Início Notícias O próximo presidente do México será uma mulher após eleições históricas, mas...

O próximo presidente do México será uma mulher após eleições históricas, mas será ela uma feminista?

7

Não há dúvidas de que no domingo o México elegerá uma mulher para ser presidente pela primeira vez na sua história. Mas acontecerá depois de uma campanha em que as duas principais candidatas, Claudia Sheinbaum e Xóchitl Gálvez, não se distinguiram com uma agenda favorável às feministas.

Algumas mulheres no México duvidam que este momento histórico represente um avanço nos seus direitos, como a igualdade salarial, a capacidade de tomar decisões sobre os seus corpos e a vida numa sociedade onde a violência contra as mulheres é punida.

No calor sufocante da Cidade do México, Katrina Castro, 38 anos, recebeu a CBC News no seu modesto apartamento de dois quartos no bairro Moderna, no coração da capital.

Usando um guardanapo como leque, a professora universitária e mãe de um filho está visivelmente cansada da onda de calor que assola o país e dos meses de campanha eleitoral – e também do facto de nenhum dos dois principais candidatos ter apresentado muito de uma plataforma feminista.

“Eu esperava que tivessem mais sensibilidade” em relação às exigências das mulheres por mais direitos, disse Castro.

Uma mulher de cabelos escuros, usando óculos e blusa vermelha, está sentada em um sofá perto de uma janela.
Katrina Castro, professora universitária que mora na Cidade do México, diz que votará em Gálvez, o único candidato, em sua opinião, que não tentou invisibilizar a violência contra as mulheres. (Xavier Savard-Fournier/CBC)

“Houve reuniões com idosos, estudantes, mas nenhuma (das candidatas) se encontrou com mulheres. É verdade que não podem reunir-se com todas elas, mas poderiam pelo menos ter-se reunido com académicos, políticos, onde pudessem tivemos um diálogo.”

Três quilómetros a oeste, no bairro Roma Norte, uma vendedora local do Mercado de Medellín disse que também tem dúvidas sobre os dois principais candidatos.

“Precisamos de pessoas que possam mudar as coisas. A promessa deles (em relação aos direitos das mulheres) é apenas trazer votos. Mas não, nenhum deles é um bom candidato. E eles não vão mudar nada. Tudo continuará igual”, disse. Maria Teresa, 60 anos, florista.

Na sua opinião, ambos os candidatos, mesmo que sejam mulheres, são produtos de um sistema político que falhou com as mulheres no passado e estão mais interessados ​​na economia do que o povo mexicano.

Candidatos falam, mas oferecem poucas soluções

A campanha não careceu de promessas, mas elas pareciam demasiado genéricas para oferecer qualquer mudança real.

Isto deixou muitas feministas que falaram à CBC News com a impressão de que o movimento e as lutas anteriores por uma maior representação das mulheres na política mexicana foram usados ​​pelos dois principais candidatos para avançar as suas campanhas para a presidência sem realmente se comprometerem com uma mudança real para as mulheres.

Claudia Sheinbaum, ex-prefeita da Cidade do México e candidata da aliança esquerdista Sigamos Haciendo Historia, ou “Vamos Continuar Fazendo História” (formada pelo partido governista Morena, o Partido Trabalhista e os Verdes), falou repetidamente de um ” México para mulheres.” Ela também quer garantir que toda morte violenta de uma mulher seja investigada como feminicídio.

Uma mulher de cabelos castanhos presos em rabo de cavalo, usando um vestido roxo, cumprimenta as pessoas na rua.
Sheinbaum, ex-prefeita da Cidade do México e candidata da aliança esquerdista Sigamos Haciendo Historia, ou ‘Vamos continuar fazendo história’, chega ao seu comício de encerramento da campanha, na Cidade do México, na quarta-feira. (Eduardo Verdugo/Associated Press)

Mas a sua relação tensa com alguns grupos feministas – com os quais ela rompeu o diálogo quando foi prefeita da Cidade do México entre 2018 e 2023 – retornou durante a campanha. Organizações feministas como Intersecta e Equis esperam que as coisas mudem se ela for eleita presidente.

Sheinbaum, protegida do Presidente cessante, Andrés Manuel López Obrador, que se promoveu como garantidora da continuidade, rapidamente empurrou os direitos das mulheres para fora da agenda em favor de outras prioridades, apesar de falar sobre elas nos seus discursos.

A própria popularidade do presidente ajudou Sheinbaum nas pesquisas. Poucos dias antes das eleições, ela ainda liderava, por pouco mais de 20 por cento, sobre o seu principal concorrente, de acordo com os últimos dados agregados pela AS/COA, dois grupos de reflexão sediados nos EUA interessados ​​na política latino-americana.

A principal concorrente de Sheinbaum, Xóchitl Gálvez, é uma ex-senadora e empresária que representa a aliança de oposição da centro-esquerda aos conservadores (PRI, PAN, PRD). Ela também é conhecida por apresentar temas feministas em seus discursos, mas sem oferecer soluções concretas.

Uma mulher de cabelos castanhos, vestindo um casaco bege, sorri e acena no palco, com seus apoiadores atrás dela.
Gálvez, ex-senadora e candidata presidencial da oposição do México, acena durante um evento de encerramento da campanha em sua cidade natal, Tepatepec, na quarta-feira. (Luis Cortes/Reuters)

De origem Otomi, um povo indígena do México, Gálvez disse muitas vezes que consegue compreender a violência contra as mulheres porque foi vítima dela quando era criança. Este reconhecimento da interseccionalidade das questões enfrentadas pelas mulheres indígenas do país poderia ter sido uma lufada de ar fresco se tivesse sido acompanhado de medidas concretas, em vez de uma simples menção à tolerância zero.

Além disso, nem Sheinbaum nem Gálvez fizeram quaisquer propostas substantivas sobre o tema do aborto, adiando apenas a decisão da Suprema Corte do México de 6 de setembro de 2023, descriminalizando o aborto em nível federal.

Segurança: um tema definidor para as mulheres

Mas quando se trata de segurança – um tema que poderia ter desencadeado um verdadeiro debate de ideias e trazido uma perspectiva feminista – os dois principais candidatos estavam divididos.

Tema recorrente na política mexicana, foi mais uma vez trazido à tona nesta campanha eleitoral pela violência exercida contra muitos dos candidatos. Segundo o Laboratório Eleitoral, que compila dados, 82 pessoas, incluindo 34 candidatos, foram assassinadas neste ciclo eleitoral e foram registados 272 casos de ameaças, ataques ou sequestros.

O Instituto Nacional de Estatística e Geografia estima que existam mais de 15.000 homicídios por ano, mas outros especialistas estimam o número em cerca de 30 mil por ano. O país registra uma média de 10 feminicídios por dia, segundo o governo.

Um grupo de mães segurando fotos de seus filhos marcha em manifestação.
Mães de crianças desaparecidas marcham no Dia das Mães para exigir assistência governamental na busca de seus entes queridos desaparecidos, na Cidade do México, em 10 de maio de 2023. Mais de 110 mil crianças desapareceram no país nas últimas décadas. (Marco Ugarte/Associated Press)

Mas talvez não haja melhor exemplo de quão distantes os dois candidatos parecem das questões importantes para as mulheres do que a forma como lidaram com as dezenas de milhares de “Mães Procuradoras” que procuram as mais de 110.000 crianças desaparecidas. provavelmente sequestrados, inclusive por cartéis de drogas e outros criminosos – nas últimas décadas.

Havia esperança de que as duas candidatas, elas próprias mães, tivessem ouvido mais as sugestões das mães em relação à insegurança no país, incluindo prevenção e reabertura de casos de desaparecidos.

Mas nenhum deles se encontrou com o coletivo. Apenas Gálvez mencionou as mães diretamente em sua plataforma de campanha, dizendo que queria ajudá-las, sem explicar como.

“Se Sheinbaum quisesse fazer uma mudança, por que não o fez quando era prefeita?” perguntou Jaky Palmeros, 41, cuja filha de 21 desapareceu em um carro cinza em 24 de julho de 2020, enquanto Sheinbaum estava no cargo.

Uma mulher de cabelo preto, vestindo uma camiseta branca com slogans, está em um parque.
A filha de Jaky Palmeros desapareceu em 24 de julho de 2020. No domingo, quando votar, ela pretende colocar o nome da filha na cédula em vez de votar em um dos candidatos presidenciais. (Xavier Savard-Fournier/CBC)

“Quanto a Xóchitl Gálvez, não temos garantia de que ela adotará uma nova estratégia em relação às crianças desaparecidas no país. Durante a campanha, ela nunca falou sobre isso. vai mudar alguma coisa”, disse ela antes de deixar o Parque Lineal Ramos Millan, no setor Iztacalco da Cidade do México.

Palmeros, como milhares de outras mães, colocará o nome da filha na cédula em vez de votar em um dos candidatos.

‘Não foram as eleições que esperávamos’

Intersecta e Equis, dois grupos feministas que a CBC News conheceu enquanto estava no México, reconhecem a importância de ter Sheinbaum e Gálvez numa corrida pela presidência, especialmente num país onde dizem haver “violência machista massiva”. Apesar de se sentirem agridoces com a campanha, os grupos dizem esperar que o próximo presidente reabra o diálogo com eles.

Na sua investigação, porém, Tania Islas Weinstein, professora assistente mexicana de ciências políticas na Universidade McGill, em Montreal, vai um passo mais longe.

“É interessante como o facto de uma mulher estar no poder parece ser uma celebração do feminismo quando sabemos que isso não significa que porque uma mulher está no poder, ela é, portanto, uma feminista”, disse Weinstein, que é especializada em representação política latino-americana.

“Você pensaria que as mulheres poderiam estar mais abertas a certos comentários sobre o feminicídio, sobre a violência de gênero, porque foram vítimas disso. Mas ser vítima de violência não significa necessariamente que você seja capaz de pensar em seu experiência como algo político, algo em torno do qual é possível organizar-se politicamente, ou mesmo saber o que fazer para responder a esta questão.”

Um grupo de mulheres marcha em desfile.
As pessoas assinalam o Dia Internacional da Mulher marchando contra a violência de género, na Cidade do México, no dia 8 de março. (Áurea del Rosario/Associated Press)

Além disso, disse Weinstein, o silêncio de Sheinbaum e Gálvez sobre soluções para a violência de género e os direitos das mulheres prova que as duas candidatas não estão muito próximas dos movimentos e pensamentos feministas.

“Não foram as eleições que esperávamos, mas isso não significa que não devamos votar”, disse Katrina Castro, mãe de uma menina de dois anos.

Castro disse que fará o que considera a escolha menos ruim e votará em Gálvez, o único candidato, em sua opinião, que não tentou tornar invisível a violência contra as mulheres – uma referência aos últimos seis anos durante os quais o presidente cessante López Obrador e o seu protegido, Sheinbaum, questionaram certas estatísticas relativas à violência de género.

“Quero votar em alguém que nos dê nome, que não nos negue, que não nos torne invisíveis, que não nos diga que não existimos”.

ASSISTA | Caos no México após desabamento de palco em comício político:

Caos e confusão após palco desmoronar em comício político no México

O vídeo da cena obtido pela Reuters mostra pessoas correndo e gritando após o desabamento de um palco em San Pedro Garza Garcia, em Nuevo León, no México.

Fuente