Início Melhores histórias Guerra Israel-Hamas em Gaza: últimas atualizações

Guerra Israel-Hamas em Gaza: últimas atualizações

9

Soldados israelenses consertando os rastros de um tanque perto da fronteira com Gaza, no sul de Israel, na semana passada.Crédito…Jack Guez/Agência France-Presse — Getty Images

A fase intensiva da guerra de Israel contra o Hamas está “prestes a terminar”, disse o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu numa entrevista no domingo à noite na televisão israelita, embora tenha enfatizado que isso não significa que o conflito esteja a chegar ao fim.

Após a operação em Rafah, a cidade mais ao sul de Gaza e o mais recente foco da ofensiva terrestre de Israel, disse o primeiro-ministro, Israel continuaria a “cortar a relva” – um termo há muito utilizado nos círculos de segurança israelitas para denotar o uso da força com o objectivo de restringir o crescimento de organizações militantes.

As observações de Netanyahu foram a mais recente sugestão de altos responsáveis ​​israelitas de que a guerra poderá em breve entrar num período de mudança.

O ministro da defesa de Israel, Yoav Gallant, esteve em Washington para reuniões com funcionários da administração Biden, que, segundo ele, incluiriam a discussão sobre “a transição para a ‘Fase C’ em Gaza”.

Embora os militares de Israel afirmem que estão perto de desmantelar ou degradar seriamente a infra-estrutura militar do Hamas, o governo não propôs qualquer plano claro para a administração de Gaza após a guerra.

Netanyahu sugeriu na entrevista que uma administração civil pós-guerra envolveria os palestinos locais, esperançosamente com a ajuda de nações árabes moderadas. Os militares israelitas teriam de manter o controlo geral da segurança do enclave, disse ele.

O primeiro-ministro continuou a descartar uma proposta que foi promovida pela administração Biden: entregar Gaza à Autoridade Palestiniana apoiada pelo Ocidente, que exerce um autogoverno limitado em partes da Cisjordânia ocupada.

Khan Younis, no sul de Gaza, na semana passada. O governo israelita não propôs um plano claro para a administração de Gaza após o fim da guerra. Crédito…Eyad Baba/Agence France-Presse — Getty Images

Para chegar ao “dia seguinte ao Hamas”, disse Netanyahu, “primeiro é preciso eliminar o Hamas” – reiterando a sua posição de longa data de que o grupo armado seja totalmente erradicado, um objectivo que muitos especialistas dizem ser inatingível.

Os comentários do primeiro-ministro foram feitos numa entrevista de 44 minutos que concedeu ao “The Patriots”, um talk show noturno populista e muitas vezes polêmico do Canal 14, uma estação de televisão israelense de direita que atende à base eleitoral de Netanyahu.

Netanyahu raramente foi entrevistado em hebraico para uma audiência israelense desde o início da guerra. Ele tem enfrentado críticas internas por conceder entrevistas frequentes a redes americanas, ao mesmo tempo em que interage com israelenses principalmente por meio de declarações esporádicas na televisão e coletivas de imprensa ou por meio de videoclipes.

Netanyahu também abordou as negociações de cessar-fogo paralisadas durante a entrevista, sugerindo a certa altura que estava disposto a chegar a um acordo “parcial” para o retorno de apenas alguns dos 120 reféns detidos em Gaza – uma declaração que o seu gabinete rapidamente voltou.

O primeiro-ministro disse que estava pronto para concordar com uma trégua temporária e a libertação de alguns dos reféns, retomando posteriormente a guerra. Essa proposta parecia contradizer uma proposta israelense que foi aprovada no mês passado por Netanyahu e seu gabinete de guerra para um acordo em fases que libertaria todos os reféns e daria início a um cessar-fogo permanente – uma proposta que foi endossada pelo presidente Biden e pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Mas em outro momento da entrevista de domingo, Netanyahu disse que estava empenhado em trazer de volta todos os reféns restantes, dos quais pelo menos um terço, segundo Israel, morreu no cativeiro.

Numa breve declaração emitida após a entrevista, o gabinete de Netanyahu disse que foi o Hamas que se opôs a um acordo, e não Israel, acrescentando: “O primeiro-ministro Netanyahu deixou claro que não deixaremos Gaza até devolvermos todos os nossos 120 reféns, vivos e falecidos.”

O Fórum de Famílias de Reféns e Pessoas Desaparecidas, que defende os reféns, condenou os comentários de Netanyahu na entrevista, dizendo que não avançar com a proposta de cessar-fogo “abandona 120 reféns e viola a obrigação moral do Estado para com os seus cidadãos”.

“As famílias dos reféns não permitirão que o governo e o seu líder se afastem dos seus compromissos fundamentais para com o destino dos nossos entes queridos”, afirmou o grupo num comunicado. “A responsabilidade e o dever de devolver todos os reféns cabem ao primeiro-ministro.”

Johnatan Reiss e Adam Rasgon relatórios contribuídos.

Fuente