Início Melhores histórias O que sabemos sobre o deslizamento de terra em Papua Nova Guiné

O que sabemos sobre o deslizamento de terra em Papua Nova Guiné

5

Quase cinco dias depois de um deslizamento de terra ter devastado uma zona remota da Papua Nova Guiné, as autoridades do país insular do Pacífico começaram a evacuar os residentes, porque a área continua insegura.

“As rochas ainda se movem, a montanha ainda está desmoronando e vemos rochas e detritos se acumulando sobre o que já aconteceu”, disse Sandis Tsaka, administrador da província de Enga, local do desastre, na noite de terça-feira. “A terra ao redor está começando a desabar.”

Essas condições, disse Tsaka, também impediram as autoridades de trazer equipamento pesado para limpar os escombros e procurar sobreviventes. As circunstâncias também tornam difícil compreender a verdadeira dimensão da tragédia, com estimativas do número de mortos que variam entre centenas e milhares.

Aqui está o que sabemos até agora:

O deslizamento de terra atingiu a comunidade ao redor da vila de Yambali por volta das 3h da sexta-feira. Pedregulhos do tamanho de contêineres demoliram edifícios, soterrando pelo menos 60 casas e pelo menos uma escola primária.

A Papua Nova Guiné é especialmente vulnerável a catástrofes naturais e este deslizamento de terras interrompeu a principal estrada de acesso à região, dificultando a entrega de ajuda.

Vídeos postados nas redes sociais mostraram moradores usando pás e picaretas para procurar sobreviventes sob pedras enormes. Um funcionário das Nações Unidas estimou que os destroços chegavam a 26 pés de altura.

As estimativas do número de mortos variaram amplamente. Uma agência das Nações Unidas estimou o número em cerca de 670 no domingo, mas um dia depois as autoridades locais disseram que cerca de 2.000 morreram.

“Embora as autoridades concordem que o número de mortos será elevado, é difícil dizer quantos realmente morreram”, disse Nicholas Booth, representante residente na Papua Nova Guiné para o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.

Até terça-feira, apenas seis corpos haviam sido recuperados, de acordo com um comunicado da ONU.

Além disso, mais de 150 estruturas foram danificadas ou soterradas, disse Booth.

O deslizamento ocorreu numa área remota mas densamente povoada que faz parte das terras altas da Papua Nova Guiné. Um caderno eleitoral de 2022 estimou a população da região em pouco menos de 4.000 habitantes, embora não tenha em conta crianças ou adolescentes com menos de 18 anos, disse Booth.

A contagem da população foi ainda mais complicada, disse ele, pelos conflitos tribais na região, que levaram ao deslocamento interno de pessoas.

As tensões entre as tribos têm aumentado há anos, segundo especialistas, que afirmam que a escassez de recursos básicos como água e terra alimentou o conflito.

Na manhã de sábado, um confronto tribal bloqueou o acesso ao local do desastre. Oito pessoas morreram no confronto do fim de semana e 30 casas foram incendiadas, segundo a Organização Internacional para as Migrações, uma agência da ONU.

Em Fevereiro, mais de duas dezenas de pessoas foram mortas num tiroteio entre tribos na província de Enga. Na época, a polícia disse que até 17 tribos estavam envolvidas na violência. No ano passado, mais de 150 pessoas foram mortas em confrontos tribais, o que levou o governo provincial a colocar a região sob confinamento durante três meses.

O deslizamento mortal ocorreu num momento político tenso para o país – que, embora rico em recursos naturais, continua subdesenvolvido. O primeiro-ministro James Marape, que está no poder desde 2019, está a lutar contra as tentativas da oposição de apresentar uma moção de censura contra o seu governo no Parlamento.

Marape prometeu transformar a economia da Papua Nova Guiné, um dos países mais pobres do mundo, e foi reeleito em 2022. Tentou cortejar tanto os Estados Unidos como a China, que disputam influência no Pacífico.

Mas as preocupações económicas persistem. Em Janeiro, uma disputa salarial entre o governo e centenas de funcionários públicos e agentes da polícia transformou-se em tumultos mortais. Os especialistas afirmam que o desemprego juvenil é um grande problema para a Papua Nova Guiné, com quase dois terços da sua população estimada em menos de 25 anos.

Fuente