Início Notícias Papa Francisco pede desculpas por uso de insultos homofóbicos, diz Vaticano

Papa Francisco pede desculpas por uso de insultos homofóbicos, diz Vaticano

18

AVISO: Esta história contém linguagem vulgar.

O Papa Francisco, amplamente citado como tendo usado uma palavra altamente depreciativa para descrever a comunidade 2SLGBTQ+, não pretendia usar linguagem homofóbica e pede desculpas a qualquer pessoa ofendida por ela, disse o Vaticano na terça-feira.

É extremamente raro um papa emitir um pedido público de desculpas.

“O Papa nunca teve a intenção de ofender ou de se expressar em termos homofóbicos, e pede desculpas àqueles que se sentiram ofendidos pelo uso de um termo relatado por outros”, disse o porta-voz do Vaticano, Matteo Bruni, num comunicado enviado por e-mail.

A mídia italiana noticiou na segunda-feira que Francisco usou o termo italiano frociagginatraduzido aproximadamente como “bicha” ou “bicha”, ao dizer aos bispos italianos que continuava se opondo à admissão de gays no sacerdócio.

O site italiano de fofocas políticas Dagospia foi o primeiro a relatar o suposto incidente, que teria acontecido em 20 de maio, quando o pontífice se encontrou com bispos italianos a portas fechadas.

Bruni disse que Francisco estava “ciente” dos relatos. O porta-voz do Vaticano reiterou que o Papa continua comprometido com uma Igreja acolhedora para todos, onde “ninguém é inútil, ninguém é supérfluo, (onde) há espaço para todos”.

Seus comentários relatados causaram choque e consternação, mesmo entre seus apoiadores.

Vito Mancuso, um teólogo italiano e ex-padre, disse ao diário La Stampa que a linguagem de Francisco era “desprezível e surpreendente porque contraria descaradamente” as suas mensagens anteriores sobre questões LGBTQ.

ASSISTA | O diálogo ‘deve continuar’, diz o porta-voz da associação LGBTQ+:

O diálogo entre grupos ‘deve continuar’, diz porta-voz da associação LGBTQ+

Andrea Rubera, porta-voz da associação cristã italiana LGBTQ+ Paths of Hope, diz que embora saiba que os membros da comunidade estão desapontados com o uso de uma calúnia homofóbica pelo Papa Francisco, ele acredita firmemente que o incidente não deve criar uma barreira entre eles e a Igreja.

Francisco, de 87 anos, foi creditado por ter feito aberturas substanciais em relação à comunidade 2SLGBTQ+ durante o seu papado de 11 anos.

Em 2013, no início do seu papado, ele disse a famosa frase: “Se uma pessoa é gay e busca a Deus e tem boa vontade, quem sou eu para julgar?” No ano passado, ele permitiu que padres abençoassem membros de casais do mesmo sexo, provocando uma reação conservadora substancial.

Em 2018, Francisco admitiu ter cometido “erros graves” no tratamento de uma crise de abusos sexuais no Chile, onde inicialmente rejeitou como calúnias as acusações contra um bispo suspeito de proteger um padre predador.

“Peço desculpas a todos aqueles que ofendi e espero poder fazê-lo pessoalmente nas próximas semanas, nos encontros que terei (com as vítimas)”, escreveu ele em uma carta aos bispos chilenos.

Fuente