Início Melhores histórias Nos antigos estados soviéticos, um cabo de guerra entre o Oriente e...

Nos antigos estados soviéticos, um cabo de guerra entre o Oriente e o Ocidente

8

Na Geórgia, os manifestantes que agitam bandeiras da União Europeia manifestaram-se contra o que consideram ser os seus líderes pró-Rússia. O governo da Moldávia está a pressionar para aderir ao bloco, enfurecendo os cidadãos que esperam por relações mais estreitas com Moscovo. A Arménia também estendeu a mão à Europa, irritada com o facto de Moscovo, um aliado de longa data, estar a cortejar o seu inimigo, o Azerbaijão.

Alimentadas em parte pela guerra na Ucrânia, as tensões têm vindo a aumentar em alguns dos antigos países da União Soviética, opondo aqueles que defendem relações mais estreitas com a Rússia contra aqueles que estão mais orientados para a Europa.

Muitas dessas tensões são anteriores à guerra, enraizadas em lutas internas de longa data sobre poder, dinheiro e outras questões, mas foram amplificadas pela geopolítica, com tanto a Rússia como o Ocidente a pressionar os países a escolherem um lado.

Em toda a antiga União Soviética, “todo o contexto é agora moldado pela forma como a guerra na Ucrânia radicalizou a concorrência entre a Rússia e o Ocidente”, disse Gerard Toal, autor de “Near Abroad”, um estudo sobre as relações da Rússia com os antigos territórios soviéticos.

Temendo perder influência, Moscovo emitiu avisos contundentes a países como a Geórgia e a Moldávia: Lembrem-se do que aconteceu na Ucrânia. Sem ameaçar invadir nenhum dos países, apontou para o tumulto e o derramamento de sangue que se seguiram à inclinação da Ucrânia para o Ocidente, após uma revolta popular em 2014 que depôs o seu presidente pró-Rússia.

A Rússia também espera que os recentes sucessos no campo de batalha no leste da Ucrânia possam ajudar a reverter os muitos reveses que sofreu no seu prestígio e influência numa série de antigos estados soviéticos no início da guerra.

“As campanhas de informação russas têm alimentado esta ideia de que um alinhamento mais próximo com o Ocidente ameaça uma guerra que só a Rússia pode vencer”, disse Nicu Popescu, antigo ministro dos Negócios Estrangeiros da Moldávia. “Tudo depende da Ucrânia.”

Com o resultado da guerra a parecer cada vez mais incerto, “a Rússia está a desfrutar do desconforto do Ocidente”, disse Thomas de Waal, especialista na antiga União Soviética do Carnegie Europe, um grupo de investigação.

A Rússia tem muito terreno a recuperar e algumas das suas perdas podem ser irreversíveis.

Distraído pela guerra e determinado a expandir as relações com o Azerbaijão, uma potência energética em ascensão, Moscovo alienou no ano passado um dos seus aliados mais próximos, a Arménia, ao ordenar às forças de manutenção da paz russas que se afastassem quando as tropas azeris tomaram Nagorno-Karabakh, um enclave montanhoso disputado. A Arménia disse mais tarde que estava a considerar candidatar-se para aderir à União Europeia e abandonar um pacto de segurança liderado por Moscovo.

A Moldávia intensificou os seus esforços para aderir à União Europeia, que em 2022 lhe concedeu o estatuto de candidato. Na semana passada, o Secretário de Estado Antony J. Blinken visitou a Moldávia para mostrar o apoio americano à Ucrânia e aos vizinhos que poderiam estar potencialmente em risco.

Mas mesmo na Geórgia – que foi invadida pela Rússia em 2008, perdeu 20 por cento do seu território para separatistas apoiados por Moscovo e abriga profundos sentimentos anti-russos – uma minoria substancial ainda quer melhorar pelo menos os laços económicos com a Rússia.

“Isso não acontece porque gostam da Rússia, mas porque têm medo da Rússia”, disse Koba Turmanidze, diretor do Centro de Recursos de Pesquisa do Cáucaso, um grupo de pesquisa em Tbilisi, a capital georgiana.

O Sr. de Waal, da Carnegie Europe, disse que embora a Geórgia quisesse ficar fora do conflito na Ucrânia, “a Geórgia vê que a guerra está a soprar mais na direcção da Rússia. Está a inclinar-se mais para a Rússia enquanto tenta permanecer não alinhado.”

O governo georgiano, embora se esforce oficialmente para aderir à União Europeia, um objectivo amplamente apoiado pela população, usou o medo da retaliação russa para justificar a sua recusa em aderir às sanções europeias contra Moscovo.

O partido do governo, Georgian Dream, disse Turmanidze, nunca diria que está do lado da Rússia contra a Ucrânia porque “isso seria um suicídio político”, dada a hostilidade pública a Moscovo. Mas tomou medidas, nomeadamente uma lei controversa sobre a influência estrangeira que desencadeou semanas de protestos de rua, que “são de estilo russo”, acrescentou.

Manter a influência sobre as antigas terras soviéticas tem sido um objectivo de Moscovo desde o início da década de 1990, mas recebeu nova ênfase num “conceito de política externa” revisto assinado pelo Presidente Vladimir V. Putin no ano passado.

O documento comprometeu a Rússia a prevenir “revoluções coloridas”, o termo que Moscovo usa para designar revoltas populares “e outras tentativas de interferir nos assuntos internos dos aliados e parceiros da Rússia” e a “prevenir e combater ações hostis de Estados estrangeiros”.

Classificando os recentes protestos de rua na Geórgia como uma repetição do que, na opinião de Moscovo, foi um golpe orquestrado pela CIA em 2014 na Ucrânia, o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo alertou na semana passada que as manifestações em Tbilisi foram “exatamente iguais ao que aconteceu na Ucrânia”.

E “vejam como a situação está a evoluir na Moldávia”, acrescentou a porta-voz do ministério, Maria Zakharova, referindo-se às tensões no país antes do referendo de Outubro sobre a adesão à União Europeia. As opiniões estão divididas na Moldávia entre aqueles que defendem uma integração mais estreita com a Europa e aqueles que olham para a Rússia.

“Este parece ser o mesmo cenário que foi preparado pelos mestres ocidentais para a Ucrânia”, disse Zakharova.

Os protestos de rua de 2014 em Kiev, que derrubaram o presidente eleito da Ucrânia, Viktor F. Yanukovych, foram desencadeados pela indignação pública pela sua rejeição de um acordo comercial e político com a União Europeia que ele se tinha comprometido a assinar.

“A narrativa geral da Rússia é que existe uma conspiração geopolítica do Ocidente para subverter a soberania dos Estados independentes”, disse Toal.

O Ocidente também tem a sua própria história enquadrada na Ucrânia, uma história que Blinken recitou na semana passada na Moldávia.

“Os moldavos estão perfeitamente conscientes de que o que acontece na Ucrânia é importante não apenas para os ucranianos, mas também para os moldavos”, disse Blinken numa conferência de imprensa com o presidente da Moldávia, Maia Sandu. Se não for contestada, disse ele, a Rússia “não iria parar na Ucrânia”.

Algumas semanas antes, funcionários da alfândega no aeroporto internacional da Moldávia encontraram mais de 1 milhão de dólares em dinheiro na bagagem de alguns políticos alinhados com a Rússia que regressavam de Moscovo.

Popescu, que deixou o cargo de ministro das Relações Exteriores da Moldávia em janeiro e agora é membro do Conselho Europeu de Relações Exteriores, disse que o dinheiro era para financiar atividades políticas antes do referendo de outubro e de uma eleição presidencial ao mesmo tempo.

“Você pode fazer política, mas não pode trazer sacos de dinheiro da Rússia”, disse ele.

Ele disse que o perigo de uma intervenção militar direta na Moldávia por parte de Moscou, um sério medo no início da invasão em grande escala da Rússia na Ucrânia, diminuiu. Mas os recentes avanços das tropas russas “são uma preocupação”, acrescentou. “Eles ainda estão muito longe de nós, mas tudo depende do resultado da guerra.”

A guerra tornou-se o princípio organizador em torno do qual giram agora mesmo as disputas internas mais estreitas, transformando as disputas internas em confrontos geopolíticos de alto risco.

O recente tumulto na Geórgia sobre a lei de influência estrangeira foi, em muitos aspectos, “uma luta pelo poder local entre diferentes redes políticas”, disse Toal, mas a guerra transformou-a numa “batalha moldada pela geopolítica”.

Mas o que os manifestantes vêem como prova da mudança do seu governo do Ocidente para a Rússia é, na opinião de alguns analistas, um sinal de preocupações mais restritas antes das eleições de Outubro – como conseguir que um banco suíço descongele milhares de milhões de dólares pertencentes ao país. oligarca mais poderoso, Bidzina Ivanishvili, fundadora do partido Georgian Dream.

Ivanishvili esteve envolvido em uma longa disputa com o banco Credit Suisse por causa de seu dinheiro. Depois de vencer vários processos judiciais e recuperar algum dinheiro, a guerra na Ucrânia acrescentou um novo obstáculo com o congelamento de 2,7 mil milhões de dólares em 2022 devido a preocupações sobre a sua potencial origem russa.

O seu partido acredita que Washington forçou o congelamento do dinheiro para tentar fazer com que a Geórgia ficasse do lado do Ocidente contra a Rússia.

Seja qual for a verdade, o golpe financeiro tornou-o mais determinado a enfrentar os seus supostos inimigos internos, custe o que custar, disse de Waal.

“Ele está paranóico e pensa que isso faz parte de uma conspiração mundial contra ele”, disse ele.

Fuente