Início Melhores histórias Biden está sediando a OTAN esta semana. Aqui está o que assistir.

Biden está sediando a OTAN esta semana. Aqui está o que assistir.

3

Os líderes da OTAN se reunirão em Washington a partir de terça-feira para celebrar a força de sua aliança em seu 75º aniversário, ao mesmo tempo em que enfrentam profundas incertezas sobre seu futuro.

Nos últimos anos, a agressão da Rússia contra a Ucrânia deu à OTAN, fundada após a Segunda Guerra Mundial para defender a Europa da União Soviética, um renovado senso de propósito. Mas a aliança também enfrenta graves ameaças, incluindo de céticos de direita que estão ganhando poder em nações como Alemanha e França.

E o possível retorno à Casa Branca de Donald J. Trump, que ridicularizou a OTAN e até pensou em retirar os Estados Unidos da aliança, levantou alarmes entre seus membros.

Veja o que observar durante os três dias de reuniões da OTAN em Washington esta semana.

Talvez o objetivo mais importante da cúpula seja enviar um sinal de unidade e força a Moscou.

Autoridades dizem que o presidente russo Vladimir V. Putin está contando com a redução dos esforços da OTAN para conter sua agressão, o que potencialmente lhe permitirá conquistar muito mais da Ucrânia e até mesmo voltar sua atenção para outras nações.

É por isso que um tema central da cúpula será demonstrar não apenas um compromisso de longo prazo com a Ucrânia, mas também a resistência da própria OTAN.

O Secretário de Estado Antony J. Blinken disse na semana passada que o “principal propósito” da cúpula seria mostrar o valor dos gastos na defesa coletiva da Europa. Ele observou que os acordos de segurança firmados recentemente entre dezenas de membros da OTAN e a Ucrânia ajudariam a “dizer a Vladimir Putin que ele não pode esperar mais que a Ucrânia, ele não pode esperar mais que todos os parceiros da Ucrânia”.

Os líderes da OTAN, no entanto, permanecem cautelosos sobre o assunto de conceder à Ucrânia a adesão à aliança, algo prometido pela primeira vez a Kiev em 2008. A maioria dos estados-membros diz que isso é impossível enquanto a Ucrânia e a Rússia estiverem em guerra.

Um fator imprevisível nesta semana é a possibilidade de que o Sr. Putin faça alguma coisa para atrapalhar a festa.

“Altos funcionários do governo Biden estão preocupados que o presidente russo Vladimir Putin tenha mais surpresas reservadas para eles em relação à Ucrânia, programadas para atrapalhar e ofuscar a cúpula do 75º aniversário da OTAN em Washington”, escreveu Frederick Kempe, presidente do Atlantic Council, no mês passado.

Este ano, disseram autoridades americanas e aliadas, a inteligência militar russa iniciou uma campanha secreta de sabotagem por toda a Europa, ateando fogo em armazéns e outros locais associados ao esforço de abastecimento da Ucrânia.

A maioria dos ataques tinha o potencial de atrasar o fluxo de suprimentos para a Ucrânia, mas alguns eram simplesmente estranhos: um dos alvos era uma Ikea na Lituânia.

A OTAN está levando os ataques a sério, emitindo alertas e trazendo altos funcionários da inteligência americana para informar os embaixadores.

Como a Ucrânia usou um fluxo de novas armas para atacar a Rússia e alvos militares russos na Crimeia ocupada, o Kremlin aumentou suas ameaças. Após um ataque à Crimeia usando um míssil ATACMS fornecido pelos americanos, o Kremlin alertou que a morte de russos “deve ter consequências”.

Em resposta, os militares dos EUA aumentaram o nível de alerta em bases por toda a Europa.

Uma grande questão para os líderes da OTAN é se o Sr. Putin está pronto para escalar a guerra além das fronteiras da Ucrânia. As agências de inteligência ocidentais não acham que ele esteja. Mas a aliança provavelmente avisará o Sr. Putin que responderá se ele continuar ou escalar ataques secretos na Europa.

No topo da lista de desejos de armas da Ucrânia estão dois pedidos conhecidos: mais defesas aéreas e mais mísseis de defesa aérea.

O governo Biden anunciou um pacote de ajuda militar de US$ 2,3 bilhões para a Ucrânia na semana passada. Cerca de US$ 150 milhões dessas munições, incluindo interceptadores de defesa aérea, cartuchos de artilharia e morteiros e armas antitanque, serão retirados dos estoques do Pentágono e enviados imediatamente para a Ucrânia.

Do restante, o Pentágono comprará US$ 2,2 bilhões em mísseis Patriot e outros mísseis de defesa aérea de contratantes de defesa para serem entregues à Ucrânia nos próximos meses. O governo Biden disse no mês passado que planeja acelerar a entrega desses interceptores Patriot à Ucrânia, atrasando certas remessas de armas para outros países.

O presidente Volodymyr Zelensky da Ucrânia disse que precisa desesperadamente de pelo menos sete baterias Patriot. O presidente Biden prometeu que cinco sistemas de defesa aérea ocidentais seriam entregues em breve à Ucrânia.

Além da mão de obra, a maior necessidade da Ucrânia no campo de batalha continua sendo a defesa aérea, tanto na frente de batalha quanto para defender infraestruturas críticas, incluindo a rede elétrica do país.

Michael Kofman, pesquisador sênior do programa Rússia e Eurásia no Carnegie Endowment for International Peace, que visitou recentemente a linha de frente, disse que as defesas aéreas ucranianas estão tendo dificuldades para lidar com uma enxurrada de drones russos voando atrás das linhas de frente da Ucrânia.

A Ucrânia também está lidando com grandes volumes de ataques russos com bombas planadoras, que são cada vez mais precisos, disse ele.

“O número crescente de drones russos capazes de voar bem atrás das linhas de frente da Ucrânia é um dos problemas mais significativos”, disse o Sr. Koffman. “No entanto, o mais urgente é um déficit de sistemas de defesa aérea para defender a infraestrutura e a necessidade de lidar com as deficiências na rede elétrica da Ucrânia antes do inverno.”

A necessidade urgente da Ucrânia por armas de defesa aérea foi ressaltada na segunda-feira por uma onda de ataques com mísseis russos que atingiu 20 cidades e danificou um hospital infantil em Kiev.

Um tópico de conversa na cúpula girará em torno de quantas nações podem enviar armas de defesa aérea para proteger os céus da Ucrânia.

Os Estados Unidos estão enviando mais mísseis para seu sistema mais moderno, o Patriot. Também fornecerá um sistema americano há muito aposentado do serviço do Pentágono chamado HAWK, de Homing All the Way Killer, que ainda está em serviço com várias nações aliadas.

“O sistema HAWK foi desenvolvido pela Raytheon na década de 1950 e foi primeiramente utilizado pelo Exército em 1959”, disse Marc Romanych, um oficial aposentado de defesa aérea do Exército dos EUA, em uma entrevista. “Os Estados Unidos nunca dispararam um míssil HAWK contra um alvo hostil, mas outros militares o fizeram e foram bem-sucedidos.”

O Sr. Romanych comandou uma unidade HAWK enquanto estava em serviço ativo e escreveu um livro sobre a arma em 2022.

O HAWK, ele disse, foi construído para abater aviões de guerra soviéticos de baixa altitude viajando ao dobro da velocidade do som e seria capaz de derrubar drones muito mais lentos que a Rússia está usando na Ucrânia.

De acordo com o Projeto de Defesa de Mísseis do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais de Washington, os mísseis têm um alcance de cerca de 45 quilômetros.

Em outubro de 2022, a Espanha anunciou que forneceria quatro lançadores HAWK para a Ucrânia. Menos de um mês depois, o Pentágono disse que estava fornecendo os mísseis para esses lançadores e que começaria a reformar mais mísseis de seus estoques para enviar mais tarde.

O Pentágono disse que enviaria mais dois lançadores HAWK para a Ucrânia em fevereiro de 2023, junto com mais lançadores e mísseis para eles em junho daquele ano. Só no mês passado, o Pentágono anunciou mais dois embarques de mísseis HAWK.

Ao mesmo tempo, os militares dos EUA anunciaram uma nova e importante compra dos mísseis Patriot mais avançados, muitos dos quais foram enviados para a Ucrânia.

No ano passado, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disparou postagens furiosas nas redes sociais antes de voar para a cúpula da OTAN em Vilnius, Lituânia, chateado porque os aliados estavam discutindo um convite para a Ucrânia, em vez de um cronograma para a adesão.

A postagem disse que a falta de um cronograma encorajaria a Rússia “a continuar seu terror”. Na época, autoridades da Casa Branca reclamaram que o Sr. Zelensky parecia ingrato, uma má imagem, dados os bilhões de dólares que o Ocidente havia gasto para ajudá-lo a defender o país.

Diplomatas agora reconhecem que a OTAN ofereceu ao Sr. Zelensky uma “salada de palavras”, em vez de uma declaração reforçada sobre a filiação à aliança. Então, desta vez, os Estados Unidos e outras nações estão pressionando por uma declaração clara sobre a futura filiação da Ucrânia.

Também houve um intenso esforço diplomático para definir as expectativas do Sr. Zelensky antes da cúpula. Em visitas a Kiev, os aliados da OTAN reforçaram seu compromisso de fornecer mais armamento, melhorar o treinamento e oferecer garantias de segurança à Ucrânia. A mensagem é que, embora a filiação à aliança venha algum dia e, enquanto isso, nenhuma prioridade é maior para a OTAN do que apoiar Kiev.

Será que esse turbilhão diplomático conseguirá trazer à tona a versão grata do Sr. Zelensky? Diplomatas admitem que não podem saber. O Sr. Zelensky é um dos maiores comunicadores do mundo e somente ele determinará qual mensagem ele entregará aos aliados em Washington esta semana.

Pairando sobre a cúpula está a incerteza sobre se o Sr. Biden permanecerá como candidato presidencial democrata — e a possibilidade do retorno de Donald J. Trump à Casa Branca.

O Sr. Trump declarou a OTAN “obsoleta” e ameaçou deixar a aliança, embora algumas autoridades europeias digam em particular que acreditam que ele não cumpriria essas ameaças se eleito. Ele reclama há muito tempo que os membros da OTAN não gastam o suficiente em sua defesa coletiva, o que é uma das razões pelas quais a aliança está alardeando o aumento dos gastos dos membros nos últimos anos.

O Sr. Trump também prometeu que, se eleito, negociaria uma paz rápida entre a Rússia e a Ucrânia, embora tenha oferecido poucos detalhes de seu plano. Tais negociações provavelmente forçariam a Ucrânia a abrir mão de território e de suas ambições de se juntar à OTAN.

Mas os holofotes na cúpula recairão sobre o Sr. Biden, que enfrentará um escrutínio rigoroso por quaisquer novos sinais de que sua saúde ou acuidade mental possam estar vacilando. Se o Sr. Biden não permanecer na chapa democrata, é improvável que um candidato democrata diferente peça grandes mudanças no apoio da OTAN ou dos EUA à Ucrânia.

Fuente