Início Melhores histórias Partido no poder da Geórgia garante uma lei controversa sobre agentes estrangeiros

Partido no poder da Geórgia garante uma lei controversa sobre agentes estrangeiros

4

O Parlamento da Geórgia deu a aprovação final na terça-feira a um projeto de lei controverso que mergulhou o país numa crise política e ameaçou inviabilizar as aspirações pró-Ocidente de muitos georgianos em favor de laços mais estreitos com a Rússia.

A lei exigirá que grupos não governamentais e organizações de comunicação social que recebam pelo menos 20 por cento do seu financiamento do estrangeiro se registem como organizações que “perseguem os interesses de uma potência estrangeira”. O Ministério da Justiça do país terá amplos poderes para monitorar o cumprimento. As violações podem resultar em multas equivalentes a mais de US$ 9.000.

A aprovação do projecto de lei representará provavelmente um momento crucial para a Geórgia, que tem sido um dos estados mais pró-Ocidente a emergir do colapso da União Soviética. O projecto de lei já abalou a relação da Geórgia com os Estados Unidos e a União Europeia, e poderá perturbar a frágil geopolítica do Cáucaso, uma região volátil onde os interesses da Rússia, da Turquia, do Irão e do Ocidente há muito que entram em conflito.

O projeto de lei também desencadeou noite após noite protestos na capital, Tbilisi, que muitas vezes resultaram em confrontos com a polícia. Dezenas de manifestantes foram espancados e presos enquanto a polícia usava spray de pimenta, gás lacrimogêneo e punhos para dispersá-los.

Os legisladores do partido governista Georgian Dream votaram na terça-feira para anular o veto ao projeto de lei que foi anunciado em 18 de maio pela presidente Salome Zourabichvili. Zourabichvili tem estado entre os opositores mais veementes da lei, mas o seu veto foi em grande parte simbólico, porque o governo teve facilmente os votos no Parlamento para aprová-la por maioria simples.

A nova legislação faz parte de um pacote mais amplo de projetos de lei promovidos pelo Georgian Dream que inclui restrições contra grupos LGBTQ, alterações ao código tributário que tornarão mais fácil trazer capital offshore para a Geórgia e alterações ao código eleitoral que aumentariam o poder do partido no poder. controle sobre o órgão que administra as eleições.

O projecto de lei é oficialmente denominado “Sobre a Transparência da Influência Estrangeira”, mas tem sido criticado como a “lei russa” pelos manifestantes, que dizem que se assemelha à legislação que o Kremlin tem utilizado para controlar os seus opositores. Os críticos também dizem que a legislação prejudicaria o objectivo de longo prazo do país de aderir à União Europeia, que manifestou preocupação com o projecto de lei.

O governo recuou numa tentativa anterior de aprovar a lei no ano passado, depois de enfrentar enormes protestos, mas desta vez estava mais determinado a aprová-la no Parlamento. Embora não haja provas de que a Rússia esteja por trás da lei, os críticos dizem que o governo tornou-se cada vez mais amigo de Moscovo e procura imitar os seus métodos.

O governo disse que quer que a Geórgia faça parte da União Europeia e da NATO, mas que não tem outra escolha senão assumir uma posição mais neutra em relação à Rússia para evitar ser enredada caso a guerra na Ucrânia se espalhe.

O partido no poder também insistiu que a lei é necessária para fortalecer a soberania da Geórgia contra interferências externas. A Geórgia emergiu quebrada e empobrecida após o colapso soviético, e organizações não-governamentais financiadas pelo Ocidente ajudaram o Estado a cumprir algumas das suas funções básicas no início da década de 1990.

Mas com o tempo o governo começou a ver as ONG como suas adversárias. Acusou-os cada vez mais de promoverem questões sociais como os direitos LGBTQ, que, segundo ele, vão contra os valores georgianos e de minar a soberania do país.

Na semana passada, o secretário de Estado Antony J. Blinken, citando o projecto de lei, anunciou “uma revisão abrangente” da cooperação bilateral entre a Geórgia e os Estados Unidos e as restrições de vistos dos EUA contra indivíduos georgianos “responsáveis ​​ou cúmplices em minar a democracia na Geórgia”.

Em Moscovo, Maria V. Zakharova, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia, caracterizou o anúncio de Blinken como um exemplo da “interferência cínica e sem cerimónias da América nos assuntos de Estados soberanos”.

Fuente