Início Notícias Dois mortos em violência em centros de votação mexicanos em meio a...

Dois mortos em violência em centros de votação mexicanos em meio a eleições históricas

7

Duas pessoas foram mortas em violência em centros de votação no domingo, em meio às eleições históricas no México que deverão tornar a esquerdista Claudia Sheinbaum, a candidata do partido no poder, a primeira mulher presidente do país.

A votação foi suspensa em um local de votação depois que uma pessoa foi morta em um tiroteio em Coyomeapan, uma cidade no estado de Puebla, informou a autoridade eleitoral estadual à tarde. O procurador-geral do estado confirmou outra morte num centro de votação em Tlanalapan, também em Puebla.

As maiores eleições de sempre no México também foram as mais violentas da história moderna, com o assassinato de 38 candidatos, incluindo um que foi morto a tiro no sábado à noite. A violência mortal despertou preocupações sobre a ameaça dos cartéis de drogas em guerra à democracia.

Sheinbaum, que liderou as pesquisas de opinião sobre seu principal concorrente, Xochitl Galvez, será incumbida, se for eleita, de enfrentar a violência do crime organizado. Mais pessoas foram mortas durante o mandato do presidente cessante, Andrés Manuel Lopez Obrador, do que durante qualquer outra administração na história moderna do México.

A vitória de qualquer uma das mulheres representaria um grande passo para o México, um país conhecido pela sua cultura machista. O vencedor iniciará um mandato de seis anos em 1º de outubro.

Uma mulher sorri e mostra um documento de identificação fora de um centro de votação.
A candidata presidencial do partido no poder, Claudia Sheinbaum, mostra sua identidade ao sair de um local de votação onde votou durante as eleições gerais na Cidade do México no domingo. (Matias Delacroix/Associated Press)

A caminho da votação na manhã de domingo, Sheinbaum disse aos jornalistas que foi um “dia histórico” e que se sentiu à vontade e contente.

“Todos devem sair para votar”, disse Sheinbaum, físico e ex-prefeito da Cidade do México, à TV local.

Longas filas nos locais de votação

Gálvez, uma senadora que representa uma coligação de oposição composta pelo Partido Revolucionário Institucional (PRI), o PAN de direita e o partido de esquerda PRD, conversou com apoiantes antes de votar na manhã de domingo.

“Deus está comigo”, disse Galvez, acrescentando que esperava um dia difícil.

As pessoas ficam do lado de fora de uma seção eleitoral.
Os eleitores em Houston cantam uma canção folclórica patriótica mexicana, “México lindo y querido”, que significa “Belo e Amado México”, para passar o tempo enquanto esperam para votar nas eleições mexicanas em uma longa fila. (Kirk Sides/Houston Chronicle via AP)

López Obrador, mentor de Sheinbaum, cumprimentou apoiadores e posou para fotos enquanto saía do palácio presidencial para votar com sua esposa.

Havia longas filas de eleitores fora dos locais de votação, mesmo antes de estes abrirem, às 8 horas, hora local, com alguns relatos de aberturas atrasadas.

“Parece-me um sonho. Nunca imaginei que um dia votaria numa mulher”, disse Edelmira Montiel, de 87 anos, apoiante de Sheinbaum em Tlaxcala, o menor estado do México.

“Antes não podíamos nem votar, e quando você podia, era para votar na pessoa em quem seu marido lhe dizia para votar. Graças a Deus isso mudou e eu posso viver isso”, acrescentou Montiel.

Quase 100 milhões de mexicanos podem votar nas eleições de domingo. Outros cargos em disputa incluem o de prefeito da Cidade do México, oito governos e ambas as câmaras do Congresso. Cerca de 20 mil cargos eleitos estão em votação, o maior número na história do México.

As urnas serão encerradas às 18h, horário local. Os primeiros resultados preliminares oficiais são esperados na noite de domingo.

‘Inundado de sangue’

“O país está inundado de sangue como resultado de tanta corrupção”, disse Rosa Maria Baltazar, 69 anos, eleitora do bairro de classe média alta de Del Valle, na Cidade do México. “Desejo uma mudança de governo para o meu país, algo para uma vida melhor.”

López Obrador pairou sobre a campanha, procurando transformar a votação num referendo sobre a sua agenda política. Sheinbaum rejeitou as alegações da oposição de que seria uma “fantoche” de López Obrador, embora tenha prometido continuar muitas das suas políticas, incluindo aquelas que ajudaram os mais pobres do México.

ASSISTA | Caos no México após desabamento de palco em comício político:

Caos e confusão após palco desmoronar em comício político no México

O vídeo da cena obtido pela Reuters mostra pessoas correndo e gritando após o desabamento de um palco em San Pedro Garza Garcia, em Nuevo León, no México.

As pesquisas indicam que Morena, o partido governante de López Obrador e Sheinbaum, provavelmente não conseguirá garantir uma maioria de dois terços no Congresso. Isso tornaria mais difícil para Sheinbaum impulsionar as reformas constitucionais para além dos partidos da oposição, incluindo o PRI, que governou o México durante cerca de sete décadas, até às eleições democráticas de 2000.

Os desafios futuros para o próximo presidente incluem também resolver a escassez de electricidade e água e atrair os fabricantes para se deslocarem como parte da tendência de nearshoring, em que as empresas aproximam as cadeias de abastecimento dos seus principais mercados. O vencedor das eleições também terá de lutar para decidir o que fazer com a Pemex, a gigante petrolífera estatal que viu a produção diminuir durante duas décadas e está afogada em dívidas.

Ambos os candidatos prometeram expandir os programas de assistência social, embora o México tenha um grande défice este ano e um crescimento lento do PIB de apenas 1,5% esperado pelo banco central no próximo ano.

Presidência de Trump pode complicar relacionamento com os EUA

O novo presidente enfrentará negociações tensas com os Estados Unidos sobre os enormes fluxos de migrantes com destino aos EUA que atravessam o México e a cooperação em matéria de segurança sobre o tráfico de drogas, numa altura em que a epidemia de fentanil nos EUA aumenta.

As autoridades mexicanas esperam que estas negociações sejam mais difíceis se a presidência dos EUA for conquistada por Donald Trump em Novembro. Trump, o primeiro presidente dos EUA a ser condenado por um crime, prometeu impor tarifas de 100% sobre os carros chineses fabricados no México e disse que mobilizaria forças especiais para combater os cartéis.

Fuente