Início Notícias Executivo financeiro do Epoch Times acusado de esquema de lavagem de dinheiro...

Executivo financeiro do Epoch Times acusado de esquema de lavagem de dinheiro de US$ 67 milhões

5

O chefe financeiro da editora do Epoch Times está enfrentando acusações de lavagem de dinheiro em um aparente esquema de US$ 67 milhões nos EUA para beneficiar a si mesmo e à empresa.

O procurador dos Estados Unidos para o Distrito Sul de Nova York alega que Weidong Guan, também conhecido como Bill Guan, conspirou com outros em um “esquema transnacional amplo” para “beneficiar a si mesmo, à empresa de mídia e às suas afiliadas”.

Registros financeiros no Site ProPública mostram que Guan é o diretor financeiro do Epoch Times Media Group, com sede em Nova York, que publica o jornal conservador e o site de mesmo nome.

O homem de 61 anos, natural de Nova Jersey, é acusado de uma acusação de conspiração para cometer lavagem de dinheiro, que acarreta pena máxima de 20 anos de prisão, e duas acusações de fraude bancária, cada uma com pena máxima de 30 anos.

Em um e-mail para a CBC News, um porta-voz do Epoch Times disse que Guan é “inocente até que sua culpa seja provada além de qualquer dúvida razoável” e que a empresa cooperaria com qualquer investigação sobre as acusações contra ele, mas que ele foi suspenso “ até que este assunto seja resolvido.”

Num comunicado divulgado na segunda-feira, o procurador dos EUA, Damian Williams, acusou Guan de “lavar dezenas de milhões de dólares em benefícios de seguro-desemprego obtidos de forma fraudulenta e outros rendimentos do crime”.

Williams alega que membros da equipe “Make Money Online” do Epoch Times, gerenciada por Guan, usaram informações de identificação pessoal roubadas para lavar fundos obtidos ilegalmente por meio de contas bancárias abertas em nome da empresa de mídia, bem como por meio do uso de cartão de débito pré-pago e criptomoeda. contas.

“Depois que os rendimentos do crime chegaram a essas contas bancárias, eles foram frequentemente lavados através de outras contas bancárias mantidas por entidades de mídia, contas bancárias pessoais de Guan e através de contas pessoais de criptomoeda de Guan”, diz o comunicado do promotor público.

Ele também afirma que o aumento da receita anual da empresa de mídia saltou de aproximadamente US$ 15 milhões para cerca de US$ 62 milhões ano após ano, durante um período “na mesma época ou próximo ao início do esquema de lavagem de dinheiro”.

Guan supostamente supervisionou o esquema pelo menos em algum momento de 2020 até maio deste ano, enquanto trabalhava para a empresa, que não é citada no comunicado.

O comunicado de imprensa afirma claramente que as acusações contra Guan “não se relacionam com as atividades de recolha de notícias da empresa de comunicação social”.

OUVIR | Aposentado professor de jornalismo explica o Epoch Times:

Controvérsias e teorias da conspiração

O Epoch Times foi fundado por imigrantes chineses como uma organização de mídia sem fins lucrativos em 2000 e está intimamente associado aos seguidores do Falun Gong, uma prática religiosa declarada culto pelo governo chinês em 1999.

A sede global do Falun Gong está localizada num complexo de 1,73 quilómetros quadrados no norte do estado de Nova Iorque.

Outrora um jornal gratuito disponível em caixas de venda ou distribuído nas principais cidades, promovendo uma mensagem anti-Partido Comunista Chinês (PCC), o Epoch Times transformou-se num fornecedor online de opiniões políticas de direita alinhadas com o antigo presidente dos EUA, Donald Trump. Os críticos o acusaram de promover desinformação e teorias da conspiração.

Segundo seu site, o Epoch Times tem edições em 23 idiomas em 36 regiões e países — incluindo o Canadá, com operações sediadas em Toronto.

Seus colunistas atuais e anteriores incluem canadenses como o ex-editor de jornal Conrad Black, o ex-vice-presidente do CRTC Peter Menzies e os redatores de opinião do National Post Barbara Kay e o falecido Rex Murphy.

Houve polêmica em torno do Epoch Times no Canadá em 2020, quando cópias não solicitadas do jornal foram entregues em residências em todo o país.

Uma pessoa segura um jornal em frente a uma caixa de entrega de correspondência do Canada Post.
Uma cópia de uma edição especial do Epoch Times que foi entregue em residências em todo o Canadá em 2020. (Enviado por Lisa Armstrong)

O sindicato que representa os trabalhadores do Canada Post disse que a edição especial se concentrava na pandemia de COVID-19 e tinha como manchete “Como o Partido Comunista Chinês ameaçou o mundo”, referindo-se ao SARS-CoV-2, o vírus que causa a COVID-19, como o “vírus do PCC”.

O Sindicato Canadense dos Trabalhadores dos Correios fez um pedido para que os Correios do Canadá parassem de entregar o jornal, citando temores de alimentar a xenofobia e represálias contra canadenses asiáticos e trabalhadores dos correios, mas o governo federal negou.

O Epoch Times também entrou em conflito com plataformas de mídia social – o Facebook, em particular – por causa de seus anúncios que promovem Trump e teorias da conspiração em várias páginas diferentes que se fazem passar por meios de comunicação.

De acordo com Notícias da NBCo Epoch Times gastou US$ 2 milhões em publicidade pró-Trump no Facebook durante um período de um ano, abrangendo 2018 e 2019 – mais do que qualquer outra organização além da própria campanha de Trump.

O New York Times informou que o Epoch Times então mudou para o YouTubeque desmonetizou seu canal em 2021.

A empresa acusou “a Big Tech e a mídia legada” de direcionar injustamente a publicação e, como resultado, custar-lhe receitas.

“Fomos desmonetizados no YouTube, impedidos de anunciar no Facebook e banidos em diversas plataformas de mídia social, em alguns casos, devido à pressão de jornalistas de defesa de direitos”, diz o site.

Afirma também que perdeu contratos com empresas nos Estados Unidos e no Canadá depois de estas terem recebido “telefonemas ou comunicações escritas de embaixadas chinesas ou de outros grupos de frente do Partido Comunista Chinês”.

Fuente