Início Melhores histórias Os esquerdistas do México ganharam muito. Os investidores estão preocupados.

Os esquerdistas do México ganharam muito. Os investidores estão preocupados.

4

Uma contagem final dos votos divulgada no fim de semana sugere que o partido de esquerda do governo do México e os seus aliados conquistariam grandes maiorias no Congresso, permitindo potencialmente à coligação aprovar mudanças radicais à Constituição.

A contagem oficial das eleições da semana passada mostrou que o partido Morena e os seus parceiros pareciam estar a caminho de conquistar uma maioria absoluta de dois terços na câmara baixa do Congresso.

No Senado, parecia que a coligação não alcançaria uma maioria absoluta – mas por um pequeno número de assentos, disseram os analistas, o que significa que provavelmente necessitaria de atrair o apoio de apenas alguns legisladores da oposição para alterar a Constituição. Construir essas alianças “é relativamente fácil de conseguir”, disse o presidente do partido, Mario Delgado, numa entrevista.

“Somos agora uma força dominante”, acrescentou Delgado, “por decisão do povo”.

A composição final da legislatura ainda não é clara porque uma parte dos assentos no Congresso mexicano é nomeada através de um sistema de representação proporcional em Agosto. Os desafios legais também podem afectar a forma como os lugares são atribuídos.

Mas Morena chegou perto o suficiente do domínio total para provocar uma forte reacção de um sector que o partido não pode ignorar: os mercados financeiros.

Nos dias voláteis que se seguiram às eleições, o alarme dos investidores ficou à mostra, com as ações mexicanas a sofrerem a pior semana desde a pandemia.

A preocupação centrava-se na possibilidade de Morena usar o seu amplo mandato para promulgar mudanças constitucionais que os detractores alertam que poderiam destruir os controlos existentes sobre a autoridade presidencial, disseram analistas financeiros.

As propostas foram apresentadas pela primeira vez por Andrés Manuel López Obrador e incluem planos para eliminar reguladores independentes e nomear juízes e funcionários eleitorais através do voto popular, o que os críticos alertam que poderá torná-los mais susceptíveis à pressão política. Entre outras preocupações, os investidores temem que a reviravolta do poder judiciário possa tornar menos certo que conseguirão um julgamento justo nas disputas.

“A sensação do mercado é que sob o partido Morena e com este plano em cima da mesa, uma mudança radical poderia estar a caminho”, disse Janneth Quiroz Zamora, diretor de pesquisas econômicas da corretora Monex. “O maior receio é sobre a possível eliminação dos controlos sobre o poder executivo.”

No que parecia ser uma tentativa de acalmar o mercado, a nova presidente, Claudia Sheinbaum, protegida de López Obrador, anunciou na segunda-feira passada que o atual ministro das Finanças, Rogelio Ramírez de la O, que é visto como uma força estabilizadora, permaneceria no emprego.

“Ele é um grande servidor público que dá certeza de uma boa gestão financeira e econômica”, disse ela.

Sheinbaum conquistou a presidência com a maior parcela de votos em décadas e Morena também reivindicou a maior parte dos governos oferecidos.

Os seus comentários iniciais encorajaram os investidores a afirmar que “o governo era sensível às suas preocupações”, disse Blanca Heredia, analista política baseada na Cidade do México. Isso deveu-se “principalmente à velocidade da reacção”, disse Heredia, observando que o novo presidente “precisa e quer crescimento económico”.

Mas então, na quinta-feira, o líder do Morena na Câmara dos Deputados, Ignacio Mier, pareceu anunciar que o partido tentaria aprovar as mudanças constitucionais em setembro, antes que López Obrador deixasse o cargo e Sheinbaum assumisse.

O peso caiu novamente. Horas depois, Mier voltou atrás em sua declaração em uma aparição no rádio, na qual sugeriu que quaisquer mudanças não seriam apressadas.

Sheinbaum disse mais tarde aos repórteres que as medidas seriam sujeitas a um amplo diálogo. Ela também postou uma foto sua em reunião com um executivo da empresa de investimentos BlackRock. “Eles estão comprometidos e entusiasmados com o aumento dos projetos de investimento no México”, disse ela nas redes sociais.

Delgado, o presidente do partido, disse que López Obrador e Sheinbaum precisariam chegar a um acordo sobre como avançar com os planos.

“São reformas que precisarão ser discutidas e seu alcance, sua versão final, ocorrerá no Congresso, e o ritmo de sua aprovação será decidido pelo presidente”, disse ele, referindo-se a Sheinbaum.

O resultado, dizem os analistas, é que num sistema político onde um partido tem tanto controlo, o mercado poderá emergir como uma força moderadora.

“Acho que esta reação adversa do mercado causará uma repensação muito completa sobre o que eles vão aprovar e como vão aprová-lo em setembro”, disse Joan Domene, economista sênior para América Latina com sede na Cidade do México. América na Oxford Economics, uma consultoria econômica.

López Obrador, porém, parecia implacável. Na sua conferência de imprensa habitual na manhã de sexta-feira, o presidente reiterou o seu compromisso com as mudanças e pareceu minimizar as quedas do peso, dizendo que “a justiça está acima dos mercados”.

As mensagens contraditórias mostram, segundo os analistas, que a influência dos investidores dependerá de as pessoas que lideram o Morena – incluindo López Obrador – realmente os ouvirem.

“Os mercados são uma camisa de força para a política”, disse ele. “Mas não para todos igualmente.”

Emiliano Rodríguez Mega e Miriam Castillo contribuíram com reportagens.

Fuente