Início Notícias Beryl continua sendo um furacão de categoria 5 enquanto atravessa águas abertas...

Beryl continua sendo um furacão de categoria 5 enquanto atravessa águas abertas em direção à Jamaica

7

O furacão Beryl rugiu em águas abertas na terça-feira como uma monstruosa tempestade de categoria 5 em um caminho que o levaria perto da Jamaica e das Ilhas Cayman, depois de atingir o sudeste do Caribe, matando pelo menos duas pessoas.

Um alerta de furacão estava em vigor para a Jamaica e um alerta de furacão para Grand Cayman, Little Cayman e Cayman Brac. Beryl estava previsto para começar a perder intensidade na terça-feira, mas ainda estaria perto da força de um grande furacão quando passasse perto da Jamaica na quarta-feira, das Ilhas Cayman na quinta-feira e da Península de Yucatán, no México, na sexta-feira, de acordo com o National Hurricane Center.

Beryl é a primeira tempestade de categoria 5 a se formar no Atlântico, alimentada por águas quentes recordes.

Na terça-feira de manhã, a tempestade estava localizada 595 quilômetros a sudeste de Isla Beata, na República Dominicana. Tinha ventos máximos de 270 km/h e estava se movendo para oeste-noroeste a 35 km/h.

“Beryl continua sendo um impressionante furacão de categoria 5”, disse o Centro Nacional de Furacões.

Um alerta de tempestade tropical foi emitido para toda a costa sul de Hispaniola, uma ilha compartilhada pelo Haiti e pela República Dominicana.

À medida que a tempestade avançava pelo Mar do Caribe, equipes de resgate no sudeste do Caribe se espalharam pela região para determinar a extensão dos danos causados ​​pelo furacão Beryl após atingir Carriacou, uma ilha em Granada, como uma tempestade de categoria 4.

Uma pessoa foi morta em Granada e outra em São Vicente e Granadinas, disseram autoridades.

Uma equipe de emergência deve viajar para Carriacou na manhã de terça-feira.

“A situação exige nossa atenção imediata, e todos os esforços devem ser feitos para apoiar nossas ilhas irmãs”, disse o primeiro-ministro de Granada, Dickon Mitchell.

Os barcos de pesca estão dispostos em uma pilha.
Barcos de pesca danificados são vistos empilhados uns contra os outros depois que o furacão Beryl atingiu Barbados, na segunda-feira. (Randy Brooks/AFP/Getty Images)

Enquanto isso, Ralph Gonsalves, primeiro-ministro de São Vicente e Granadinas, prometeu reconstruir o arquipélago em uma declaração na terça-feira de manhã. Ele observou que 90 por cento das casas em Union Island foram destruídas, e que “níveis semelhantes de devastação” eram esperados nas ilhas de Myreau e Canouan.

O último furacão forte a atingir o sudeste do Caribe foi o furacão Ivan, há 20 anos, que matou dezenas de pessoas em Granada.

ASSISTA | Meteorologistas esperam uma temporada ativa de furacões no Atlântico em 2024:

Meteorologistas esperam uma temporada ativa de furacões no Atlântico em 2024

A Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos EUA está projetando de 17 a 25 tempestades tropicais e furacões nomeados este ano, o máximo que já previu em sua previsão de maio. O meteorologista da CBC Jay Scotland tem mais sobre a previsão e o que ela pode significar para o Canadá Atlântico.

Beryl quebrou vários recordes, incluindo marcar o ponto mais a leste em que um furacão se formou no Atlântico tropical em junho, de acordo com Philip Klotzbach, pesquisador de furacões da Universidade Estadual do Colorado.

A tempestade evoluiu de uma depressão tropical para um grande furacão em apenas 42 horas, algo que apenas seis outros furacões do Atlântico fizeram, e nunca antes de setembro, de acordo com o especialista em furacões Sam Lillo.

Uma árvore caída fica no telhado de uma casa.
Uma árvore fica no telhado de uma casa em Kingstown, São Vicente e Granadinas, depois que o furacão Beryl atingiu o país caribenho, na segunda-feira. (Lucanus Ollivierre/The Associated Press)

Beryl é a segunda tempestade com nome na temporada de furacões no Atlântico, que vai de 1º de junho a 30 de novembro. No início deste mês, a tempestade tropical Alberto atingiu o nordeste do México e matou quatro pessoas.

A Administração Oceânica e Atmosférica Nacional previu que a temporada de furacões de 2024 seria bem acima da média, com entre 17 e 25 tempestades nomeadas. A previsão previa até 13 furacões e quatro grandes furacões.

Uma temporada média de furacões no Atlântico produz 14 tempestades nomeadas, sete delas furacões e três grandes furacões.

Fuente