Início Notícias Ataque aéreo israelense mata dezenas de pessoas deslocadas na área de Rafah,...

Ataque aéreo israelense mata dezenas de pessoas deslocadas na área de Rafah, dizem autoridades de saúde de Gaza

14

Autoridades palestinas de saúde e serviços de emergência civil disseram que pelo menos 35 pessoas foram mortas em um ataque aéreo israelense no domingo na cidade de Rafah, no sul de Gaza, que atingiu tendas para pessoas deslocadas – um incidente que as Forças de Defesa de Israel (IDF) dizem estar sob revisão.

As IDF disseram que a sua força aérea atacou um complexo do Hamas em Rafah e que o ataque foi realizado com “munições precisas e com base em informações precisas”. O ataque derrubou o chefe de gabinete do Hamas na Cisjordânia e outro alto funcionário do Hamas responsável pelos ataques mortais contra israelenses, disseram os militares em um comunicado.

“As IDF estão cientes de relatórios que indicam que, como resultado do ataque e do incêndio que foi desencadeado, vários civis na área foram feridos. O incidente está sob revisão”, dizia o comunicado.

O porta-voz do Ministério da Saúde em Gaza, controlado pelo Hamas, Ashraf Al-Qidra, disse que 35 pessoas foram mortas e dezenas de outras, a maioria mulheres e crianças, ficaram feridas no ataque.

O ataque ocorreu no bairro de Tal al-Sultan, no oeste de Rafah, onde milhares de pessoas se abrigavam depois de muitas fugirem das áreas orientais da cidade, onde as forças israelenses iniciaram uma ofensiva terrestre há duas semanas.

Uma criança ferida é tratada por médicos e adultos em um hospital.
Uma criança ferida é tratada num hospital em Rafah no domingo. (Imagens AFP/Getty)

O Comité Internacional da Cruz Vermelha disse que o seu hospital de campanha em Rafah estava a receber um afluxo de vítimas e que outros hospitais também estavam a receber um grande número de pacientes.

O alto funcionário do Hamas, Sami Abu Zuhri, descreveu o ataque em Rafah como um “massacre”, responsabilizando os Estados Unidos por ajudar Israel com armas e dinheiro.

“Os ataques aéreos queimaram as tendas, as tendas estão a derreter e os corpos das pessoas também estão a derreter”, disse um dos residentes que chegou ao hospital kuwaitiano em Rafah.

Hamas lança foguetes contra Tel Aviv

No início do domingo, o braço armado do Hamas disse que lançou um ataque de “grande míssil” contra Tel Aviv enquanto os militares israelenses soavam as sirenes no centro da cidade. Sirenes de foguetes não eram ouvidas em Tel Aviv nos últimos quatro meses.

Os militares israelenses disseram que oito projéteis foram identificados cruzando a área de Rafah, o extremo sul da Faixa de Gaza, onde Israel manteve operações, apesar de uma decisão do principal tribunal da ONU na sexta-feira ordenando que parasse de atacar a cidade.

Vários projéteis foram interceptados, disse. Os serviços médicos de emergência israelenses disseram não ter recebido relatos de vítimas.

O ataque sinalizou que o grupo militante ainda era capaz de disparar foguetes de longo alcance, apesar de mais de sete meses de uma devastadora ofensiva militar israelense a partir do ar e do solo. Rafah está localizada a cerca de 100 quilômetros ao sul de Tel Aviv.

Uma pessoa aponta seu celular para inspecionar danos no teto de uma sala.
Um residente inspeciona os danos em uma casa atingida durante um ataque com foguete disparado pelo Hamas na cidade israelense de Herzliya no domingo. (Jack Guez/AFP/Getty Images)

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu reuniu seu gabinete de guerra ainda neste domingo para discutir a continuação das operações em Rafah. Israel argumenta que a decisão do tribunal da ONU permite espaço para alguma acção militar no país.

Num comunicado no seu canal Telegram, as Brigadas al-Qassam do Hamas disseram que os foguetes foram lançados em resposta aos “massacres sionistas contra civis”.

Israel diz que quer erradicar os combatentes do Hamas escondidos em Rafah e resgatar reféns que diz estarem detidos na área, mas o seu ataque piorou a situação dos civis e causou protestos internacionais.

No domingo, ataques israelenses mataram pelo menos cinco palestinos em Rafah, segundo serviços médicos locais. O Ministério da Saúde de Gaza identificou os mortos como civis.

ASSISTA | O tribunal superior da ONU ordena que Israel “pare imediatamente” a ofensiva militar em Rafah:

Supremo Tribunal da ONU ordena que Israel “interrompa imediatamente” a ofensiva militar em Rafah

24 de maio de 2024 – O embaixador do Canadá nas Nações Unidas explica a resposta do governo à decisão do tribunal. E os liberais estão à procura de novas formas de reconquistar os eleitores jovens, mas será que vai funcionar?

Tanques israelenses sondaram os arredores de Rafah, perto do ponto de passagem de Gaza para o Egito, e entraram em alguns de seus distritos orientais, dizem os moradores, mas ainda não entraram na cidade com força desde o início das operações na cidade no início deste ano. mês.

O ministro da guerra israelense, Benny Gantz, disse que os foguetes disparados de Rafah “provam que (as Forças de Defesa de Israel) devem operar em todos os lugares de onde o Hamas ainda opera”.

O ministro da Defesa, Yoav Gallant, realizou uma avaliação operacional em Rafah, onde foi informado sobre “as operações das tropas acima e abaixo do solo, bem como o aprofundamento das operações em áreas adicionais com o objetivo de desmantelar os batalhões do Hamas”, afirmou o seu gabinete num comunicado. .

Itamar Ben Gvir, um ministro de segurança pública linha-dura que não faz parte do gabinete de guerra de Israel, instou o exército a atacar Rafah com mais força. “Rafah com força total”, postou ele no X.

Quase 36 mil palestinos foram mortos na ofensiva de Israel, afirma o Ministério da Saúde de Gaza.

Israel lançou a operação depois que militantes liderados pelo Hamas atacaram comunidades do sul de Israel em 7 de outubro, matando cerca de 1.200 pessoas e fazendo mais de 250 reféns, segundo registros israelenses.

Fuente