Greve de renda 2023 em breve nasshliski

Quando uma pessoa está desempregada, é comum que ela tenha dúvidas quanto à obrigação de informar a Agência Tributária na declaração do Imposto de Renda. Para começar, deve ficar claro que os valores recebidos pelo desemprego estão incluídos nele como desempenho laboral, sendo aplicáveis ​​as mesmas reduções e despesas dedutíveis que a regulamentação permite.

O subsídio de desemprego terá de ser incluído na declaração de imposto sobre o rendimento quando teve um emprego que perdeu ou abandonou e agora está desempregado, se esteve desempregado e encontrou emprego, se trabalhou em dois ou mais locais em um ano e nos meses que não o fez você colecionou desemprego, ou se trabalha, estava desempregado e agora tem um novo emprego. Em todos estes casos terá que incluir este subsídio e fá-lo-á como remuneração do trabalho, pois na prática é semelhante ao recebimento de um salário.

Nestes casos, as retenções são efetuadas diretamente sobre o recibo integral, ao qual são subtraídas as contribuições para a Segurança Social e o ónus do trabalhador e as retenções do imposto sobre o rendimento das pessoas singulares.

Por outro lado, você deve saber que, se você estiver cobrando desemprego, isso não significa automaticamente que o resultado da declaração de Imposto de Renda será reembolsável, pois será pago ou reembolsado com base em todos os seus rendimentos, retenções e circunstâncias pessoais , independentemente de o subsídio de desemprego ter sido recebido ou não.

Limites de renda para entregar a declaração de Imposto de Renda

Uma vez sabido que o desemprego é considerado uma prestação de trabalho, devemos considerar os limites de rendimento que exigem ou não a entrega da Declaração de Imposto de Renda. Neste sentido, quem tiver recebido menos de 15.000 euros no último exercício ficará dispensado de apresentá-lo, de forma totalmente independente dos ordenantes que tenha tido.

Se o rendimento do desemprego tiver sido entre 15.000 e 22.000 euros para um único ordenante, também não haverá obrigação de apresentá-lo, mas se houver vários ordenantes será necessário estabelecer qual é o primeiro e o segundo e sucessivos, com sendo o primeiro pagamento aquele que proporcionou um maior total de importações. Se a importação da totalidade dos rendimentos obtidos pelo segundo e sucessivos ordenantes for igual ou inferior a 1.500 euros por ano, não haverá obrigação de apresentação da declaração, enquanto, se for superior a 1.500 euros, será necessário fazê-lo quando ultrapassar os 15.000 euros. . anual.

O último caso ocorre quando os rendimentos são superiores a 22.000 euros, ou seja, se os rendimentos do subsídio de desemprego ultrapassarem este valor, terá de ser apresentada a declaração de Imposto sobre o Rendimento, independentemente de os rendimentos provirem de um único contribuinte ou de dois ou mais .

Leave a Comment