Início Melhores histórias Briefing de terça-feira – The New York Times

Briefing de terça-feira – The New York Times

12

Um dia depois de um ataque aéreo ter matado dezenas de palestinianos deslocados na cidade de Rafah, no sul de Gaza, Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel, classificou as mortes como um “acidente trágico” e acusou o Hamas de se esconder entre a população em geral.

“Para nós, cada civil não envolvido que é ferido é uma tragédia”, disse ele. “Para o Hamas, é uma estratégia. Essa é toda a diferença.”

Os militares israelenses disseram que o ataque teve como alvo um complexo do Hamas e matou dois oficiais do Hamas. Mas uma autoridade israelense, falando sob condição de anonimato, disse que uma investigação inicial concluiu que o ataque, ou seus estilhaços, poderia ter inflamado inesperadamente uma substância inflamável no local.

Pelo menos 45 pessoas foram mortas, segundo o Ministério da Saúde de Gaza, incluindo 23 mulheres, crianças e idosos. O ministério disse que 249 pessoas ficaram feridas. Testemunhas e sobreviventes descreveram uma cena terrível de vítimas queimadas e tendas em chamas.

O ataque ocorreu dois dias depois de o Tribunal Internacional de Justiça, com uma decisão de 13-2, ter aparentemente ordenado a Israel que parasse a sua ofensiva em Rafah. O presidente Emmanuel Macron da França disse que estava “indignado” com o ataque aéreo em Rafah, acrescentando: “Estas operações devem parar”.

Ajuda: O fluxo de ajuda para Gaza diminuiu tanto em Maio que as autoridades humanitárias dizem que a ameaça de fome generalizada é mais aguda do que nunca.



Mais de 2.000 pessoas foram soterradas vivas num deslizamento de terra que asfixiou uma aldeia e um campo de trabalho na sexta-feira nas remotas terras altas do norte da Papua Nova Guiné, disseram as autoridades à ONU. Os números, incluindo os divulgados na segunda-feira, não puderam ser verificados de forma independente.

A região, na província de Enga, é densamente povoada e próxima da mina de ouro de Porgera. É uma área de terreno florestal remoto e difícil, e chegar aos sobreviventes revelou-se um enorme desafio.


Os países ocidentais há muito que buscam tecnologia verde – em 1970, Jimmy Carter, o presidente dos EUA, colocou painéis solares na Casa Branca. Mas nenhum país chegou perto de igualar a escala e a tenacidade da China.

Em 2022, a China foi responsável por 85% do investimento mundial na produção de energia limpa e o país controla mais de 80% de cada etapa da fabricação de painéis solares.

A produção incomparável de tecnologia de energia limpa da China baseia-se num cultivo anterior das indústrias química, siderúrgica, de baterias e electrónica. Foi assim que chegou lá.

Nos E.U.A, O Presidente Biden está a tentar tornar os veículos eléctricos chineses proibitivamente caros para proteger a indústria nacional. Mas Donald Trump prometeu que, se for eleito, pisará no freio na transição para veículos elétricos.

As filas para o espetáculo serpenteiam pelo quarteirão, com pessoas esperando até sete horas para comprar ingressos no teatro no centro de Kiev, na Ucrânia. Lá, os espectadores se aglomeram para ver “A Bruxa de Konotop”, uma peça sombria baseada em um romance ucraniano clássico do século XIX, para dar sentido à vida durante a guerra.

A peça dramatiza a história de um líder cossaco, enquanto ele tenta erradicar as bruxas que os moradores locais acreditam serem responsáveis ​​por uma seca. A ação se passa tendo como pano de fundo uma ameaça militar da Rússia czarista.

O sucesso da peça sublinha um interesse renovado pela herança cultural da Ucrânia desde o início da invasão russa, ao mesmo tempo que capta o medo sob o qual as pessoas vivem. “A tragédia chega e tira tudo de você, de seu amor e de sua casa”, disse Mykhailo Matiukhin, ator da produção.

É isso no briefing de hoje. Obrigado por passar parte da sua manhã conosco e até amanhã. – Justino

Você pode entrar em contato com Justin e a equipe em [email protected].

Fuente