Início Notícias Israel devolverá equipamento de vídeo apreendido da Associated Press usado para transmissão...

Israel devolverá equipamento de vídeo apreendido da Associated Press usado para transmissão ao vivo em Gaza

160

As autoridades israelenses confiscaram equipamentos de câmera pertencentes à Associated Press na terça-feira, antes de reverter o curso diante da condenação generalizada de grupos de mídia e das críticas até mesmo de seu aliado mais próximo, os Estados Unidos.

O Ministro das Comunicações, Shlomo Karhi, disse num comunicado que ordenou às autoridades que cancelassem a decisão original e devolvessem o equipamento confiscado, enquanto se aguarda uma decisão do Ministério da Defesa, que disse desejar examinar a questão.

O Ministério das Comunicações de Israel já havia acusado a AP de infringir a lei ao fornecer uma transmissão ao vivo à Al Jazeera, que colocou sob proibição temporária no início deste mês, acusando-a de pôr em perigo a segurança nacional.

A agência de notícias disse que foi ordenada a encerrar uma transmissão ao vivo que mostrava uma vista de Gaza a partir da cidade israelense de Sderot, dizendo que isso não se baseava no conteúdo, mas “em um uso abusivo pelo governo israelense da nova lei de radiodifusão estrangeira do país”.

“A Associated Press condena nos termos mais veementes as ações do governo israelense para encerrar nossa transmissão ao vivo de longa data que mostrava uma visão de Gaza e apreender equipamentos da AP”, disse a porta-voz da AP, Lauren Easton.

A lei dos meios de comunicação social, aprovada em Abril, permite ao governo ordenar às emissoras estrangeiras que cessem temporariamente as operações por razões de segurança nacional.

Uma visão nebulosa de Gaza com fios elétricos passando pela imagem.
Uma captura de tela tirada de uma transmissão ao vivo da Associated Press mostra uma visão geral do norte de Gaza, vista do sul de Israel, antes que as autoridades israelenses apreendessem o equipamento de vídeo da agência de notícias. (A Associated Press)

A AP disse que cumpriu as regras de censura militar que proíbem a transmissão de detalhes como movimentos de tropas que possam colocar os soldados em perigo. Ele disse que a filmagem ao vivo geralmente mostrava fumaça subindo sobre Gaza.

Tal como a AP, a Reuters também fornece transmissões em directo de posições em torno de Gaza a milhares de clientes em todo o mundo, incluindo a Al Jazeera.

Israel encerrou as operações da Al Jazeera, de propriedade do Catar, em 5 de maio, alegando preocupações de segurança nacional, no início de maio, e disse que permaneceriam fechadas durante a guerra em Gaza. As autoridades confiscaram o equipamento do canal, proibiram as suas transmissões e bloquearam os seus websites.

A Al Jazeera classificou a acusação de ameaçar a segurança israelense de “mentira perigosa e ridícula”.

Não houve comentários imediatos quando questionado sobre o incidente da AP na terça-feira.

Porta-vozes do gabinete do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu não responderam imediatamente aos pedidos de comentários da Reuters.

ASSISTIR | O principal promotor do TPI busca mandados de prisão para líderes israelenses e do Hamas:

O que significam os mandados de prisão do TPI para líderes israelenses e do Hamas

À medida que a guerra continua a assolar Gaza, Briar Stewart da CBC analisa o que poderá acontecer agora que o promotor-chefe do Tribunal Penal Internacional disse que está buscando mandados de prisão para líderes israelenses e do Hamas, incluindo o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, em conexão com suas ações durante os últimos sete meses de combates.

‘Uma ladeira escorregadia’

O líder da oposição israelense, Yair Lapid, classificou o confisco do equipamento da AP como “um ato de loucura”.

“Isto não é a Al Jazeera. Este é um meio de comunicação americano”, disse ele. “Este governo age como se tivesse decidido garantir a qualquer custo que Israel será evitado em todo o mundo.”

Karhi, o ministro das Comunicações, respondeu que a lei, aprovada por unanimidade pelo governo, afirmava que qualquer dispositivo utilizado para entregar conteúdo à Al Jazeera poderia ser apreendido.

“Continuaremos a agir de forma decisiva contra qualquer pessoa que tente prejudicar os nossos soldados e a segurança do Estado, mesmo que você não goste”, escreveu ele a Lapid no X, a plataforma de mídia social anteriormente conhecida como Twitter.

Na altura em que Israel encerrou as operações da Al Jazeera, grupos de comunicação social alertaram para as graves implicações para a liberdade de imprensa no país, uma vez que a lei dá a Karhi, parte do flanco de extrema-direita do Partido Likud de Netanyahu, ampla margem de manobra para a aplicar contra outros meios de comunicação. .

A Casa Branca, que apoiou Israel na guerra, disse que o incidente era preocupante e que os jornalistas tinham o direito de fazer o seu trabalho.

Grupos de defesa dos direitos dos meios de comunicação criticaram a medida, que os Repórteres Sem Fronteiras chamaram de “censura ultrajante”.

“A acção de Israel hoje é uma ladeira escorregadia”, disse a Associação de Imprensa Estrangeira num comunicado após o confisco do equipamento da AP, alertando que a lei “poderia permitir a Israel bloquear a cobertura mediática de praticamente qualquer evento noticioso por vagas razões de segurança”.

Israel tem há muito tempo uma relação difícil com a Al Jazeera, acusando-a de preconceito contra o país, e Netanyahu chamou-a de “canal de terror” que espalha o incitamento.

A Al Jazeera é um dos poucos meios de comunicação internacionais que permaneceu em Gaza durante a guerra, transmitindo cenas de ataques aéreos e hospitais superlotados e acusando Israel de massacres. A AP também está em Gaza.

ASSISTIR | Explicando por que a ONU revisou o número de mortes de mulheres e crianças em Gaza:

Como são contados os mortos em Gaza? É complicado

Uma agência da ONU criou confusão recentemente quando reviu o número de mulheres e crianças mortas em Gaza para menos de metade do que tinha relatado anteriormente. Ellen Mauro, da CBC, explica por que a mudança aconteceu e os desafios da coleta de dados em uma zona de guerra.”

Fuente