Início Notícias Aeroporto na capital do Haiti reabre após meses de violência de gangues,...

Aeroporto na capital do Haiti reabre após meses de violência de gangues, ajudando a aliviar a crise humanitária

11

O principal aeroporto internacional do Haiti reabriu na segunda-feira pela primeira vez em quase três meses, depois de a implacável violência de gangues ter forçado as autoridades a fechá-lo a todo o tráfego no início de março.

Espera-se que a reabertura do Aeroporto Internacional Toussaint Louverture na capital, Porto Príncipe, ajude a aliviar uma escassez crítica de medicamentos e outros suprimentos básicos, uma vez que o principal porto marítimo do país continua paralisado.

No entanto, apenas a Sunrise Airways, uma transportadora local, está voando dentro e fora de Porto Príncipe por enquanto. As companhias aéreas sediadas nos EUA não deverão começar a fazê-lo antes do final de maio ou início de junho.

O primeiro voo da Sunrise Airways, com destino a Miami, estava programado para partir às 14h30 horário do leste dos EUA.

Antes da reabertura de segunda-feira, o único aeroporto em operação no Haiti estava localizado na cidade costeira norte de Cap-Haïtien.

No entanto, estava fora do alcance de muitos que procuravam fugir do país, uma vez que as estradas que vão de Porto Príncipe a Cabo Haitiano são controladas por gangues que abriram fogo contra carros e autocarros que por ali passavam.

Como resultado, os governos canadiano e norte-americano evacuaram cidadãos e residentes permanentes de helicóptero de outras partes de Porto Príncipe, tal como fizeram organizações sem fins lucrativos, enquanto bandos poderosos sitiavam partes da capital.

ASSISTIR | CBC News na capital do Haiti, onde gangues controlam grande parte da cidade:

CBC News obtém acesso raro a Porto Príncipe enquanto o Haiti lida com crise de gangues

Paul Hunter, da CBC News, viaja com o Programa Alimentar Mundial da cidade portuária de Cap-Haïtien a Porto Príncipe para testemunhar a crise humanitária cataclísmica e os esforços para levar alimentos e ajuda a milhões de haitianos.

Capital dominado pela violência

Os ataques começaram em 29 de fevereiro, com homens armados assumindo o controle de delegacias de polícia, abrindo fogo contra o aeroporto de Porto Príncipe e invadindo as duas maiores prisões do Haiti, libertando mais de 4 mil presos.

Desde então, os gangues dirigiram os seus ataques contra comunidades anteriormente pacíficas, deixando milhares de desalojados.

As pessoas caminham entre vários carros queimados.
Pessoas procuram peças recuperáveis ​​de carros queimados em uma oficina mecânica que foi incendiada durante a violência de gangues armadas, em Porto Príncipe, em 25 de março. (Odelyn Joseph/Associação de Imprensa)

Mais de 2.500 pessoas foram mortas ou feridas no Haiti entre janeiro e março, um aumento de mais de 50% em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo as Nações Unidas.

O ataque ao aeroporto deixou o então primeiro-ministro Ariel Henry, que na altura estava em viagem oficial ao Quénia, impedido de entrar no Haiti. Desde então, ele renunciou e um conselho presidencial de transição está buscando um novo primeiro-ministro para o Haiti.

O conselho também tem a tarefa de selecionar um novo gabinete e organizar eleições gerais.

Nas últimas semanas, aviões militares dos EUA aterraram no aeroporto de Porto Príncipe com suprimentos, incluindo medicamentos e fluidos de hidratação – bem como prestadores de serviços civis para ajudar o Haiti a preparar-se para a chegada de forças estrangeiras que deverão ajudar a reprimir a violência desencadeada por gangues, que controlam 80% do capital.

ASSISTIR | População de Porto Príncipe dependente de assistência humanitária em meio a crises de segurança:

A vida nas ruas controladas por gangues de Porto Príncipe

A CBC News teve raro acesso a Porto Príncipe, onde as gangues controlam grande parte da capital haitiana e as pessoas dependem da ajuda humanitária para quase tudo. As autoridades no Haiti aguardam ansiosamente a chegada de uma força multinacional e, esperançosamente, restaurarão a ordem.

Policiais estrangeiros a caminho

No domingo, Korir Sing’oei, principal secretário dos Negócios Estrangeiros do Quénia, disse que um plano para enviar agentes policiais do país da África Oriental estava na fase final.

“Posso dizer com certeza que essa implantação acontecerá nos próximos dias, algumas semanas”, disse ele. Sing’oei acrescentou que “não há nenhuma chance” de o presidente queniano, William Ruto, visitar o Haiti.

Ruto estava programado para partir do Quênia no domingo para uma visita oficial de quatro dias aos EUA, onde deverá se encontrar com o presidente Joe Biden.

Em Março, o Quénia e o Haiti assinaram acordos para tentar salvar um plano para o país africano enviar 1.000 agentes policiais para a problemática nação caribenha para ajudar a pôr fim à violência.

Outros países que deverão apoiar as forças quenianas incluem as Bahamas, Barbados, Benim, Chade e Bangladesh. Não ficou imediatamente claro quando essas forças chegariam.

ASSISTIR | Calma inquietante na capital do Haiti enquanto o governo de transição luta para restaurar a ordem:

A luta para acabar com a violência das gangues continua na capital do Haiti

Há uma calma inquietante na capital do Haiti, Porto Príncipe, enquanto o governo de transição luta para restaurar a ordem sobre as gangues em guerra que controlam a cidade e enquanto as pessoas são deslocadas devido à violência.

Fuente