Início Melhores histórias Briefing de terça-feira – The New York Times

Briefing de terça-feira – The New York Times

8

A Suprema Corte decidiu ontem que Donald Trump tinha direito a imunidade substancial de acusação por acusações de tentar anular a última eleição, uma declaração importante sobre o poder presidencial que pode ter repercussões de longo prazo. Leia a decisão completa.

O ponto crucial da decisão, que foi de 6 a 3 em linhas partidárias, está na diferença entre os atos oficiais de um presidente, como mudanças de política ou decisões militares, e a conduta privada. É necessária ampla imunidade para conduta oficial, escreveu o presidente do Supremo Tribunal John Roberts para a maioria, para proteger “um executivo energético e independente”.

Os juízes liberais alertaram em sua divergência que a decisão estendeu um nível de imunidade que poderia minar a democracia e disseram que a decisão transformou o presidente em “um rei acima da lei”.

Qual é o próximo: A decisão quase certamente atrasará o julgamento de Trump por acusações de conspiração para subverter a eleição de 2020 até depois da votação deste ano. O caso agora retorna ao tribunal inferior, que decidirá se as ações de Trump foram em uma capacidade oficial ou privada. Se Trump vencer a reeleição, ele pode simplesmente ordenar que o Departamento de Justiça retire as acusações.

Biden: O presidente alertou ontem à noite que a decisão significava que não havia “praticamente limites” para o que Trump, se retornasse ao cargo, poderia fazer.


Para muitos, a França pareceu um lugar diferente ontem, depois que o partido de extrema direita do país, National Rally, ganhou um número recorde de votos no primeiro turno das eleições antecipadas. A campanha frenética para o segundo turno de domingo já começou. Apenas 76 das 577 cadeiras na Assembleia Nacional foram conquistadas diretamente, e haverá uma batalha pelas cadeiras restantes esta semana.

A grande questão é se o Rally Nacional pode comandar uma maioria absoluta após o segundo turno. Se isso acontecer, o presidente da França, Emmanuel Macron, será forçado a nomear um adversário político como primeiro-ministro, mudando a política interna e atrapalhando a política externa. Se não, a Assembleia Nacional provavelmente será ingovernável, com o partido centrista de Macron e seus aliados espremidos entre a direita e a esquerda.

Israel libertou Mohammad Abu Salmiya, diretor do Hospital Al-Shifa na Cidade de Gaza, após tê-lo detido por mais de sete meses, disseram autoridades de saúde palestinas. A medida atraiu um clamor imediato em Israel, embora nenhuma acusação contra ele tenha sido tornada pública.

Grupos de direitos humanos disseram que sua detenção prolongada foi um sinal de maus-tratos israelenses aos prisioneiros palestinos, enquanto algumas autoridades israelenses denunciaram a decisão de libertá-lo como um exemplo de má gestão da guerra por Benjamin Netanyahu, o primeiro-ministro.

Há apenas algumas décadas, muitos pesquisadores consideravam os animais de estimação como objetos de estudo profundamente pouco sérios. Hoje, animais de companhia como cães e gatos estão cientificamente na moda. A pesquisa, que às vezes se baseia em dados de dezenas de milhares de donos de animais de estimação, promete também informar a medicina humana.

Vidas vividas: Ismail Kadare, um romancista e poeta albanês cuja obra sombria e alegórica criticava indiretamente o governo totalitário de seu país, morreu aos 88 anos. Aqui está um guia para seus livros.

Dezenas de propriedades pertencentes ao National Trust, instituição de caridade com quase 130 anos que administra muitas das valiosas casas históricas da Grã-Bretanha, têm laços profundos com a exploração colonial e a escravidão.

Mas quando a organização destacou esses links em exibições, isso causou uma reação conservadora. Colunistas e acadêmicos de direita acusaram o trust de ser “woke” e “antibritânico”, e eles começaram uma campanha para reverter algumas das mudanças. Por três anos, essa batalha foi travada nas mídias sociais e nos jornais de direita da Grã-Bretanha.

Hilary McGrady, diretora geral do fundo, disse que conseguia entender como as mudanças “podem parecer enervantes”. Mas ela contesta as alegações de que o fundo está em “uma campanha louca para minar a história”.


É isso para o briefing de hoje. Vejo vocês amanhã. — Natasha

Entre em contato com Natasha e a equipe em [email protected].

Fuente