Início Melhores histórias Nova regra do Peru sobre cuidados de saúde para transgêneros provoca reação...

Nova regra do Peru sobre cuidados de saúde para transgêneros provoca reação negativa

10

O boletim apareceu sem muito alarde em um jornal oficial do governo do Peru que publica novas leis e regulamentos. As autoridades de saúde peruanas dizem que não tinham ideia da resposta que isso iria desencadear.

Eles dizem que queriam expandir o acesso a cuidados de saúde mental com seguro privado para transexuais peruanos. Portanto, o decreto governamental incluiu uma linguagem que classificava a identidade transgênero como um “problema de saúde mental”.

Mas à medida que as notícias sobre o regulamento foram sendo divulgadas, provocou indignação entre a população e os defensores LGBTQ do país.

Muitos críticos disseram que a regra foi mais um golpe num país onde o casamento gay e as uniões civis são ilegais; a identidade transgênero não é legalmente reconhecida; não existe legislação que reconheça crimes de ódio; e os transperuanos dizem que enfrentam discriminação e violência generalizadas.

“O que estão a fazer é rotular uma comunidade inteira como doente”, disse Cristian González Cabrera, que investiga os direitos LGBTQ na América Latina para a Human Rights Watch.

Mas as autoridades de saúde disseram que a raiva e a reação foram resultado de falhas de comunicação e que não tinham a intenção de ofender as pessoas trans.

O governo peruano adicionou este mês sete códigos de diagnóstico do sistema de classificação médica da Organização Mundial da Saúde a uma lista de condições no Peru que devem ser cobertas por seguros públicos e privados.

Mas a lei utilizou linguagem de uma versão desatualizada do sistema de classificação da OMS que listava o “transexualismo” e o “transtorno de identidade de género” como “transtornos mentais e comportamentais”.

Uma nova versão do sistema da OMS, que entrou em vigor em 2022, substituiu esses termos por “incongruência de género na adolescência e na idade adulta” e “incongruência de género na infância” num capítulo intitulado “Condições Relacionadas com a Saúde Sexual”.

A mudança, de acordo com a OMS, pretendia reflectir “o conhecimento actual de que identidades trans-relacionadas e diversas de género não são condições de problemas de saúde mental, e que classificá-las como tal pode causar um enorme estigma”.

Autoridades de saúde peruanas disseram em entrevista que estavam cientes das mudanças da OMS, mas só agora estavam iniciando o processo de adoção e incorporação de uma nova regra devido a obstáculos burocráticos.

“É um caminho que já começamos a trilhar”, disse Henry Horna, diretor de comunicações do Ministério da Saúde do Peru, embora as autoridades não tenham dito quanto tempo o processo levaria. Portanto, por enquanto, a classificação atual permanece em vigor.

Em resposta ao alvoroço, o ministério esclareceu numa declaração que “a diversidade de género e sexual não são doenças” e que rejeita a discriminação.

Dr. Carlos Alvarado, diretor de seguros de saúde do ministério, disse que a regulamentação tinha como objetivo facilitar a cobrança das seguradoras pelo tratamento relacionado à identidade transgênero.

“Não esperávamos a reação, honestamente”, disse ele.

“O problema surgiu obviamente de uma interpretação errada do significado da regra”, disse Horna. “As regras estão escritas em linguagem jurídica, em linguagem fria, em linguagem técnica.”

Mas Leyla Huerta, uma ativista trans, disse que o acesso a seguros privados é irrelevante para a maioria dos peruanos trans devido às práticas de contratação discriminatórias por parte de muitos empregadores do setor privado.

Ela disse que quaisquer benefícios para a comunidade trans foram compensados ​​pela estigmatização da linguagem usada na regulamentação governamental.

Classificar as pessoas transgénero como doentes mentais, dizem ativistas e especialistas, poderia abrir a porta à promoção, por parte de alguns grupos conservadores, da prática amplamente desacreditada da terapia de conversão, destinada a mudar a identidade de género ou a orientação sexual de uma pessoa.

Mas as autoridades de saúde observaram orientações governamentais anteriores afirmando que a identidade transgénero não era uma doença mental e desencorajando a terapia de conversão.

A controvérsia atual é apenas uma das muitas lutas para expandir os direitos e os cuidados de saúde de gays e transgéneros em toda a América Latina, uma região com elevados níveis de violência contra pessoas LGBTQ.

Ainda assim, mesmo num ambiente deste tipo, o Peru destaca-se porque o seu sistema legislativo quase não prevê direitos para pessoas gays e transgénero, disse González.

O casamento entre pessoas do mesmo sexo é legal há anos em outros países da América do Sul, como Brasil, Colômbia, Chile, Argentina e Equador. “O Peru está quilômetros atrás de seus vizinhos sul-americanos”, disse González.

O chefe do gabinete de direitos humanos do governo peruano, durante depoimento no ano passado perante o Congresso do país, referiu-se à homossexualidade como “deformidades que devem ser corrigidas”.

E no ano passado, uma mulher trans que trabalhava como prostituta foi sequestrada e baleada 30 vezes nas ruas de Lima, um assassinato que foi capturado em vídeo. Uma pessoa foi presa até agora, mas ainda não houve julgamento.

O governo peruano não coleta dados sobre atos de preconceito ou violência contra pessoas trans.

Mas um estudo publicado em 2021 por um grupo peruano de direitos humanos, More Equality, descobriu que entre uma amostra de 323 peruanos LGBTQ, 83% disseram ter sofrido algum tipo de abuso verbal ou físico e 75% disseram ter sido sujeitos a discriminação.

A presidente do Mais Igualdade, Alexandra Hernández, psicóloga, disse acreditar que alguns funcionários do Ministério da Saúde tinham boas intenções ao promulgar esta regra, mas não consultaram especialistas em saúde mental LGBTQ.

“Dizem que foi benéfico para nós”, disse Gianna Camacho García, ativista trans e jornalista. “Na verdade, foi um benefício mínimo comparado ao quanto temos a perder em outras áreas ou aspectos da vida ao nos chamar de pessoas com transtornos mentais.”

Fuente