Início Melhores histórias O que saber sobre os reféns que ainda estão em Gaza

O que saber sobre os reféns que ainda estão em Gaza

7

Os israelenses deram um breve suspiro coletivo de alívio no sábado, quando os militares anunciaram que haviam resgatado quatro reféns que foram mantidos em Gaza durante oito meses após terem sido capturados no ataque de 7 de outubro liderado pelo Hamas.

Os quatro reféns foram feitos no festival de música Nova, em 7 de outubro, e resgatados em uma operação na cidade de Nuseirat, no centro de Gaza, na manhã de sábado. A missão deixou dezenas de palestinos mortos, incluindo mulheres e crianças. As notícias do resgate levantaram novas questões sobre o destino daqueles que permanecem em cativeiro e sobre uma proposta de acordo de cessar-fogo.

Quantos reféns ainda estão detidos em Gaza?

Cerca de 120 cativos permanecem em Gaza. Os militares israelenses confirmaram que pelo menos 30 deles morreram.

No início deste mês, os militares israelitas informaram as famílias de quatro reféns que estes estavam mortos e que os seus corpos estavam detidos pelo Hamas. Em Maio, os militares recuperaram os corpos de nove reféns e as famílias de dois cidadãos tailandeses que tinham sido capturados foram informadas de que os seus corpos ainda estavam detidos em Gaza.

Irá Israel realizar mais operações de resgate?

Dezenas de missões de resgate propostas não foram realizadas por medo de que reféns ou soldados perdessem a vida no processo, segundo autoridades de defesa israelenses.

As tropas israelenses conseguiram resgatar apenas sete reféns vivos em três operações militares distintas. Em Dezembro, tropas israelitas dispararam acidentalmente e mataram três reféns em Gaza que tentavam chegar a um local seguro.

Como o Hamas respondeu à operação?

Numa declaração nas redes sociais, Abu Obaida, porta-voz militar das Brigadas Al-Qassam, acusou Israel de “um crime de guerra complexo” e sugeriu que a operação de resgate colocou em perigo os restantes reféns e teria “um impacto negativo nas suas condições e vidas.”

O que dizem as famílias dos reféns?

O Fórum de Reféns e Famílias Desaparecidas, que representa as famílias dos cativos, realizou uma manifestação em Tel-Aviv no sábado, como fez durante toda a guerra. A reunião atraiu milhares de pessoas para celebrar a operação de resgate. Mas o grupo sublinhou a urgência de trazer para casa todos os restantes cativos em Gaza.

“A alegre notícia do regresso de Shlomi, Noa, Almog e Andrey às suas famílias através de uma operação militar lembra-nos a todos que, durante 36 semanas, 120 reféns esperaram para regressar a casa”, afirmou o grupo num comunicado que referia aos nomes dos cativos libertados e que pressionou pela aceitação de uma proposta de acordo de cessar-fogo entre Israel e o Hamas que traria de volta para casa os restantes reféns.

O que está acontecendo com o acordo de cessar-fogo proposto?

O Presidente Biden delineou no final de Maio um roteiro para um plano de três fases que começaria com um cessar-fogo imediato e temporário e trabalharia para o fim permanente da guerra e a reconstrução de Gaza.

Na primeira fase, ambos os lados observariam um cessar-fogo de seis semanas, Israel retirar-se-ia dos principais centros populacionais de Gaza e vários reféns seriam libertados, incluindo mulheres, idosos e feridos.

Israel e o Hamas continuariam a negociar para alcançar um cessar-fogo permanente. Se forem bem sucedidos, o acordo entrará na fase dois, com a retirada total dos militares israelitas do enclave.

Todos os reféns e mais prisioneiros palestinos seriam libertados. Na terceira fase, o Hamas devolveria os corpos dos reféns que tinham morrido, e um período de reconstrução, apoiado pelos Estados Unidos, pelos países europeus e pelas instituições internacionais, teria início em Gaza.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, de Israel, está a enfrentar pressões concorrentes dos Estados Unidos e de outros aliados para acabar com a guerra e de dois parceiros de extrema-direita na sua coligação governamental que ameaçaram derrubar o seu governo caso Israel concordasse com um acordo que poria fim à guerra. guerra sem eliminar o Hamas.

O Hamas disse anteriormente que estava respondendo “positivamente” ao plano, mas informou aos mediadores que o grupo não aprovaria um acordo que não fornecesse um caminho para um cessar-fogo permanente, uma retirada total das tropas israelenses e uma “séria e acordo real” para trocar prisioneiros palestinos por reféns.

Não está claro qual o efeito que a última operação de resgate de reféns terá nas negociações do acordo.

Fuente