Início Melhores histórias Incêndio em alojamento de trabalhadores migrantes no Kuwait mata dezenas

Incêndio em alojamento de trabalhadores migrantes no Kuwait mata dezenas

12

Pelo menos 49 pessoas morreram e dezenas de outras ficaram feridas no Kuwait, país do Golfo Pérsico, disse a agência de notícias estatal, quando ocorreu um incêndio na quarta-feira num edifício que albergava dezenas de trabalhadores de baixos rendimentos, muitos deles imigrantes indianos.

O incêndio começou durante a manhã numa zona costeira chamada Mangaf, a cerca de meia hora de carro do centro da capital, a Cidade do Kuwait, informou a agência de notícias estatal do Kuwait.

As autoridades do Kuwait detiveram o proprietário do edifício para interrogatório enquanto investigam a causa do incêndio e tentam determinar se “qualquer falha ou negligência” desempenhou um papel, informou a agência de notícias estatal. As autoridades também prometeram lançar uma campanha para procurar e combater violações do código de construção e afirmaram que a causa do incêndio estava sob investigação.

Falando aos jornalistas no local, o xeque Fahad Yusuf Al Sabah – vice-primeiro-ministro e ministro do Interior do Kuwait – culpou a ganância corporativa pela tragédia e disse que o proprietário da empresa que emprega os trabalhadores também seria detido, segundo a agência de notícias Reuters e jornais do Kuwait. relatado.

O elevado número de mortos no incêndio destacou os perigos enfrentados pelos imigrantes de baixos rendimentos nos países do Golfo, que muitas vezes trabalham sob contratos de exploração e vivem em habitações sobrelotadas, com proteções regulamentares que são limitadas ou mal aplicadas. Os estrangeiros representam cerca de dois terços da população do Kuwait. Muitos são trabalhadores mal remunerados de países do Sul da Ásia que desempenham uma variedade de trabalhos essenciais, incluindo construção, serviços de restauração e limpeza de ruas.

A Autoridade Pública para Recursos Humanos do Kuwait, que supervisiona as regulamentações trabalhistas, não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Muitos dos trabalhadores afetados pelo incêndio eram imigrantes da Índia, informou a embaixada do país no Kuwait nas redes sociais. Na quarta-feira, o embaixador da Índia no Kuwait, Adarsh ​​Swaika, visitou vários hospitais para onde dezenas de trabalhadores feridos foram levados, informou a embaixada em seus posts.

O ministro das Relações Exteriores da Índia, Subrahmanyam Jaishankar, disse estar “profundamente chocado” com a notícia do incêndio.

“Estamos aguardando mais informações”, disse Jaishankar nas redes sociais. “Nossa embaixada prestará toda a assistência a todos os envolvidos neste sentido.”

Jornais do Kuwait publicaram um vídeo de um prédio de sete andares com chamas consumindo o térreo e fumaça preta saindo pelas janelas.

Num outro vídeo publicado por jornais do Kuwait, o Xeque Fahad foi mostrado no local do incêndio, questionando um homem não identificado sobre quem morava no prédio. O homem disse-lhe que viviam ali 196 pessoas.

Funcionários que trabalham no município que supervisiona a área foram suspensos do trabalho enquanto se aguarda uma investigação, informou a agência de notícias estatal do Kuwait. Os códigos de construção nos países do Golfo são frequentemente implementados de forma negligente.

Entrevistado por canais de televisão locais, um oficial da força de combate a incêndios do Kuwait, coronel Sayed Hassan Al-Moussawi, disse: “Num edifício como este, era suposto subir ao telhado, mas infelizmente a porta do telhado estava trancada. .”

Em vez disso, os trabalhadores foram dominados pela fumaça, disse ele.

O prédio tinha uma placa dizendo que era um acampamento de trabalhadores de uma empresa chamada NBTC Group, uma empresa empreiteira sediada no Kuwait com negócios nos setores de construção, indústria, logística e áreas afins. As ligações para a empresa na quarta-feira não foram atendidas, e um funcionário dos escritórios da empresa disse que funcionários foram detidos por autoridades naquele dia.

Yasmina Almulla contribuiu com reportagens do Kuwait.

Fuente