Início Melhores histórias Biden homenageia o Quênia enquanto a nação da África Oriental se prepara...

Biden homenageia o Quênia enquanto a nação da África Oriental se prepara para enviar forças ao Haiti

4

O Presidente Biden sugeriu na quinta-feira que a decisão de colocar o Quénia a liderar uma missão de segurança no Haiti, sem tropas dos Estados Unidos no terreno, visava evitar a história tensa da intervenção americana no país profundamente perturbado.

Biden disse que os Estados Unidos contribuiriam com dinheiro, apoio logístico e equipamento enquanto o Quênia e outras nações tentam reprimir a violência de gangues que eclodiu lá após o assassinato do presidente do país em 2021. Mas em resposta a uma pergunta sobre por que as tropas americanas irão não participar, o Sr. Biden aludiu a intervenções anteriores dos EUA lá.

“Concluímos que o envio de forças pelos Estados Unidos para o hemisfério apenas levanta todos os tipos de questões que podem ser facilmente deturpadas pelo que estamos tentando fazer”, disse ele durante uma entrevista coletiva na Casa Branca com o presidente William Ruto de Quênia.

“Estamos numa situação em que queremos fazer tudo o que pudermos sem parecer que a América, mais uma vez, está a avançar e a decidir que isto é o que deve ser feito”, acrescentou.

A história do envolvimento americano no Haiti é difícil e inclui uma ocupação de décadas, de 1915 a 1934, que deixou profundos ressentimentos entre as pessoas da ilha. As tropas americanas desembarcaram novamente no Haiti em 1994, após um golpe militar, uma missão que deixou mais haitianos amargurados.

A questão também é delicada no Quénia, onde alguns criticaram o Sr. Ruto por prestar demasiada atenção a uma crise no estrangeiro, enquanto os problemas persistem a nível interno. O Sr. Ruto rejeitou uma pergunta sobre esse assunto feita por um repórter queniano durante a conferência de imprensa.

“Fizemos enormes progressos para garantir a segurança interna”, disse Ruto, “mas isso não elimina a nossa responsabilidade” no exterior.

Os comentários sobre a missão ao Haiti foram feitos no momento em que Biden disse que designaria o Quénia como um “grande aliado não pertencente à OTAN”, uma medida que reflecte a determinação do presidente em aprofundar as relações com a nação da África Oriental, mesmo quando outros países – incluindo a Rússia e China – estão correndo para fazer o mesmo.

Biden, que recebeu Ruto para um jantar de Estado na quinta-feira, disse que a relação entre os dois países lhes permitiria enfrentar questões de saúde, segurança, tecnologia e dívida.

“Tomadas em conjunto, estas são responsabilidades que o Quénia e a América devem cumprir nos próximos anos – cumpri-las juntos, como parceiros”, disse Biden, “para a prosperidade, para a inovação e, o mais importante, para a democracia”.

A distinção de “principal aliado não-OTAN” é dada a países cujas forças armadas têm relações de trabalho estratégicas com os Estados Unidos, embora não necessariamente pactos de defesa mútua. O Quénia seria o primeiro país da África Subsariana a receber tal designação.

A ação diplomática e a celebração de um dia inteiro da relação de seis décadas entre os EUA e o Quénia pretendem sublinhar o compromisso de Biden com África, mesmo depois de não ter cumprido a promessa de viajar pessoalmente ao continente até ao final deste ano. ano.

Ao cumprimentar Ruto na sua chegada a Washington na tarde de quarta-feira, Biden disse ao presidente queniano que pretendia visitar o continente “em fevereiro, depois de ser reeleito”. Durante meses, os assessores de Biden evitaram perguntas sobre se ele viajaria para a África durante um ano eleitoral movimentado.

As discussões sobre o Haiti estiveram no centro das reuniões a portas fechadas que Biden manteve com Ruto.

Ruto foi criticado no seu próprio país por medidas contra juízes que alguns consideraram de natureza autoritária. E acolheu favoravelmente a sensibilização dos líderes do Irão, da Rússia e da China – adversários americanos cujos interesses militares, políticos e económicos entram frequentemente em conflito com os de Washington.

Ruto ignorou essas críticas, dizendo que fazia sentido ter ligações com muitos países onde existem interesses mútuos. Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional do presidente, disse aos repórteres na quarta-feira que Biden não se esquivou de criticar os países por seus direitos humanos ou histórico da sociedade civil.

Contudo, “ele não está aqui para dar sermões ao Presidente Ruto”, acrescentou Sullivan. “O presidente Ruto, na verdade, é alguém que esteve em Atlanta falando sobre esses assuntos. E investiremos nas instituições democráticas do Quénia, na sua sociedade civil, em todas as esferas da vida queniana, para ajudar a garantir que os alicerces básicos da democracia queniana permanecem fortes.»

O dia de Ruto na Casa Branca marcou a primeira visita de Estado de um líder africano desde 2008 e foi concebido para ser repleto de reuniões oficiais e da pompa brilhante que os presidentes reservam aos aliados mais próximos.

Os hóspedes saborearão sopa de tomate tradicional, lagosta escalfada na manteiga, costelinhas defumadas com madeira de frutas e uma cesta de chocolate branco. Pendurada sobre os convidados estará uma peça central com 15.000 peças de tiras metálicas, refletindo a luz das velas na Sala de Jantar de Estado. Os convidados musicais incluirão o Howard Gospel Choir e o cantor country Brad Paisley.

Mas o principal objectivo da visita de Biden é demonstrar que continua decidido a construir ligações entre os Estados Unidos e as empresas e governos africanos.

Biden e Ruto realizaram uma mesa redonda com executivos para mostrar o desejo do Quénia de expandir o seu papel como centro de tecnologia e comércio na África Oriental. O país já acolhe empresas iniciantes no valor de mil milhões de dólares, apelidadas de “Savana do Silício”, em referência às suas pastagens.

Os executivos incluíam Ruth Porat, presidente e diretora de informação da Alphabet e do Google; Ursula Burns, presidente da Teneo; e Kamau Gachigi, Diretor Executivo da Gearbox.

Fuente