Início Melhores histórias Ex-refém israelense mantida em cativeiro em Gaza aguarda libertação de seu marido

Ex-refém israelense mantida em cativeiro em Gaza aguarda libertação de seu marido

10

Quando o Hamas divulgou no mês passado o vídeo de Keith Siegel, um refém americano-israelense detido em Gaza, foi o primeiro sinal em meses de que ele ainda estava vivo. Sua esposa, Aviva Siegel, não teve coragem de assistir.

“Seria muito difícil para mim ver a tristeza nos olhos de Keith”, disse Siegel numa entrevista em Nova Iorque na semana passada, onde se reuniu com António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas.

Siegel, 63 anos, foi mantida em cativeiro com o marido até finais de Novembro, quando foi uma dos 105 reféns libertados no âmbito de um acordo de cessar-fogo. Eles foram levados de sua casa no Kibutz Kfar Azza em 7 de outubro, durante os ataques liderados pelo Hamas a Israel.

Quase oito meses após o início da guerra, as famílias dos reféns estão cada vez mais alarmadas. Siegel, de 65 anos, tem um problema de saúde e soldados israelitas recuperaram recentemente os restos mortais de vários reféns em Gaza. Durante meses, o Qatar, o Egipto e os Estados Unidos têm tentado fazer com que Israel e o Hamas aceitem um acordo para outro cessar-fogo e troca de prisioneiros.

Siegel entende a experiência dos reféns como poucos. “Saber o que eles estão passando”, disse ela, “é demais para mim”.

Ela disse que ela e seu marido há mais de quatro décadas foram transferidos mais de uma dúzia de vezes e mantidos em apartamentos e túneis, que pareciam particularmente sufocantes.

Siegel disse que lhes foi negada comida e água, enquanto seus captores comiam, e que ela perdeu mais de 9 quilos.

Ela disse que seus captores iriam bater nela e empurrá-la, vendá-la e puxá-la pelos cabelos. Eles rasparam o corpo de Siegel para humilhá-lo, disse ela. Os reféns não foram autorizados a falar.

Os captores faziam jogos mentais com eles, dizendo-lhes que Israel havia deixado de existir, disse Siegel.

Siegel expressou empatia pelos habitantes de Gaza e disse que desejava que israelenses e palestinos pudessem eventualmente viver lado a lado em paz. Ela ficou alarmada com o que disse ser uma falta global de foco nos reféns.

“Algo muito ruim aconteceu e precisamos da ajuda do mundo”, disse ela.

Siegel sempre se lembra de sua última conversa com Keith. Quando chegou o momento da sua libertação de Gaza, ela inicialmente recusou-se a partir sem ele, disse ela, mas rapidamente percebeu que tinha de o fazer.

“Pedi a Keith para ser forte por mim e disse: ‘Serei forte por você’ – e é isso que me mantém viva”, disse ela.

Fuente