Início Notícias Mais de 2.000 pessoas enterradas vivas em deslizamento de terra em Papua...

Mais de 2.000 pessoas enterradas vivas em deslizamento de terra em Papua Nova Guiné, diz governo

7

Mais de 2.000 pessoas foram soterradas vivas por um enorme deslizamento de terra em Papua Nova Guiné na semana passada, informou o centro nacional de desastres do país na segunda-feira, já que o terreno traiçoeiro e a dificuldade de levar ajuda ao local aumentam o risco de poucos sobreviventes serem encontrados.

O número de pessoas enterradas perto da aldeia de Yambali, na província de Enga, no norte do país, baseia-se em estimativas das autoridades locais, que têm aumentado continuamente desde o deslizamento de terra de sexta-feira.

Uma agência das Nações Unidas estimou o número estimado de mortos em mais de 670 pessoas no domingo.

O Centro Nacional de Desastres aumentou o número novamente para 2.000 em uma carta à ONU no domingo, que foi divulgada publicamente na segunda-feira. O deslizamento de terra também causou grande destruição em edifícios e hortas, disse.

“A situação permanece instável à medida que o deslizamento de terra continua a mudar lentamente, representando um perigo contínuo tanto para as equipas de resgate como para os sobreviventes”, de acordo com a carta.

Uma casa com telhado de zinco é vista esmagada e amassada por uma grande árvore.
Uma casa foi demolida no local de um deslizamento de terra na vila de Yambali, na região de Maip Mulitaka, na província de Enga, em Papua Nova Guiné, no sábado. (Imagens AFP/Getty)

Cerca de 4.000 pessoas viviam perto da área afetada, disse Justine McMahon, diretora nacional da CARE International Papua Nova Guiné, em entrevista à Australian Broadcasting Corporation (ABC) na segunda-feira.

Mas é difícil obter uma estimativa precisa da população local, uma vez que o último censo credível da Papua Nova Guiné foi realizado em 2000 e muitas pessoas vivem em aldeias montanhosas remotas. O país anunciou recentemente que um censo seria realizado em 2024.

Deslizamento de terra difícil de alcançar

O terreno instável, a localização remota e a guerra tribal próxima estão a dificultar os esforços de socorro.

Equipas de emergência, lideradas pelo pessoal de defesa da Papua Nova Guiné, estavam no terreno, mas a primeira escavadora só chegou ao local na noite de domingo, segundo um funcionário da ONU.

Imagens nas redes sociais publicadas por moradores e equipes de mídia locais mostraram pessoas escalando rochas, cavando com pás, paus e com as próprias mãos para encontrar sobreviventes. Ouviam-se mulheres chorando ao fundo.

Homens com pás estão num poço de terra numa paisagem montanhosa.
Moradores locais se reúnem na sexta-feira após um deslizamento de terra em Maip Mulitaka, na província de Enga. A primeira escavadeira só chegou ao local na noite de domingo, segundo um funcionário da ONU. (Emmanuel Eralia/Reuters)

Seis corpos foram recuperados até agora. A ONU disse que o número de possíveis mortes pode mudar, já que os esforços de resgate devem continuar por dias.

Casal resgatado dos escombros

A mídia em Papua Nova Guiné informou na segunda-feira que moradores resgataram um casal preso sob os escombros depois de ouvir seus pedidos de ajuda.

Johnson e Jacklyn Yandam disseram à NBC News local que estavam muito gratos e descreveram seu resgate como um milagre.

“Agradecemos a Deus por salvar nossas vidas naquele momento. Tínhamos certeza de que iríamos morrer, mas as grandes pedras não nos esmagaram”, disse Jacklyn. “É realmente difícil de explicar, pois ficamos presos por quase oito horas e depois fomos resgatados. Acreditamos que fomos salvos com um propósito”.

Cerca de 1.250 pessoas foram deslocadas pelo deslizamento de terra, que ocorreu na província de Enga, na Papua Nova Guiné, na manhã de sexta-feira. Mais de 150 casas foram soterradas e cerca de 250 casas abandonadas.

“As casas estão enterradas sob cerca de oito metros de terra. Portanto, há muitos destroços para passar”, disse McMahon da CARE.

Condições perigosas

A água continuou a fluir sob os escombros, disse a agência de migração da ONU, tornando extremamente perigoso para os residentes e para a equipe de resgate remover os escombros.

Serhan Aktoprak, chefe da missão da agência de migração da ONU em Papua Nova Guiné, disse à televisão ABC que as equipas de emergência continuariam a procurar sobreviventes até que os residentes lhes pedissem para parar.

A violência tribal na região levantou preocupações de segurança nas viagens rodoviárias, com os militares a escoltar comboios de equipas de resgate. Oito pessoas morreram e cinco lojas e 30 casas foram incendiadas no sábado, disse a agência da ONU.

Papua Nova Guiné deu poderes de prisão aos seus militares em Fevereiro, no meio de uma erupção de violência tribal que resultou na morte de pelo menos 26 homens numa emboscada.

O deslizamento atingiu um trecho da rodovia perto da mina de ouro de Porgera, operada pela Barrick Gold através da Barrick Niugini Ltd., sua joint venture com a chinesa Zijin Mining. Barrick disse que a mina tem combustível suficiente no local para operar por 40 dias e outros suprimentos essenciais por mais tempo.

Fuente