Início Melhores histórias O campeão do Brexit, Nigel Farage, concorrerá nas eleições no Reino Unido

O campeão do Brexit, Nigel Farage, concorrerá nas eleições no Reino Unido

7

Nigel Farage, o ativista pró-Brexit e perturbador em série da política britânica, anunciou na segunda-feira planos de concorrer como candidato nas eleições gerais britânicas do próximo mês, causando um novo revés às perspectivas do primeiro-ministro do país, Rishi Sunak.

O anúncio surpresa de Farage, que representa um movimento insurgente de extrema-direita que faz campanha para conter a imigração, ameaça subverter a campanha ao obter votos do Partido Conservador, que governa o Reino Unido. Ao fazê-lo, poderá tornar ainda mais difícil para Sunak e o seu partido reduzirem a diferença de dois dígitos nas sondagens em relação ao Partido Trabalhista, da oposição.

Divisivo, carismático e famoso pelas suas capacidades de comunicação, Farage foi um dos arquitectos do Brexit, que uma pequena maioria dos britânicos apoiou num referendo de 2016. Uma decisão anterior de Farage de não concorrer este ano foi considerada por alguns analistas como tendo minado o ímpeto de seu partido, o Reform UK, o sucessor do Partido do Brexit que ele já liderou.

Farage disse no mês passado que não buscaria um assento parlamentar porque queria priorizar o apoio à campanha eleitoral de Donald J. Trump nos Estados Unidos. Farage é um aliado de longa data do ex-presidente e fez campanha para ele em 2016 e 2020.

Mas na segunda-feira Farage reverteu a sua decisão, dizendo que assumiria o cargo de líder do Reform UK durante os próximos cinco anos e concorreria a um assento no Parlamento.

“Mudei de ideia – é permitido, você sabe”, disse ele. “Vou concorrer nesta eleição.” Ele acrescentou que concorreria em Clacton, uma área costeira onde o apoio ao Brexit tem sido forte.

O anúncio ocorre às vésperas de um dos maiores eventos da campanha para as eleições gerais britânicas até agora: um debate televisionado na noite de terça-feira entre Sunak e Keir Starmer, o líder do Partido Trabalhista, de oposição.

Sunak já está sob pressão significativa, com o seu Partido Conservador a ficar mal nas sondagens de opinião e após um início de campanha propenso a gafes.

A mudança de opinião de Farage pode piorar as perspectivas do primeiro-ministro porque, segundo analistas, o Reform UK ameaça obter um número significativo de votos dos conservadores. Até agora, grande parte da estratégia eleitoral de Sunak parecia ter sido dirigida para reconquistar potenciais apoiantes do Reform UK, motivando os seus principais eleitores de direita a comparecerem e evitando uma grande derrota.

Mas na segunda-feira Farage afirmou que os conservadores estavam destinados a ser varridos por uma onda de desdém pelo sistema político e estavam “à beira do colapso total”.

Apesar do perfil e da popularidade de Farage na direita da política britânica, o sucesso eleitoral em Clacton, onde pretende concorrer, não está garantido. Nunca foi eleito para o Parlamento Britânico em Westminster, apesar de sete tentativas anteriores, embora tenha sido membro do Parlamento Europeu durante duas décadas antes de a Grã-Bretanha abandonar a União Europeia.

No sistema eleitoral britânico em que o vencedor leva tudo, os candidatos de partidos mais pequenos enfrentam dificuldades porque precisam de garantir a maior parte dos votos na área que procuram representar.

No entanto, Farage parece ter calculado que tem hipóteses de vitória em Clacton, uma cidade firmemente pró-Brexit, a cerca de 130 quilómetros a nordeste de Londres. Já foi representado por um legislador do Partido da Independência do Reino Unido, que Farage também liderou e que fez campanha para que o Reino Unido deixasse a União Europeia.

Com os conservadores em má posição nas sondagens de opinião, Farage tem sido cada vez mais veemente na previsão de uma derrota significativa para o partido de Sunak, especulando mesmo que poderia ser na escala daquela sofrida pelos conservadores progressistas do Canadá em 1993.

Numa entrevista ao The Sunday Times de Londres no fim de semana, Farage disse que deu ao seu partido o nome de Reform UK em homenagem ao partido insurgente canadense de mesmo nome.

“Levaram tempo, demoraram duas eleições, tornaram-se o maior partido de centro-direita. Eles então absorveram o que restava do Partido Conservador e renomearam”, disse ele.

Questionado se estava sugerindo uma fusão entre o Reform UK e os conservadores, Farage respondeu: “Mais como uma aquisição, querido rapaz”.

Farage tem admiradores à direita do Partido Conservador, incluindo Jacob Rees-Mogg, um ex-ministro que até pediu que Farage fosse convidado para concorrer como legislador pelos conservadores.

Desde 2016, Farage tem manifestado o seu apoio a Trump e, na semana passada, descreveu as condenações contra ele em 34 acusações criminais como uma “vergonha”.

Nas eleições gerais de 2019, o Partido Brexit não apresentou candidatos em muitos círculos eleitorais parlamentares. Isso foi para ajudar Boris Johnson, um antigo líder do Partido Conservador, cuja promessa eleitoral era “concretizar o Brexit” e que obteve uma grande vitória eleitoral.

Mas Richard Tice, líder do Reform UK até Farage substituí-lo na segunda-feira, disse que não haverá repetição desse acordo e prometeu lutar contra os conservadores em toda a Inglaterra, Escócia e País de Gales.

Fuente