Início Notícias O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, se declarará culpado de acusação de...

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, se declarará culpado de acusação de espionagem como parte do acordo com os EUA

7

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, se declarará culpado de uma acusação de crime em um acordo com o Departamento de Justiça dos EUA que resolverá uma longa saga legal que abrangeu vários continentes e centrou-se na publicação de uma coleção de documentos confidenciais, de acordo com documentos judiciais arquivados tarde. Segunda-feira.

Assange deverá comparecer ao tribunal federal das Ilhas Marianas, uma comunidade dos EUA no Pacífico Ocidental, para se declarar culpado de uma acusação da Lei de Espionagem de conspirar para obter e divulgar ilegalmente informações confidenciais de defesa nacional, disse o Departamento de Justiça em uma carta apresentada em corte.

A confissão de culpa, que deve ser aprovada por um juiz, traz uma conclusão abrupta a um caso criminal de intriga internacional e à perseguição de anos do governo dos EUA a um editor cujo site imensamente popular de compartilhamento de segredos o tornou um causa famosa entre muitos defensores da liberdade de imprensa que disseram que ele agiu como jornalista para expor irregularidades militares dos EUA.

Os investigadores, por outro lado, afirmaram repetidamente que suas ações violaram leis destinadas a proteger informações confidenciais e colocaram a segurança nacional do país em risco.

Ele deverá retornar à Austrália após sua confissão e sentença, que está marcada para a manhã de quarta-feira, horário local de Saipan, a maior ilha das Ilhas Marianas. A audiência está a decorrer lá devido à oposição de Assange em viajar para o território continental dos EUA e à proximidade do tribunal com a Austrália.

O acordo garante que Assange admitirá a culpa, ao mesmo tempo que o poupará de qualquer pena adicional de prisão. Ele passou anos escondido na embaixada do Equador em Londres, depois que as autoridades suecas solicitaram sua prisão por acusações de estupro, antes de ser preso no Reino Unido.

Os promotores concordaram com uma sentença equivalente aos cinco anos que Assange já passou em uma prisão britânica de segurança máxima enquanto lutava para evitar a extradição para os EUA para enfrentar acusações, um processo que se desenrolou em uma série de audiências em Londres.

No mês passado, ele ganhou o direito de recorrer de uma ordem de extradição depois de os seus advogados argumentarem que o governo dos EUA forneceu garantias “claramente inadequadas” de que ele teria as mesmas proteções à liberdade de expressão que um cidadão americano se fosse extraditado da Grã-Bretanha.

Assange foi proclamado por muitos em todo o mundo como um herói que trouxe à luz os erros militares no Iraque e no Afeganistão. Entre os arquivos publicados pelo WikiLeaks estava um vídeo de um ataque de helicóptero Apache em 2007 pelas forças americanas em Bagdá que matou 11 pessoas, incluindo dois jornalistas da Reuters.

Mas a sua reputação também foi manchada por acusações de violação, que ele negou.

A acusação do Departamento de Justiça revelada em 2019 acusava Assange de encorajar e ajudar a analista de inteligência do Exército dos EUA, Chelsea Manning, a roubar telegramas diplomáticos e arquivos militares que o WikiLeaks publicou em 2010. Os promotores acusaram Assange de prejudicar a segurança nacional ao publicar documentos que prejudicaram os EUA e seus aliados e ajudou seus adversários.

O caso foi criticado por defensores da imprensa e apoiantes de Assange. Os promotores federais defenderam-no como tendo como alvo uma conduta que ia muito além da de um jornalista coletar informações, equivalendo a uma tentativa de solicitar, roubar e publicar indiscriminadamente documentos governamentais confidenciais. A ação foi movida apesar de o Departamento de Justiça do governo Obama ter desistido de processá-lo anos antes.

Fuente