Início Melhores histórias Briefing de sexta-feira: Índia de Narendra Modi

Briefing de sexta-feira: Índia de Narendra Modi

3

Narendra Modi acaba de ser reeleito como primeiro-ministro da Índia, embora por uma margem muito menor do que o esperado. Com o seu terceiro mandato consecutivo, o carismático homem forte selou a sua posição como o líder mais significativo do país em gerações.

Apesar de ter liderado a Índia durante uma década, Modi manteve, de certa forma, o seu país a adivinhar a sua visão. Em questões importantes – as relações da Índia, a sua economia, a sua sociedade e o seu governo – ainda não está claro que tipo de país Modi quer que a Índia seja.

No boletim informativo de hoje, explicarei quatro das grandes questões.

Onde a Índia encontrará amigos?

A Índia passou os últimos anos a aprofundar a sua relação com os EUA. Aproximou-se dos aliados americanos, incluindo o Japão e a Austrália, e encomendou sistemas de armas americanos de alta qualidade – do tipo que cria dependência no futuro. E é improvável que fique do lado da China. Em 2020, as tropas chinesas cruzaram o território controlado pela Índia e mataram 20 soldados num conflito. Modi manteve Pequim à distância desde então.

Mas Modi, 73 anos, sinalizou que não quer ser aliado dos EUA. Alguns responsáveis ​​do seu círculo íntimo ainda olham para os EUA com cautela. Diplomatas americanos queixam-se dos aparentes esforços de Nova Deli para erodir as normas democráticas e os direitos dos grupos minoritários. Portanto, a Índia mantém as suas opções em aberto. Depois da Rússia ter invadido a Ucrânia, os EUA tentaram em vão persuadir a Índia a tomar uma posição contra a guerra. A Índia ainda processa petróleo russo (compensando a lacuna criada pelas sanções internacionais). Ainda compra armas da Rússia.

A Índia passou a Guerra Fria tentando posicionar-se como uma potência não-alinhada. Velhos hábitos são difíceis de morrer.

Que tipo de economia?

A Índia ultrapassou recentemente a China como o país mais populoso e a grande economia com crescimento mais rápido. Ainda assim, a maior parte do país continua pobre. Cerca de 800 milhões de pessoas precisam de ajuda para encher o estômago. As ideias de Modi sobre como ajudá-los podem ser contraditórias, ao mesmo tempo globalmente orientadas e proteccionistas.

Um caminho seria seguir os países do Leste Asiático, que escaparam da pobreza fabricando bens para exportação. Para esse fim, Modi iniciou uma iniciativa “Make in India” em 2014, um esforço para substituir a China como fábrica mundial. Mas as exportações quase não aumentaram, apesar de Modi lhes ter concedido novos subsídios. Alguns economistas indianos dizem que é melhor concentrar-se na exportação de serviços, como TI e trabalho profissional remoto.

Outra visão de Modi é a de uma “Índia autossuficiente”, o que reduziria a exposição do país às cadeias de abastecimento globais. Proteger as empresas indianas da concorrência estrangeira está em desacordo com a sua preparação para isso.

Perante grandes decisões económicas, Modi parece por vezes ambíguo. Tal como Reagan e Thatcher, ele chegou ao poder prometendo reduzir o governo. Na prática, o Estado exerce uma mão pesada na maioria dos sectores – impondo reformas radicais, por vezes incompletas, por decreto.

Proteger grupos minoritários?

Os fundadores da Índia elaboraram uma constituição para uma república diversa e secular. Modi tem remodelado o país como uma nação explicitamente hindu. Ele converteu Jammu e Caxemira, o único estado de maioria muçulmana do país, num território federal fortemente policiado. Ele construiu um gigantesco templo hindu em um local disputado onde turbas haviam derrubado uma mesquita. Durante a campanha deste ano, ele chamou os muçulmanos, que representam 14% da população, de “infiltrados”. Os muçulmanos da Índia dizem que foram transformados em cidadãos de segunda classe.

O terceiro mandato de Modi será um teste: o projecto nacionalista hindu foi cumprido ou há mais que ele possa fazer para afirmar a supremacia de uma fé? O apelo para colocar os muçulmanos no seu lugar é a força vital do partido de Modi, criando maiorias vencedoras numa população hindu extremamente diversificada e dividida em castas. Num terceiro mandato, Modi poderia escolher novos alvos, talvez agitando a favor da substituição de mesquitas históricas por mais templos hindus. No entanto, ele poderá ser limitado pelos seus novos parceiros políticos, que não estão comprometidos com os projectos do seu partido, prioritariamente hindus.

Quanto autoritarismo?

Uma razão para a popularidade duradoura de Modi é que ele é eficaz. Modi muitas vezes impõe reformas repentinamente, contando com a ousadia e até mesmo com o elemento surpresa para eliminar a burocracia. Ele simplificou o sistema tributário e até iniciou uma indústria de semicondutores do zero. Ele não tem paciência para obstáculos de qualquer tipo.

Um dos resultados é que a maior democracia do mundo pôs de lado muitas normas democráticas. A polícia prendeu líderes da oposição, aumentando o número de presos políticos. A Comissão Eleitoral está repleta de nomeados pró-Modi. O judiciário quase nunca atrapalha as prioridades do governo.

Modi parece ter mantido o seu emprego, mas perdeu a maioria parlamentar. Agora ele precisará aplacar os parceiros da coalizão e consultá-los sobre mudanças importantes. Talvez isso proteja algumas das instituições que foram construídas para preservar o fair play.

A outra possibilidade é que Modi reprima com mais força do que nunca, fazendo pleno uso das agências que respondem directamente perante ele, para garantir que o seu partido se mantém à frente da concorrência revigorada. Modi chegou até aqui apesar de todas as reclamações sobre a repressão. Se alguma coisa quiser impedi-lo agora, terá de vir de dentro da sua nova coligação governamental.

Para mais:

A China está a aliviar as restrições à compra de casas, para tentar fazer com que mais pessoas comprem apartamentos. Mas um grupo vocal de proprietários de casas existentes está irritado. Eles economizaram e economizaram para comprar seus apartamentos, e agora estão preocupados que o esforço possa deprimir os preços.

  • Mitsuko Uchida: O famoso pianista conversou com meu colega Javier Hernández. Ela era ao mesmo tempo conflituosa e erudita. Leia a conversa deles aqui.

  • Refúgios subterrâneos: As tocas de Wombat podem servir como abrigos à prova de fogo para pequenos mamíferos, pássaros e répteis durante e após incêndios extremos.

  • Coma: Quão saudáveis ​​são os abacates?

A amizade é curativa. Ajuda a melhorar a saúde física e mental a longo prazo e pode melhorar o bem-estar diário. Mas os nossos círculos sociais podem estar a diminuir. Pessoas em todo o mundo estão no meio de uma crise de solidão bem documentada.

Assim, meus colegas da equipe Well trabalharam com pesquisadores e terapeutas para criar um desafio de cinco dias, que começa na próxima semana, para ajudar os leitores a reviver relacionamentos murchados, a se sentirem mais conectados aos amigos e a terem as ferramentas para manter laços fortes. Assine aqui.

Fuente