Início Melhores histórias Coreia do Norte lança satélite de transporte de foguetes de longo alcance

Coreia do Norte lança satélite de transporte de foguetes de longo alcance

9

A Coreia do Norte lançou um foguete na segunda-feira no que parecia ser uma tentativa de colocar em órbita um satélite de reconhecimento militar, desafiando as resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas, disseram os militares sul-coreanos.

Kim Jong-un, o líder da Coreia do Norte, fez da implantação de uma frota de satélites espiões uma das suas mais recentes ambições militares. Ele também se concentrou em testar o que alegou serem mísseis nucleares capazes de atingir os Estados Unidos e os seus aliados na região da Ásia-Pacífico.

A Coreia do Norte afirmou que precisa de satélites para aumentar a sua capacidade de monitorizar e atingir os seus inimigos e para tornar a sua dissuasão nuclear mais credível.

Depois de duas tentativas fracassadas, a Coreia do Norte colocou em órbita o seu primeiro satélite espião em novembro passado. Sr. Kim disse que lançaria mais três satélites este ano. Na segunda-feira, a Coreia do Norte disse que lançaria o primeiro dos três antes de 4 de junho.

Horas depois, os militares sul-coreanos disseram ter detectado um foguete lançado da estação espacial Tongchang-ri, no noroeste da Coreia do Norte, na segunda-feira. O foguete sobrevoou o mar entre a Península Coreana e a China, seguindo a mesma trajetória ao sul que a Coreia do Norte havia usado em seus lançamentos de satélites anteriores.

Os militares sul-coreanos disseram que se acredita que o foguete transporta um satélite. O país estava analisando os dados coletados para ajudar a determinar se o lançamento foi um sucesso, disseram os militares em comunicado.

A Coreia do Norte está proibida por resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas de lançar tais foguetes porque utiliza a mesma tecnologia necessária para construir mísseis balísticos intercontinentais.

Durante esses lançamentos, a Coreia do Sul e o Japão geralmente colocam seus militares em alerta e instruem os residentes nas ilhas próximas à trajetória do foguete a se protegerem dentro de edifícios ou no subsolo, por medo de queda de destroços.

Os satélites norte-coreanos já foram tão rudimentares que dificilmente poderiam ser considerados ferramentas de reconhecimento, segundo autoridades sul-coreanas.

Mas, mais recentemente, a Coreia do Norte recebeu tecnologia de satélite, bem como petróleo e alimentos, da Rússia em troca de projéteis de artilharia e mísseis balísticos para ajudar o esforço de guerra de Moscovo na Ucrânia, segundo autoridades dos EUA e da Coreia do Sul. Autoridades da Coreia do Sul disseram que a Rússia também ajudou os programas nuclear e de mísseis da Coreia do Norte de outra forma: no início deste ano, Moscovo usou o seu poder de veto no Conselho de Segurança da ONU para dissolver um painel de especialistas da ONU que recolheu provas de países que violavam sanções impostas à Coreia do Norte.

Nas últimas semanas, Kim visitou fábricas de munições, incentivando os trabalhadores a aumentar a produção. A mídia estatal norte-coreana também mostrou Kim visitando grandes armazéns cheios de veículos lançadores de mísseis. Analistas sul-coreanos disseram que as imagens tinham como objetivo motivar o presidente Vladimir V. Putin, da Rússia, a visitar a Coreia do Norte, mostrando a Putin as armas de que ele tanto precisa. Interesses comuns levaram Kim e Putin a reunirem-se no Extremo Oriente russo em Setembro passado. Putin prometeu então visitar a Coreia do Norte.

A Coreia do Norte queixou-se amargamente nas últimas semanas dos exercícios militares conjuntos dos Estados Unidos e da Coreia do Sul e da sua “espionagem aérea hostil”. Tais atividades “tornaram-se a causa raiz das crescentes tensões militares regionais”, disse Kim Kang Il, vice-ministro da Defesa da Coreia do Norte, num comunicado no sábado.

Fuente