Início Política O CSIS e o conselheiro de Trudeau entraram em confronto sobre a...

O CSIS e o conselheiro de Trudeau entraram em confronto sobre a ameaça de inferência estrangeira durante 2021: relatório

7

A inteligência sobre interferência estrangeira às vezes não chegava à mesa do primeiro-ministro em 2021 porque a agência de espionagem do Canadá e o conselheiro de segurança nacional do primeiro-ministro nem sempre concordavam sobre a natureza da ameaça, de acordo com um relatório recente de um dos vigilantes da inteligência do Canadá.

A Agência Nacional de Revisão de Segurança e Inteligência (NSIRA) divulgou um relatório na noite de segunda-feira apontando vários cismas no fluxo de informações entre as agências de inteligência do Canadá e o governo federal durante as duas últimas eleições federais.

O órgão independente foi convidado a assumir a revisão em março de 2023, na sequência de relatos da comunicação social, citando fontes de segurança não identificadas e documentos confidenciais, que acusavam a China de interferir nas eleições federais de 2019 e 2021. Alguns dos relatórios também sugeriram que os membros do governo liberal estavam cientes de certas tentativas de interferência, mas não agiram.

O governo apresentou o relatório do NSIRA na segunda-feira na Câmara dos Comuns.

De acordo com o órgão de vigilância da inteligência, os analistas do Gabinete do Conselho Privado e do Serviço Canadense de Inteligência de Segurança (CSIS) produziram relatórios em 2021 destinados a servir como resumos das atividades de interferência estrangeira chinesa.

O conselheiro de inteligência de segurança nacional (NSIA) do primeiro-ministro, no entanto, considerou os relatórios como “relatando atividades diplomáticas padrão”, disse o relatório de segunda-feira.

“A lacuna entre o ponto de vista do CSIS e o da NSIA é significativa, porque a questão é tão fundamental”, afirmou.

“O CSIS coletou, analisou e relatou informações sobre atividades que considerou serem ameaças significativas à segurança nacional; um dos principais consumidores desses relatórios (e o canal de facto de informações para o primeiro-ministro) discordou dessa avaliação.”

A NSIRA disse que o desacordo desempenhou um papel importante no facto de os produtos de inteligência não chegarem ao executivo político, incluindo o primeiro-ministro.

O Diretor do Serviço Canadense de Inteligência de Segurança, David Vigneault, se prepara para comparecer perante o Comitê Especial sobre as Relações Canadá-República Popular da China, no Parliament Hill, em Ottawa, na segunda-feira, 29 de abril de 2024.
O diretor do Serviço Canadense de Inteligência de Segurança, David Vigneault, se prepara para comparecer perante o Comitê Especial sobre as Relações Canadá-República Popular da China, na Colina do Parlamento, em Ottawa, em 29 de abril. (Justin Tang/A Imprensa Canadense)

“Os compromissos para lidar com a interferência política estrangeira são simples em teoria, mas serão inevitavelmente prejudicados na prática se persistirem na comunidade divergências rudimentares quanto à natureza da ameaça”, afirma o relatório.

O relatório não indica a qual consultor se refere. O gabinete do conselheiro de segurança nacional e inteligência estava em constante mudança em 2021.

Vincent Rigby se aposentou e deixou o cargo no final de junho daquele ano, sendo posteriormente substituído por Jody Thomas no início de 2022.

Dave Morrison, vice-ministro das Relações Exteriores, atuou como conselheiro até que Thomas foi nomeado. Mas durante a janela de 16 de julho a 3 de agosto de 2021, Mike MacDonald estava substituindo.

‘Zona cinzenta’ de interferência estrangeira

O NSIRA disse que os “desentendimentos e desalinhamentos” entre o conselheiro e o CSIS sublinham o que é chamado de “zona cinzenta”, onde a interferência política estrangeira faz fronteira com a actividade política ou diplomática típica.

“Este desafio esteve sempre presente nas actividades em análise, influenciando as decisões sobre a divulgação e a forma de caracterizar o que foi partilhado, ao mesmo tempo que suscitou sensibilidades em termos de reportagem sobre actividades que contornam os domínios político e diplomático”, escreveu o NSIRA.

“O risco de caracterizar o comportamento político ou diplomático legítimo como uma ameaça levou alguns membros da comunidade de inteligência a não identificarem certas atividades como atividades de ameaça”.

O relatório recomenda que “os consumidores regulares de inteligência trabalhem para melhorar a literacia em inteligência nos seus departamentos e que, além disso, a comunidade de segurança e inteligência desenvolva uma compreensão comum e prática do que constitui interferência política estrangeira”.

O primeiro-ministro Justin Trudeau fala no Café da Manhã de Oração Nacional em Ottawa na terça-feira, 7 de maio de 2024.
O primeiro-ministro Justin Trudeau discursa no Café da Manhã Nacional de Oração em Ottawa, no dia 7 de maio. (Sean Kilpatrick/Imprensa Canadense)

O relatório do NSIRA afirma que o CSIS também se esforçou para conciliar a possibilidade de denunciar a interferência estrangeira sem ser visto como, ele próprio, uma interferência nas eleições.

Em última análise, a divulgação de informações do CSIS sobre a interferência política estrangeira durante as duas últimas eleições “foi inconsistente”, afirmou.

“A ameaça representada pelas atividades de interferência política estrangeira não foi claramente comunicada pelo CSIS”, afirma o relatório do NSIRA.

A investigação também apontou lacunas

No início deste mês, a comissão de interferência estrangeira concluiu que as tentativas de outros países de interferir nas eleições gerais de 2019 e 2021 não tiveram impacto no partido que formou o governo.

“No entanto, os atos de interferência que ocorreram mancharam o nosso processo eleitoral e impactaram o processo que conduziu à votação propriamente dita”, escreveu a juíza Marie-Josée Hogue no seu relatório inicial.

Hogue disse que nenhuma das evidências que ouviu até o momento sugere que as autoridades agiram de “má-fé” ou que a informação foi retida deliberada e indevidamente.

“Mas sugere que, em algumas ocasiões, a informação relacionada com a interferência estrangeira não chegou ao destinatário pretendido, enquanto noutras a informação não foi devidamente compreendida por aqueles que a receberam”, escreveu ela.

Fuente