Início Melhores histórias Ataque aéreo israelense contra escola mata dezenas de pessoas em Gaza: últimas...

Ataque aéreo israelense contra escola mata dezenas de pessoas em Gaza: últimas atualizações

2

O presidente Biden aumentou as esperanças na semana passada quando endossou um plano que, segundo ele, poderia levar à “cessação permanente das hostilidades”. Ele disse que Israel apresentou o plano, mas nem Israel nem o Hamas disseram definitivamente que aceitariam ou rejeitariam a proposta, e parecem ainda estar em desacordo sobre questões fundamentais.

Aqui está uma olhada no que se sabe sobre o acordo de cessar-fogo, quais pontos-chave ainda precisam ser negociados e os obstáculos que ainda estão por vir:

Israel e o Hamas concordaram com um cessar-fogo em novembro que durou uma semana. Mas a proposta agora sobre a mesa – tal como apresentada por Biden, um alto funcionário da administração dos EUA e por responsáveis ​​israelitas – é mais ambiciosa. As principais questões continuam por resolver, incluindo se o Hamas permanecerá no controlo da Faixa de Gaza.

A proposta se desdobraria em três fases.

Na primeira fase, entre outras coisas, Israel retirar-se-ia dos centros populacionais de Gaza durante um cessar-fogo de seis semanas, e dezenas de mulheres e idosos reféns mantidos em Gaza pelo Hamas e seus aliados seriam trocados por centenas de palestinos detidos em Israel. prisões.

Durante esse período, as negociações sobre um cessar-fogo permanente continuariam e, se fosse bem-sucedido, o acordo entraria na fase dois, com a retirada total dos militares israelenses do enclave. Todos os reféns e mais prisioneiros palestinos seriam libertados. Na terceira fase, o Hamas devolveria os corpos dos reféns que tinham morrido e teria início um período de reconstrução de três a cinco anos, apoiado pelos Estados Unidos, países europeus e instituições internacionais.

Perto de uma manifestação na quarta-feira em Tel Aviv pelos reféns sequestrados durante o ataque de 7 de outubro.Crédito…Marko Djurica/Reuters

Quais são as preocupações de Israel?

Uma das principais lacunas entre o Hamas e Israel sobre o plano é a duração do cessar-fogo e o futuro papel do Hamas. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, de Israel, disse na segunda-feira que estava aberto a um cessar-fogo de seis semanas, de acordo com uma pessoa que participou de uma reunião a portas fechadas que manteve com legisladores israelenses. Mas ele disse publicamente que Israel lutará até que as capacidades governamentais e militares do Hamas sejam destruídas.

Tal como a proposta foi apresentada, parece que o Hamas conduziria conversações nas fases dois e três com Israel, o que sugere que manteria alguma medida de controlo de Gaza. Netanyahu disse repetidamente que esta é uma linha vermelha e também descartou um papel governamental para a Autoridade Palestina, um rival feroz do Hamas que tem poderes de governo limitados na Cisjordânia ocupada por Israel.

O primeiro-ministro israelita enfrenta pressões concorrentes dos Estados Unidos e de outros aliados para acabar com a guerra e, do outro lado, de dois parceiros de extrema-direita na sua coligação governamental que ameaçaram derrubar o seu governo caso Israel concordasse com um acordo isso poria fim à guerra sem eliminar o Hamas.

Num sinal dessa pressão, um deles, o ministro da segurança de extrema direita de Israel, Itamar Ben-Gvir, disse na quarta-feira que o seu partido continuaria a perturbar a coligação de Netanyahu até que publicasse detalhes da proposta. Duas autoridades israelenses confirmaram esta semana que a oferta compartilhada por Biden estava geralmente alinhada com a mais recente proposta de cessar-fogo que Israel apresentou em negociações mediadas pelo Catar e pelo Egito.

Palestinos fugindo de Bureij, no centro de Gaza, na quarta-feira.Crédito…Mohammed Saber/EPA, via Shutterstock

E o Hamas?

O Hamas disse que estava respondendo “positivamente” ao plano, mas em entrevista coletiva na terça-feira, Osama Hamdan, porta-voz do Hamas, disse que o Hamas informou aos mediadores que o grupo não poderia aprovar um acordo que não preveja um acordo permanente. cessar-fogo, uma retirada total das tropas israelitas e um “acordo sério e real” para trocar prisioneiros palestinianos por reféns.

No mesmo dia, Sami Abu Zuhri, membro do gabinete político do Hamas, acusou Israel de não levar a sério um acordo e disse que a Casa Branca estava a pressionar o Hamas apesar de “saber que o problema reside” nos israelitas.

Muitos residentes de Gaza dizem estar desesperados pelo fim da guerra, mas os analistas observam que o Hamas, um grupo armado, não responde aos desejos dos civis do enclave. Especialistas políticos dizem que os líderes do grupo, incluindo o seu oficial mais graduado no território, Yahya Sinwar, podem não ter pressa em acabar com o conflito, percebendo em parte que a influência do Hamas diminuirá quando concordar em libertar os reféns.

Sinwar, o suposto mentor do ataque de 7 de outubro, ainda precisa opinar sobre a proposta, disse uma pessoa informada sobre as negociações.

Adam Rasgon relatórios contribuídos.

Fuente