Início Melhores histórias Nancy Pelosi encontra-se com Dalai Lama, apesar das críticas da China

Nancy Pelosi encontra-se com Dalai Lama, apesar das críticas da China

9

Uma delegação de alto nível do Congresso dos EUA, incluindo a ex-presidente da Câmara, Nancy Pelosi, reuniu-se com o Dalai Lama na sua casa indiana na quarta-feira, uma visita que foi condenada antecipadamente pelo governo da China, que considera o líder espiritual tibetano exilado um separatista.

A delegação, liderada por Michael McCaul, presidente republicano da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, chegou na terça-feira à cidade de Dharamsala, no Himalaia, onde o Dalai Lama vive desde a década de 1960. A delegação visitou os escritórios do governo tibetano no exílio, que defende a autonomia do Tibete na China.

A viagem ocorre dias depois de o Congresso ter aprovado um projeto de lei com apoio bipartidário que instava a China a iniciar o diálogo com os líderes tibetanos para encontrar uma solução para o conflito de longa data.

As críticas da China à visita foram imediatas e nada surpreendentes. Os seus líderes consideram ilegal o governo no exílio e consideram qualquer apoio à causa da autonomia do Tibete, a que chamam Xizang, como uma interferência nos assuntos internos chineses.

“Pedimos ao lado dos EUA que reconheça plenamente a natureza separatista anti-China do grupo Dalai, honre os compromissos que os EUA assumiram com a China em questões relacionadas com Xizang, pare de enviar o sinal errado ao mundo”, disse a Embaixada da China em Nova Iorque. Delhi disse em um comunicado na noite de terça-feira.

As autoridades norte-americanas reuniram-se frequentemente com o Dalai Lama, de 88 anos. A presença de Pelosi na delegação, no entanto, trouxe-lhe lembranças da sua viagem de 2022 a Taiwan, a ilha autónoma que a China reivindica como seu território, quando ela ainda era presidente do Parlamento. Casa.

Essa visita controversa, que levantou receios dentro da administração Biden de deteriorar ainda mais uma relação já gelada com Pequim, levou a uma resposta contundente da China, incluindo restrições comerciais a Taiwan e exercícios militares perto da ilha.

A visita à Índia ocorre também num momento em que Washington e Nova Deli aprofundam a sua relação, motivada em parte pela percepção de uma ameaça chinesa partilhada. Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional do presidente Biden, está em Nova Delhi esta semana, realizando várias rodadas de negociações com autoridades indianas sobre a expansão da cooperação em defesa e tecnologia.

Essas extensas discussões, que ocorrem semanas depois de o primeiro-ministro Narendra Modi ter conquistado um terceiro mandato, indicam o quanto Washington dá prioridade à relação com a Índia, com as autoridades americanas a falarem cada vez mais de Nova Deli como um contrapeso a Pequim.

Tenzin Lekshay, porta-voz da Administração Central Tibetana, o governo no exílio, disse que a situação do Tibete não deve ser vista através “das lentes da crescente rivalidade entre os EUA e a China”, mas como um lembrete de como o modo de vida tibetano “ está enfrentando uma ameaça existencial” à medida que a China assimila a região.

“Esperamos que os líderes do mundo livre defendam a causa do Tibete, enfatizando particularmente a liderança chinesa para reinstalar o diálogo para resolver o conflito Sino-Tibete”, disse Lekshay.

Fuente