Início Notícias Estes condenados ucranianos dizem que preferem lutar do que ficar na prisão

Estes condenados ucranianos dizem que preferem lutar do que ficar na prisão

20

Quase 100 reclusos foram recentemente libertados de uma colónia prisional de segurança média nos arredores de Kiev, para as mãos dos militares do país.

Os homens estão a trocar os seus uniformes de prisão por equipamento de combate e a converter o restante das suas penas de vários anos para cumprirem um período indefinido na linha da frente da Ucrânia.

Enquanto os militares do país enfrentam tropas exaustas, fileiras esgotadas e menos voluntários, as autoridades ucranianas esperam que as prisões do país possam fornecer até 20 mil soldados adicionais – e lançaram uma campanha de recrutamento para angariar voluntários.

“Não importa se eu atiro ou cavo trincheiras”, disse Renat Temirgaliev, um preso de 25 anos que cumpriu sete anos de pena de dez anos de prisão por assassinar seu ex-chefe, em um canteiro de obras devido a uma disputa de pagamento.

“Quero ser um herói da Ucrânia. Quero proteger o meu país.”

Temirgaliev aguarda uma nova cópia de seu passaporte para apresentar sua candidatura oficial ao serviço militar.

ASSISTA | Do preso à infantaria:

Prisioneiro ucraniano explica por que deseja se juntar à guerra contra a Rússia

Renat Timerhaliev, 25 anos, cumpre pena de 10 anos por homicídio numa colónia prisional nos arredores de Kiev. Ele planeja se inscrever em um programa que o libertaria para o serviço militar ucraniano.

Ao abrigo do novo regime da Ucrânia, os prisioneiros podem candidatar-se ao alistamento, mas necessitam da aprovação do tribunal. Alguns crimes os tornam inelegíveis, incluindo estupro, crimes contra a segurança nacional e morte de duas ou mais pessoas.

As autoridades ucranianas afirmam que este processo de recrutamento é justo, livre de coerção e diferente da forma como a Rússia tem aproveitado e usado condenados pela sua máquina de guerra.

Dezenas de milhares de prisioneiros russos foram alistados como mercenários Wagner nos primeiros meses do conflito, atraídos pela promessa de perdão presidencial se sobreviverem a um contrato de seis meses.

Jornalistas russos independentes recentemente relatado que mais de 17 mil deles foram mortos na luta sangrenta por Bakhmut no ano passado.

Numa entrevista à CBC News na quarta-feira, no dormitório da prisão que partilha com duas dezenas de outros homens, Temirgaliev disse que contou à sua família sobre a sua decisão de se alistar, e que a sua mãe se opôs firmemente a isso.

“Ela acha que vou ser morto e não voltarei vivo”, disse ele.

“Acho que tudo ficará bem. Mas se o meu destino for ser morto, então assim será.”

  Renat Temirgaliev limpa um corredor de uma colônia penal perto de Kiev em 12 de junho de 2024. Ele diz que com o recrutamento militar os oficiais chegaram às instalações, ele diz que ninguém está sendo pressionado a se alistar.
Temirgaliev limpa um corredor da colônia penal na quarta-feira. Ele diz que oficiais de recrutamento militar vieram às instalações, mas diz que ninguém está sendo pressionado a se alistar. (Corinne Seminoff/CBC)

Já em treinamento

A CBC News visitou a colónia prisional e concordou em não revelar a sua localização exacta a pedido do Ministério da Justiça da Ucrânia, que citou razões de segurança. A equipe de notícias foi autorizada a questionar livremente os prisioneiros que concordaram em ser entrevistados antecipadamente, mas os funcionários da prisão mantiveram uma vigilância atenta.

Os quase 100 reclusos recentemente libertados já foram enviados para o leste da Ucrânia e estão a receber formação perto da cidade de Kramatorsk, segundo as autoridades.

Depois que tanques entraram na Ucrânia em 24 de fevereiro de 2022, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, fez uma declaração apelo urgente às armas, e disse que os prisioneiros com experiência em combate seriam libertados e poderiam “compensar sua culpa nos pontos mais quentes da guerra”.

As autoridades dizem que, naquela época, 13 prisioneiros com experiência substancial em combate foram libertados das mesmas instalações que a CBC News visitou.

Agora eles acreditam que algumas centenas de presidiários da mesma instalação podem se voluntariar para ir.

Uma colónia penal fora de Kiev teve 15% dos seus reclusos recentemente libertados para o exército ucraniano.  Os homens estão atualmente em treinamento no leste da Ucrânia.
Quase 100 reclusos foram recentemente libertados da colónia e já foram enviados para o Leste da Ucrânia. (Briar Stewart/CBC)

Desde a Ucrânia aprovou uma lei no início de Maio, permitindo o alistamento de condenados, as autoridades dizem que mais de 4.500 reclusos se candidataram ao serviço militar, e quase 2.000 deles foram aprovados pelo tribunal.

Depois que os prisioneiros se inscrevem, eles são entrevistados pelos militares, seguidos de um exame médico e de uma breve audiência no tribunal, muitas vezes por meio de vídeo online.

Observado de perto

Dmytro Tkachenko, um juiz criminal, diz que o seu tribunal em Boryspil, uma pequena cidade nos arredores de Kiev, já tratou dos pedidos de 100 reclusos. Ele disse à CBC News que rejeitou apenas dois deles porque os homens não pareciam muito interessados ​​em ingressar no exército.

Ele diz que parte do objetivo do tribunal é garantir que os requerentes não sejam pressionados e que a maioria parece ser motivada pelo patriotismo.

“Alguns deles me disseram que sentem alguma responsabilidade pelo país, pelo povo ucraniano”, disse Tkachenko em entrevista no tribunal.

“Acho que alguns prisioneiros podem ser mais eficazes na guerra.”

Dmytro Tkachenko afirma que o tribunal de Boryspil, na Ucrânia, já ouviu 100 casos relacionados com reclusos que pretendem alistar-se nas forças armadas e afirma que serão ouvidos e dezenas de outros nas próximas semanas.
O juiz criminal Dmytro Tkachenko diz que o seu tribunal já ouviu 100 casos relacionados com reclusos que pretendem alistar-se nas forças armadas. Ele diz que ouvirão dezenas de outros nas próximas semanas. (Corinne Seminoff/CBC)

Se os homens abandonarem o exército antes do fim da guerra, poderão enfrentar mais dez anos de prisão.

Tkachenko diz que enquanto servirem, serão vigiados de perto pelos militares ucranianos e, após o fim da guerra, estarão livres, mas em liberdade condicional.

Depois que alguns dos mercenários Wagner da Rússia voltaram para casa vindos da linha de frente, houve vários reportagens da mídia sobre os homens recém-libertados cometendo crimes adicionais, incluindo agressões violentas e assassinatos.

Falta de soldados

Ao longo da história, os militares muitas vezes reforçaram aumentar os seus números recorrendo à população prisional. Durante as guerras da Coreia e do Vietname, os juízes norte-americanos por vezes davam aos condenados a opção de ir para a prisão ou alistar-se.

O recrutamento penal da Ucrânia ocorre num momento em que os militares lutam para aumentar as suas fileiras, após quase dois anos e meio de guerra. Baixou o idade de recrutamento para 25e em todas as comunidades, grandes cartazes erguem-se sobre as estradas, instando os cidadãos a se inscreverem em diferentes unidades militares.

Representantes dos militares visitaram a colónia penal perto de Kiev no mês passado e falaram com os prisioneiros sobre o processo de assinatura de um contrato militar e o que os espera na frente.

Serhii Druzenko, 23 anos, trabalhava em um restaurante de sushi em Kiev, mas está na prisão há quase dois anos depois de roubar um carro e ser preso três dias depois.

Ele tem menos de dois anos de pena, mas está se candidatando para ingressar no exército. O seu irmão mais novo já está a lutar algures ao longo da extensa linha da frente da Ucrânia.

Druzenko diz que nesta colónia cerca de 70 por cento dos homens estão interessados ​​em aderir, enquanto alguns hesitam devido ao elevado risco de serem mortos ou feridos.

Druzenko diz que a ideia de conseguir um contrato militar remunerado faz parte da motivação, mas lutar pelo seu país também o é.

“Alguém precisa defender a pátria”, disse ele.

Quero que meus parentes e pessoas próximas a mim estejam seguras.”

Serhii Druzenko falou ao CBC News de uma colônia penal em 12 de junho, onde cumpre pena por roubar um carro pertencente a um cliente que visitava o restaurante de sushi em que trabalhava.
Serhii Druzenko, 23 anos, tem menos de dois anos restantes de pena por roubo de carro, mas também está se candidatando para ingressar no exército. (Corinne Seminoff/CBC)

Fuente