Início Melhores histórias Crianças entre dezenas de mortos em ataque a aldeia sudanesa

Crianças entre dezenas de mortos em ataque a aldeia sudanesa

6

Um ataque com armas e artilharia por parte de paramilitares sudaneses a uma aldeia na principal região agrícola do Sudão matou pelo menos 104 pessoas, incluindo dezenas de crianças, disseram activistas sudaneses pró-democracia.

As circunstâncias exactas do ataque de quarta-feira em Wad al-Noura, uma aldeia 70 milhas a sul da capital, Cartum, foram contestadas.

Mas o elevado número de mortos, bem como as imagens de um enterro em massa na quinta-feira que circularam nas redes sociais e foram verificadas pelo The New York Times, atraíram a condenação internacional e fizeram do ataque o mais recente ponto de conflito na brutal guerra que durou um ano no Sudão.

“Mesmo tendo em conta os padrões trágicos do conflito no Sudão, as imagens que emergem de Wad Al-Noura são comoventes”, disse Clementine Nkweta-Salami, a principal autoridade da ONU no Sudão, num comunicado.

“O mundo está observando”, escreveu o secretário de Relações Exteriores britânico, David Cameron, nas redes sociais. “Os responsáveis ​​​​serão responsabilizados.”

Ainda assim, o Sudão tem assistido a inúmeras atrocidades, mas com pouca responsabilização desde que mergulhou numa desastrosa guerra civil há pouco mais de um ano, quando eclodiram combates entre o exército nacional e um poderoso grupo paramilitar conhecido como Forças de Apoio Rápido.

E com as linhas telefónicas cortadas na província de Jazeera, onde está Wad al-Noura, os sudaneses dependiam de vídeos e relatos de activistas locais para compreender as últimas vítimas em massa.

Um vídeo compartilhado online e geolocalizado pelo The Times mostra um comboio de pelo menos cinco veículos das Forças de Apoio Rápido alinhados em uma estrada a cerca de 800 metros de Wad al-Noura na quarta-feira.

Homens armados na traseira dos veículos parados podem ser vistos disparando metralhadoras em campos abertos em direção à aldeia. O vídeo dura cerca de cinco minutos, em meio a tiros constantes.

Uma pessoa que narra o vídeo diz que os moradores bloquearam o acesso à aldeia para impedir que os combatentes chegassem até ela. Não parece que os combatentes tenham sido alvejados.

No entanto, um vídeo separado do interior de Wad al-Noura sugeria que a aldeia tinha montado algum tipo de defesa armada. No vídeo, um morador implora por ajuda enquanto um tiroteio começa do lado de fora.

“A aldeia está sitiada”, diz o homem. “Salve Wad al-Noura.”

O comité de resistência local, parte de uma rede nacional de grupos pró-democracia, classificou o incidente como massacre. Na quinta-feira, publicou vídeos mostrando pelo menos 50 corpos envoltos em panos e dispostos para serem enterrados na aldeia.

Os vídeos e fotografias foram verificados pelo The Times e pelo Sudan Witness Project no Center for Information Resilience, uma organização sem fins lucrativos que monitoriza conflitos e documenta potenciais crimes de guerra.

Pelo menos 104 pessoas foram mortas, disse o comité de resistência, culpando o exército nacional por não ter conseguido salvá-las. “O povo de Wad Al-Noura apelou ao exército para os resgatar, mas vergonhosamente não respondeu.”

As Forças de Apoio Rápido contestaram essa conta. Num comunicado, admitiu que as suas forças abriram fogo contra Wad al-Noura, mas disse que estavam a atacar posições militares em redor da aldeia e que perderam oito soldados nos combates.

A chefe da UNICEF, Catherine Russell, disse num comunicado que estava “horrorizada” com os relatos de que pelo menos 35 crianças foram mortas e 20 ficaram feridas na violência, e apelou às partes em conflito para que cumpram as leis internacionais.

O chefe do exército sudanês, general Abdel Fattah al-Burhan, visitou os aldeões feridos no ataque na quinta-feira. Falando num hospital na cidade vizinha de Al Managil, ele disse que o exército daria uma “resposta dura” à RSF pelas mortes.

A aldeia fica numa região agrícola que já foi o celeiro do Sudão, mas é agora um vasto campo de batalha.

As RSF capturaram Wad Madani, a capital regional da província de Jazeera, em Dezembro, como parte de uma série impressionante de vitórias que colocaram o Exército do Sudão em desvantagem.

Nos últimos meses, os militares tentaram recapturar a Jazeera com uma grande contra-ofensiva. Wad al-Noura está a cerca de 32 quilômetros da linha de frente mais próxima dessa luta.

Na região ocidental de Darfur, a RSF sitiou El Fasher, o último reduto remanescente do exército sudanês em Darfur, alimentando receios de que uma guerra em grande escala dentro da cidade possa provocar massacres étnicos ou piorar uma crise de fome que, segundo os trabalhadores humanitários, ameaça tornar-se uma crise de fome. fome.

A RSF recebeu armas e outros apoios dos Emirados Árabes Unidos, o seu principal patrocinador estrangeiro, segundo responsáveis ​​americanos e da ONU. Na quinta-feira, os Estados Unidos impuseram novas sanções relacionadas com o conflito no Sudão a sete empresas sediadas nos Emirados.

Abdalrahman Altayeb contribuiu com reportagem de Port Sudan, Sudão. Os vídeos foram editado por Ainara Tiefenthaler

Fuente