Início Política ‘A posição do Canadá no mundo caiu’ sob Trudeau, diz Marc Garneau...

‘A posição do Canadá no mundo caiu’ sob Trudeau, diz Marc Garneau em autobiografia

8

O ex-ministro das Relações Exteriores Marc Garneau diz que o Canadá perdeu sua posição no mundo sob o mandato do primeiro-ministro Justin Trudeau, a quem ele critica como um líder despreparado que prioriza a política e faz grandes pronunciamentos sem qualquer implementação.

“Acredito que Justin Trudeau superestimou o impacto do Canadá no exterior”, escreve Garneau em sua autobiografia, Uma viagem extraordinária: espaço, política e a busca por um sonho canadenseque está previsto para ser lançado em outubro pela Penguin Random House.

Embora grande parte do livro seja uma viagem pela memória da carreira militar e astronauta de Garneau antes da política, o terço final é dedicado ao seu tempo como membro do Parlamento.

Garneau, agora com 75 anos, foi eleito pela primeira vez em 2008 como deputado liberal pelo distrito eleitoral de Westmount-Ville Marie, em Montreal, um distrito que mais tarde se tornou Notre-Dame-de-Grace-Westmount após mudanças de limites em 2015.

Ele tentou sem sucesso a liderança do partido em 2013, mas acabou desistindo da disputa e apoiando Trudeau, que viria a vencer de forma esmagadora.

Quatro homens estão perto de um pódio, ladeados por bandeiras canadenses.
Trudeau, com o então Ministro dos Transportes Marc Garneau, extrema direita, Harjit Sajjan e Jonathan Vance, em Ottawa, em janeiro de 2020. Em sua próxima autobiografia, Garneau critica Trudeau como um líder mal preparado que prioriza a política e faz grandes pronunciamentos sem qualquer seguimento. (Sean Kilpatrick/The Canadian Press)

Depois que os liberais chegaram ao poder em 2015, Garneau serviu no gabinete de Trudeau por seis anos, mais de cinco deles como ministro dos transportes. Ele passou os últimos nove meses como ministro das relações exteriores, até que Trudeau o retirou completamente do gabinete após a eleição de 2021.

Em seu livro, Garneau reconhece ter ficado surpreso com essa decisão — que, segundo ele, Trudeau nunca explicou.

Ele deixa claro que ele e Trudeau tinham pouco em comum além de seus “valores liberais” e que os dois não eram próximos.

‘A posição do Canadá no mundo caiu’

Outra coisa que ele deixa claro: Garneau acha que Trudeau não valoriza a importância de um ministro de Relações Exteriores e não é muito bom em relações internacionais.

“Infelizmente, a posição do Canadá no mundo caiu, em parte porque nossos pronunciamentos nem sempre são acompanhados por uma capacidade de agir ou por ações que demonstrem claramente que queremos dizer o que dizemos”, escreve Garneau. “Estamos perdendo credibilidade.”

Ele descreve as viagens de Trudeau à China em 2016 e 2017, e à Índia em 2018, antes de seu mandato como ministro das Relações Exteriores, como “sem sucesso”.

As duas viagens à China não conseguiram dar início às negociações de livre comércio com a China, e Trudeau foi criticado na época por tentar trazer questões não comerciais para a mesa nas negociações com o governo chinês. Isso incluiu pressionar pelos direitos humanos, o que não foi bem recebido em Pequim.

Os fracassos da viagem à Índia foram bem documentados, incluindo o constrangimento de inadvertidamente oferecer um convite para uma recepção a um homem condenado por tentar assassinar um ministro indiano no Canadá em 1986.

Sophie Gregoire Trudeau com Jaspal Atwal em um evento da indústria cinematográfica indiana em Mumbai em fevereiro, durante a visita oficial do primeiro-ministro Justin Trudeau à Índia.
Sophie Gregoire Trudeau com Jaspal Atwal em um evento da indústria cinematográfica indiana em Mumbai em fevereiro de 2018, durante a visita oficial do primeiro-ministro à Índia. Atwal — um canadense de ascendência indiana, foi condenado por tentativa de homicídio por tentar assassinar o ministro do gabinete indiano Malkiat Singh Sidhu enquanto ele visitava a Ilha de Vancouver em 1986. (Fornecido por Jaspal Atwal)

“Não estávamos devidamente preparados”, disse Garneau sobre as três visitas ao exterior.

“Em um nível fundamental, não entendíamos quem estávamos encontrando. Achávamos que poderíamos seduzir e ficamos surpresos que não aconteceu dessa forma. Foi-se a abordagem lúcida de um primeiro-ministro como Jean Chretien, que sempre sabia com quem estava lidando e que forjou alianças pragmáticas com potências mundiais.”

Garneau também critica Trudeau por atrasar o lançamento de novas estratégias nacionais para lidar com a China e expandir o relacionamento do Canadá na região Indo-Pacífico.

A estratégia para a China foi adiada em grande parte porque Trudeau e sua “comitiva” estavam hesitantes em divulgar qualquer coisa sobre ela enquanto Michael Kovrig e Michael Spavor ainda estavam detidos na China, ele escreve.

“Acho que foi um erro, puro e simples.”

Da mesma forma, ele diz que não conseguiu apresentar uma nova estratégia Indo-Pacífico ao gabinete, e ela só foi lançada em novembro de 2022 — um ano depois de estar pronta e um ano depois de Garneau ter sido retirado do portfólio.

“Ele não considerou meu conselho útil o suficiente”

Garneau recusou um pedido de entrevista sobre o livro.

O gabinete de Trudeau não respondeu a um pedido de comentário sobre seu conteúdo.

O ex-astronauta não é o primeiro ex-ministro do gabinete de Trudeau a escrever um livro de memórias que critica o primeiro-ministro. Em 2023, o ex-ministro das finanças Bill Morneau lançou seu próprio livro de memórias, que criticava Trudeau por tomar decisões principalmente unilaterais e colocar a política à frente das políticas.

Ambos descrevem uma concentração de poder no Gabinete do Primeiro-Ministro que não melhorou apesar das promessas de descentralização de Trudeau quando assumiu o cargo em 2015.

Garneau escreve que quando ele estava encarregado do transporte, Trudeau não parecia ter muito interesse no arquivo. Quando ele se mudou para relações exteriores, ele esperava que o primeiro-ministro estivesse mais interessado em buscar sua contribuição sobre os problemas.

Mas, diz Garneau, ele não o fez.

Ele escreve que Trudeau só o procurou uma vez para oferecer conselhos, em uma reunião com o então embaixador na China, Dominic Barton, em uma discussão sobre a situação atual dos dois Michaels.

Justin Trudeau diz que levantou a questão de "Delegacias de polícia chinesas" operando no Canadá quando falou com Xi Jinping em uma reunião do G20 em novembro de 2022.
Trudeau é mostrado aqui falando com Xi Jinping em uma reunião do G20 em novembro de 2022. Em sua próxima autobiografia, Marc Garneau diz que as viagens de Trudeau à China não conseguiram dar início às negociações de livre comércio e que promover discussões sobre direitos humanos não foi bem recebido em Pequim. (Reuters)

“O distanciamento do primeiro-ministro me levou a concluir que ele não considerava meus conselhos úteis o suficiente para querer ouvir de mim diretamente, confiando, em vez disso, em sua equipe”, relata Garneau.

“Achei isso decepcionante, para dizer o mínimo. A expectativa era que a comunicação entre ele e eu fosse via (Gabinete do Primeiro-Ministro), e, consequentemente, nunca soube que informação, se alguma, chegou até ele.”

O governo Trudeau, afirma Garneau, é, no geral, muito reativo e mal preparado.

“Não é suficiente prestar atenção apenas quando surge uma preocupação, algo que este governo tornou um hábito”, escreve ele.

Garneau diz que descobriu que o fato de o Canadá ter passado por tantos ministros de Relações Exteriores diferentes minou sua credibilidade na função e deixou a impressão de que Trudeau e o Canadá não valorizam nem priorizam o arquivo.

Garneau foi o quarto de cinco pessoas que lideraram a política externa canadense ao longo dos 8½ anos em que Trudeau foi primeiro-ministro.

“Nossos aliados poderiam logicamente questionar se o Canadá atribuiu importância suficiente a esse portfólio, e eles o fizeram”, escreve Garneau.

Durante cada uma de suas ligações introdutórias com colegas, ele diz que lhe disseram que esperavam que ele durasse mais que seus antecessores, algo que ele descreve como “uma mensagem não tão sutil”.

Isso não aconteceu.

Garneau durou apenas nove meses, o mais curto dos cinco.

Chrystia Freeland, a segunda a ser nomeada para o cargo, ocupou o cargo por quase três anos, e Mélanie Joly, a atual ministra das Relações Exteriores, está se aproximando de completar 33 meses no cargo.

Stéphane Dion foi o primeiro, ocupando o cargo por 18 meses, e François-Philippe Champagne, que foi o terceiro ministro das Relações Exteriores, ficou no cargo por 14 meses.

Fuente