Início Notícias Famílias divulgam imagens de cinco mulheres recrutadas do exército israelense feitas reféns...

Famílias divulgam imagens de cinco mulheres recrutadas do exército israelense feitas reféns pelo Hamas em 7 de outubro

18

AVISO: Esta história contém vídeos explícitos e descrições de mulheres sendo violentamente feitas reféns, bem como discussões sobre agressão sexual.

A televisão israelense transmitiu na quarta-feira imagens anteriormente ocultadas de cinco recrutas do exército vestidas de pijama sendo apreendidas por homens armados do Hamas durante o ataque de 7 de outubro que desencadeou a guerra em Gaza.

As famílias dos cativos esperavam que as imagens aumentassem a pressão sobre o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu para chegar a um acordo de trégua com o Hamas e garantir a libertação dos reféns.

O governo viu a divulgação do vídeo legendado de três minutos aos meios de comunicação nacionais e internacionais como uma oportunidade para reforçar o apoio.

“Essas meninas ainda estão em cativeiro do Hamas. Por favor, não desviem o olhar”, disse o porta-voz do governo, David Mencer, aos repórteres. “Assista ao filme. Apoie Israel para trazer nosso povo para casa.”

A filmagem mostra as jovens, todas atordoadas e algumas ensanguentadas, sendo amarradas e colocadas em um jipe.

“Tenho amigos na Palestina”, afirma em inglês uma das recrutas, Naama Levy, 19 anos.

Um dos homens armados pode ser ouvido gritando em árabe: “Vocês são cachorros! Vamos pisar em vocês, cachorros!”

Outro atirador diz a um prisioneiro: “Você é lindo”.

AVISO: O vídeo abaixo contém imagens gráficas de abuso físico e mulheres feridas:

Famílias israelenses publicam vídeo de mulheres feitas reféns pelo Hamas em 7 de outubro

AVISO: Este vídeo contém conteúdo gráfico. As famílias de cinco israelenses mantidos reféns pelo Hamas divulgaram imagens das mulheres recrutadas do exército sendo capturadas por militantes durante os ataques de 7 de outubro. As famílias afirmam que o vídeo foi editado para retirar os aspectos mais gráficos. O Fórum de Famílias de Reféns, que representa parentes daqueles que ainda estão detidos pelo Hamas, espera que o vídeo aumente a pressão sobre o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu para garantir um cessar-fogo e a libertação dos reféns. “Por favor, não desvie o olhar”, disse o porta-voz do governo David Mencer.

O Fórum de Famílias de Reféns, que representa parentes das 124 pessoas – a maioria civis – ainda detidas pelo Hamas e outros grupos militantes em Gaza, disse que as imagens foram recuperadas de câmeras usadas por homens armados que atacaram a base Nahal Oz, no sul de Israel, onde as mulheres serviram. como observadores de vigilância.

Os tiros de soldados israelenses mortos foram excluídos do vídeo e a publicação foi aprovada pelas famílias dos cinco cativos, disse o fórum.

“O governo israelense não deve perder nem mais um momento; deve retornar hoje à mesa de negociações!” disse o Fórum.

Uma multidão de manifestantes segurando cartazes de reféns israelenses.
Pessoas participam de um protesto perto do gabinete do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, em Jerusalém, na quarta-feira, para exigir a libertação imediata dos reféns, após a divulgação do vídeo que mostra a captura de mulheres soldados israelenses antes de serem levadas para Gaza durante os ataques de 7 de outubro. (Ronen Zvulun/Reuters)

Israel afirma que 1.200 pessoas foram mortas e mais de 250 sequestradas no ataque de 7 de outubro liderado pelo Hamas, 105 das quais foram libertadas como parte de um acordo de trégua temporária, em novembro, enquanto outras 39 foram confirmadas como mortas.

Israel respondeu lançando uma ofensiva para eliminar o grupo militante islâmico, na qual as autoridades de saúde de Gaza afirmam que mais de 35 mil palestinos foram mortos. Dos mortos identificados até agora, quase 5.000 eram mulheres e aproximadamente 7.800 eram crianças, segundo a ONU.

Os militares de Israel afirmam que 286 soldados israelitas também foram mortos desde o início da sua ofensiva terrestre em Gaza.

O governo de Netanyahu afirma que a pressão militar contínua forçará o Hamas a ceder. As famílias dos reféns dizem temer que os seus entes queridos não sobrevivam e que as mulheres reféns possam ser violadas. O Hamas negou as acusações de abuso sexual por parte dos seus homens.

“Então, por favor, faça o que puder para trazê-los para casa”, disse Orly Gilboa, cuja filha Daniela é refém, à Reuters. “Eles sofrem lá a cada minuto, a cada segundo. E cada minuto é importante.”

O Ministério das Relações Exteriores de Israel disse que os embaixadores da Irlanda, Noruega e Espanha, convocados para protestar contra os preparativos de seus governos para reconhecer um Estado palestino, veriam o vídeo em uma exibição especial na quinta-feira.

ASSISTIR | Ex-refém teme pelo seu marido, outros ainda mantidos em cativeiro em Gaza:

Ela sobreviveu 51 dias como refém. O Hamas ainda tem o marido

Aviva Siegel foi levada de sua casa em Kfar Aza pelo Hamas em 7 de outubro e ficou detida por 51 dias. Ela conversou com Chris Brown, da CBC, sobre sua provação e seus temores pelo marido – e pelos outros reféns restantes – que ainda estão em Gaza.

Fuente