Início Melhores histórias Estimulado pelas eleições, Meloni se destaca no centro das atenções enquanto a...

Estimulado pelas eleições, Meloni se destaca no centro das atenções enquanto a Itália sedia o G7

11

Há cinco anos, quando o seu partido obteve 6% dos votos nas eleições para o Parlamento Europeu, Giorgia Meloni tentou estourar uma garrafa de vinho espumante, mas a rolha caiu desajeitadamente entre alguns apoiantes.

Esta semana, Meloni, agora primeira-ministra da Itália, emergiu como uma grande vencedora nas eleições, e ela e dezenas de membros de seu partido Irmãos da Itália comemoraram em um hotel cinco estrelas em Roma, onde garçons carregavam as garrafas de vinho em bacias de prata. cheio de gelo. O partido de extrema direita obteve quase 29% dos votos. A vitória foi ainda mais significativa porque Meloni foi a única líder de um grande país da Europa Ocidental a sair reforçada das eleições.

Para Meloni, a carona dificilmente poderia ter chegado em melhor hora. Todos os olhos estão voltados para a Itália esta semana, enquanto Meloni se prepara para sediar uma cúpula do Grupo das 7 principais economias durante três dias, começando na quinta-feira. É mais uma oportunidade de se apresentar como membro legítimo do clube dos líderes mais influentes do mundo.

“Esta nação vai para o G7 e para a Europa com o governo mais forte de todos”, disse ela aos seus apoiantes na segunda-feira, após a divulgação dos resultados.

Quando se tornou primeira-ministra em 2022, causou arrepios em todo o establishment europeu devido às suas credenciais de extrema-direita e eurocéptica e às suas raízes pós-fascistas. Esse establishment considera-a agora uma parceira pragmática em questões internacionais fundamentais.

A abordagem de Meloni está a servir como uma espécie de modelo para outros líderes de extrema-direita que procuram fazer incursões no mainstream.

Em França, Marine Le Pen suavizou a sua posição sobre questões importantes e aperfeiçoou a sua imagem. O seu partido Rally Nacional terminou tão bem nas eleições europeias, com mais de 30 por cento dos votos, que o Presidente Emmanuel Macron dissolveu a Assembleia Nacional e convocou novas eleições parlamentares.

“O governo de Giorgia Meloni contaminou positivamente a Europa”, disse Giovanni Donzelli, legislador dos Irmãos de Itália, no domingo à noite. “Um muro caiu em toda a Europa – eles perceberam que a direita pode governar bem.”

Nos últimos meses, Meloni tem sido cortejada tanto pelo centro-direita europeu como potencial aliado, como por partidos ainda mais à sua direita, na tentativa de criar uma frente nacionalista unida.

Embora o centro seja mantido no novo Parlamento Europeu, a Sra. Meloni ainda pode emergir como uma figura chave em votações individuais, incluindo mais imediatamente a reeleição de Ursula von der Leyen, a presidente da Comissão Europeia, que precisa da aprovação do legislatura para garantir um segundo mandato.

Meloni, dizem os especialistas, pode decidir apoiar von der Leyen como forma de exercer mais influência em Bruxelas.

“Meloni será um ator importante na Europa”, disse Mujtaba Rahman, diretor-gerente para a Europa da consultoria Eurasia Group. “À medida que Meloni se inclina para o centro e é construtiva, ela receberá muitas recompensas.”

No cenário internacional mais amplo, Meloni também se tornou um ator crítico em questões como o apoio à Ucrânia, algo que a distinguiu de outras partes da extrema direita que tendem a ser mais pró-Rússia.

Isto colocou-a numa boa posição junto do grupo de líderes ocidentais que se reunirá esta semana na região da Apúlia, no sul de Itália, especialmente após as eleições.

“Todas as luzes estão voltadas para ela”, disse Roberto D’Alimonte, cientista político da universidade LUISS Guido Carli, em Roma. “A imagem dela está ainda mais impulsionada.”

Os participantes do G7 incluirão o presidente Biden, o primeiro-ministro Justin Trudeau do Canadá, Rishi Sunak da Grã-Bretanha, o presidente Emmanuel Macron da França, o chanceler Olaf Scholz da Alemanha e o primeiro-ministro Fumio Kishida do Japão. A Sra. von der Leyen e Charles Michel, o presidente do Conselho Europeu, também planearam participar.

A Sra. Meloni também convidou o Papa Francisco; Presidente Volodymyr Zelensky da Ucrânia; o recém-reeleito primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi; e o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, entre outros, incluindo vários líderes africanos. Ela prometeu centrar a cimeira, em parte, no seu plano de desenvolvimento e cooperação com África.

O encontro acontecerá em Borgo Egnazia, um resort de luxo com piscinas reluzentes rodeadas de alecrim e oliveiras. Suas moradias e vilas de pedra estão repletas de cestos de amêndoas e limões, e suas vielas estreitas estão repletas de bicicletas enferrujadas e carruagens de madeira, com os sinais do tempo.

Só que todo o local foi construído no início dos anos 2000 em terreno arrasado por Mussolini para construir uma base aérea. O resort reproduz uma antiga cidade e casa de fazenda da Apúlia em um projeto que alguns moradores locais compararam a uma vila mediterrânea de Potemkin.

Os líderes mundiais seguirão o exemplo de convidados como Madonna, os Beckham e Justin Timberlake e Jessica Biel, que se casaram no resort.

“Meloni queria causar uma ótima impressão, e tenho certeza que ela o fará”, disse Romeo Di Bari, 41 anos, dono de uma loja na cidade de Alberobello, que os parceiros dos líderes devem visitar, e onde em uma tarde recente, namorados se ajoelharam nas pedras do calçamento para fotografar suas namoradas fazendo piruetas entre as típicas cabanas trulli pontiagudas da região.

Perto dali, na cidade de Bari, os moradores elogiaram a Sra. Meloni por trazer um novo prestígio à sua região e ao seu país.

“Nossa nação está na vanguarda”, disse Giovanni Pirlo, 68 anos, agrimensor aposentado. “Nossa nação sempre foi marginalizada; agora com Meloni algo está mudando.”

Meloni desempenhou um delicado ato de equilíbrio ao juntar-se ao establishment europeu em questões internacionais, ao mesmo tempo que agradava a sua base doméstica com posições linha-dura sobre o aborto ou os direitos LGBT que lhe custaram pouco na Europa (e em dinheiro).

Ela também fez malabarismos com seus papéis como mulher do povo e como estadista internacional. Ela insistiu em tratar os italianos pelo primeiro nome, instando-os a escrever “Giorgia” nas suas cédulas, e afirmou que defendeu os interesses da Itália em Bruxelas, ajudando a aprovar políticas conservadoras em matéria de imigração e ambiente.

No seu país, Meloni preside uma coligação estável, apoiada por dois partidos mais fracos que precisam desesperadamente dela para permanecer no poder. A Forza Italia, cujo fundador Silvio Berlusconi morreu no ano passado, obteve cerca de 10% dos votos nas eleições para o Parlamento Europeu depois de realizar uma campanha semelhante a uma sessão espírita com o nome e a foto de Berlusconi em outdoors. O partido Liga de Matteo Salvini, que apelou para o flanco direito do eleitorado de Meloni, caiu para 9 por cento dos votos este ano, contra 34 por cento em 2019.

O que continuou a ser o maior desafio do líder nacionalista italiano foi talvez a sua própria nação, disseram os especialistas.

A produtividade da Itália ficou aquém da da União Europeia e os salários estão em grande parte estagnados. Embora o emprego tenha aumentado, o desemprego juvenil continua galopante no Sul e dezenas de milhares de jovens italianos deixam o país todos os anos.

Na cidade de Savelletri, perto do resort que acolhe o G7, os habitantes locais mataram o tempo num café perto de dois heliportos recém-construídos enquanto camiões militares patrulhavam.

Stefano Martellotta, um pescador de 51 anos, disse não se importar muito com o que chamou de “show” do G7. O que o preocupava era que os seus dois filhos, de 22 e 27 anos, tivessem de se mudar para a Holanda para trabalhar em cozinhas de restaurantes porque em Itália “ninguém lhes dá um salário digno”, disse ele.

“É dramático para nós que a nossa juventude nos deixe”, disse Annamaria Santorsola, 75 anos, mãe e avó, acrescentando que a sua região precisava de “empregos, não do G7”.

Fuente