Início Notícias O ataque mortal de Israel ao acampamento confirma que “não há segurança”...

O ataque mortal de Israel ao acampamento confirma que “não há segurança” em Gaza, dizem os sobreviventes

4

AVISO: Esta história contém detalhes gráficos.

Famílias que sobreviveram a um ataque aéreo israelense mortal em um acampamento em Rafah descreveram uma cena horrível de tendas queimadas e corpos em chamas no domingo, enquanto o ataque trazia um maior escrutínio à contínua ofensiva de Israel na cidade.

Testemunhas disseram que as pessoas estavam se preparando para a oração noturna quando o ataque atingiu o bairro de Tel al-Sultan, onde milhares de pessoas tentaram encontrar abrigo depois que as forças israelenses lançaram uma ofensiva terrestre no leste de Rafah, há mais de duas semanas.

“Estávamos sentados em segurança e de repente encontramos corpos jogados no chão, sangue espalhado no chão – cabeças cortadas, mãos cortadas… Estávamos gritando um com o outro”, disse Malak Filfel, 23 anos, que disse que as crianças estavam entre os mortos.

“Isto não é uma vida”, acrescentou Filfel. “Não há segurança. Não vamos sair. Não importa para onde formos, morreremos aqui.”

Folhetos israelenses instruíam os moradores de Gaza a se dirigirem ao acampamento

O ataque aéreo iniciou um grande incêndio que rapidamente destruiu tendas finas e abrigos improvisados. O ministério da saúde de Gaza disse que 45 pessoas morreram no ataque. Ao amanhecer de segunda-feira, o acampamento estava cheio de tendas fumegantes, metal retorcido e pertences carbonizados. As mulheres choravam enquanto os homens oravam pelos corpos.

Alguns sobreviventes disseram que vieram para o campo porque seguiram um aviso nos folhetos israelenses, dizendo-lhes para deixarem Rafah e irem para a “área humanitária”.

Na foto há um folheto vermelho e branco com escrita árabe.
Um panfleto israelense caiu em Rafah. A última metade diz o seguinte: ‘Para sua segurança, as Forças de Defesa de Israel pedem que você deixe essas áreas imediatamente e vá para abrigos conhecidos em Deir el Balah ou para a área humanitária em Tel al-Sultan através da Beach Road. E não nos culpe depois de avisarmos você. (Mohamed El Saife/CBC)

“Para sua segurança, as Forças de Defesa de Israel pedem que você deixe essas áreas imediatamente e vá para abrigos conhecidos em Deir el Balah ou para a área humanitária em Tel al-Sultan através da Beach Road”, dizia um folheto traduzido do árabe.

“Não nos culpe depois que avisamos você.”

Derrotado, Filfel descreveu a leitura dos jornais branco e vermelho.

“Eles nos jogaram panfletos dizendo: ‘Vá para o sul’. … Então, quando viemos para cá, para o sul, eles também nos massacraram”, disse ela.

ASSISTA | Sobreviventes questionam para onde mais ir depois que o ataque aéreo israelense atingir o acampamento:

Famílias fugiram para Rafah em busca de segurança – agora temem pelas suas vidas

Famílias de toda Gaza fugiram para Rafah depois de serem instruídas pelas forças israelenses a se mudarem para o sul. Depois de um ataque mortal no fim de semana, alguns perguntam se algum dia encontrarão segurança novamente.

Abu Mohamed Abu Al-Sabaa, 67, disse que escolheu Tel al-Sultan como o seu próximo refúgio porque era suposto ser uma área humanitária. Ele disse que olhou para fora de sua tenda depois de ouvir um barulho alto no domingo e encontrou chamas de “dois metros de altura” antes do abrigo de seu vizinho desabar, deixando-o momentaneamente preso.

“Bati na (tenda) de plástico com o poder de Deus para abrir o caminho e as crianças e todos saíram”, disse ele.

“Saí e encontrei corpos.”

Mais da metade dos mortos eram mulheres, crianças e idosos, disseram autoridades de saúde palestinas, acrescentando que o número de mortos provavelmente aumentará à medida que mais pessoas atingidas pelo incêndio estiverem em estado crítico, com queimaduras graves.

O interior carbonizado de um carro queimado é visível.
As consequências de um ataque aéreo israelense a um campo para palestinos deslocados em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, na segunda-feira. (Mohamed El Saife/CBC)

Aumenta a condenação internacional

A comunidade internacional foi rápida a condenar o ataque, tal como o fizeram alguns dos aliados mais próximos de Israel. O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse na segunda-feira que o ataque foi “um “acidente trágico”, mas reforçou o compromisso da nação com uma derrota completa do Hamas.

“Em Rafah, já evacuámos cerca de um milhão de residentes não-combatentes e apesar dos nossos maiores esforços para não prejudicar os não-combatentes, algo infelizmente correu tragicamente errado”, disse ele num discurso no parlamento.

Israel continuou o seu ataque a Rafah, apesar de uma decisão do tribunal superior da ONU na sexta-feira ordenando que a nação parasse. O tribunal também reiterou os apelos ao Hamas para libertar imediatamente os reféns detidos em Gaza, sem condições.

Um carro queimado e pertences queimados são vistos no que já foi um campo para palestinos deslocados.  Um grupo de sobreviventes está ao fundo.
O campo de Tel al-Sultan, no sul da Faixa de Gaza, é visto na segunda-feira, um dia depois de um ataque aéreo israelense ter matado dezenas de pessoas. (Mohamed El Saife/CBC)

A ministra canadense das Relações Exteriores, Mélanie Joly, disse que era “difícil encontrar palavras” para descrever o ataque.

“Mulheres e crianças foram queimadas vivas em tendas. Disseram-lhes que estavam numa zona segura, num acampamento de refugiados, mas foram queimadas vivas”, disse ela na segunda-feira.

“A nossa posição tem sido clara em relação a Rafah, e já o temos dito há semanas: os civis palestinianos não têm qualquer espaço seguro para onde ir. O assassinato de civis inocentes é completamente inaceitável e as decisões do Tribunal Internacional de Justiça são vinculativas. .”

OUÇA | A analista política israelense Dahlia Scheindlin sobre a reação à decisão da CIJ:

A revista de domingo16:51Como as ações da CIJ e do TPI estão acontecendo em Israel em meio à guerra com o Hamas

Os militares israelenses disseram que “inteligência precisa” indicava que o ataque matou dois líderes do Hamas, incluindo o seu chefe de gabinete para a Cisjordânia ocupada. Um órgão independente “responsável por examinar incidentes incomuns em combate” investigaria o incidente, acrescentou a Força de Defesa de Israel.

O ataque de Israel a Gaza matou mais de 36 mil palestinos, segundo o ministério da saúde local. Israel atacou o enclave depois que militantes liderados pelo Hamas mataram cerca de 1.200 pessoas e fizeram outras 250 reféns em um ataque surpresa em 7 de outubro, segundo registros israelenses.

A principal agência das Nações Unidas em Gaza, a UNRWA, disse que as imagens do “horrível” ataque de domingo foram “mais uma prova” de que Gaza se tornou “o inferno na terra”.

“Juro por Deus que estamos exaustos”, disse Umm Mohamed Taha, 37 anos. “Estamos deslocados daqui para lá e de lá para cá”.

“Diga-me onde posso encontrar um lugar seguro para ir com nossos filhos.”

Fuente