas recordes dos oceanos, que fornecem o combustível termodinâmico para a formação e intensificação das tempestades, são um factor importante.

À medida que o aquecimento global continua, “esta série de meses mais quentes será lembrada como comparativamente fria”, disse Carlo Buontempo, diretor do Copernicus. Ao reduzir rapidamente as emissões de gases com efeito de estufa, a Terra poderá ser capaz de arrefecer até às temperaturas actuais até ao final do século, disse ele.

Há pelo menos uma razão para acreditar que algum alívio temporário está a caminho. O El Niño, o fenómeno climático natural, está a desaparecer. Durante eventos periódicos do El Niño, enormes quantidades de calor são redistribuídas no Oceano Pacífico, levando a mudanças nos padrões climáticos globais que normalmente fazem com que o planeta como um todo fique mais quente. Isto contribuiu, pelo menos em parte, para as temperaturas recordes de 2023.

Outros contribuidores podem permanecer por mais tempo. Num estudo publicado na semana passada, uma equipa de cientistas liderada por Tianle Yuan, geofísico da Universidade de Maryland, no condado de Baltimore, estimou que o planeta poderia estar a sofrer um aquecimento adicional neste momento por uma razão contra-intuitiva: regulamentações recentes que reduziram a poluição do ar proveniente de navios.

A queima de óleo combustível libera dióxido de carbono, que aquece o planeta, mas também libera compostos de enxofre que podem ter um efeito oposto modesto. Uma vez na atmosfera, esses compostos se transformam em partículas que ajudam a resfriar o globo, seja refletindo a luz solar de volta ao espaço ou estimulando a formação de mais nuvens.

Estes poluentes ainda prejudicam a saúde humana e os ecossistemas, razão pela qual a Organização Marítima Internacional estabeleceu novos limites para as emissões de enxofre dos navios a partir de 2020. Mas, ao fazê-lo, a agência pode inadvertidamente ter ajudado a tornar a Terra um pouco mais quente hoje do que seria de outra forma. tem sido, estimaram o Dr. Yuan e seus colegas.

Para os cientistas, o principal factor do aquecimento permanece claro: os níveis atmosféricos de dióxido de carbono, metano e óxido nitroso, os três mais importantes gases que retêm o calor provocados pelo homem, continuaram a subir constantemente. Às actuais taxas de emissões, poderão demorar apenas mais cinco anos até que os humanos alterem a química da atmosfera de forma tão significativa que se torne praticamente impossível impedir que o aquecimento ultrapasse os 1,5 graus Celsius, estimaram os cientistas.

Fuente