Início Notícias A Holanda não é conhecida pelo sol. Então como os holandeses se...

A Holanda não é conhecida pelo sol. Então como os holandeses se tornaram líderes solares?

8

A energia solar é agora a opção mais barata para novas fontes de eletricidade em grande parte do mundo, e os holandeses estão todos dentro.

A Holanda é conhecida por chuvas esparsas, cursos de água abundantes e terras agrícolas ativamente utilizadas, por isso foi preciso engenhosidade para que o pequeno país alcançasse o topo da pirâmide solar do continente.

Uma em cada três casas tem energia solar nos telhados, empreendimentos comerciais estão ganhando espaço nas hidrovias e até mesmo antigos aterros sanitários estão encontrando uma segunda vida como geradores de energia.

O parque solar flutuante de Sellingen é uma das muitas instalações aquáticas de painéis solares na Holanda.
Painéis solares flutuam em um lago em Groningen, Holanda. Os holandeses têm o segundo maior número de painéis solares flutuantes do mundo, depois da China. (vida Verde)

“Quero ser um destruidor de mitos”, diz a estrategista solar europeia Kahya Engler quando questionada sobre o fardo financeiro da transição para a energia solar. “O custo para investir em energia solar caiu muito.”

Ela vem trabalhando para promover a tecnologia renovável por quase duas décadas. Seu empreendimento mais recente é com a líder de telhados comerciais da Holanda, Sunrock, ajudando a expandir seus negócios pela Europa.

Para ela, o caso é simples.

“Todos nós temos luz natural, e os painéis solares funcionam com a luz natural”, diz ela do escritório da Sunrock em Amsterdã, onde até o design de interiores homenageia o sol.

“Estamos prontos para ir.”

Uma foto de Kahya Engler, da Sunrock, em seu escritório na Holanda
Kahya Engler lidera o braço de fusões e aquisições da empresa solar holandesa Sunrock. Duas décadas de trabalho em estratégia solar a convenceram de que a educação é a chave para o crescimento no setor. (Jill Inglês/CBC)

Mas a chave para o crescimento contínuo, diz Engler, são políticas governamentais consistentes que incentivem a energia solar — algo que fracassou no Canadá e pode estar em risco na Europa também.

Revolução solar

O investimento na tecnologia renovável de 70 anos é agora maior do que todas as outras tecnologias de geração de energia combinadas, de acordo com a Agência Internacional de Energia último relatório de investimentopublicado este mês.

Enquanto o Canadá fica para trás em solar adoção, muitos lugares, incluindo Alemanha, China, Japão e até mesmo os Estados Unidos, estão se movendo rapidamente.

De fato, em certos dias, alguns lugares geram tanta energia que o preço de compra cai abaixo de zero, gerando preocupações sobre a capacidade de armazenamento pela abundante fonte de energia.

O apoio financeiro está colocando o compromisso global em capacidade tripla de energia renovável até 2030, segundo alguns analistas.

“Mesmo que a transição seja impulsionada apenas pela economia, sem mais políticas para ajudar, as energias renováveis ​​ainda podem ultrapassar uma fatia de 50% da geração de eletricidade no final desta década”, afirma o New Energy Outlook 2024 da BloombergNEF.

Na última década, a geração solar global ressuscitado doze vezesmas alguns países estão comprando mais do que outros.

Enquanto Alemanha tem a maior capacidade de geração de energia solar na Europa. A Holanda é atualmente o líder do continente em energia solar per capita.

A Holanda adota a energia solar

A energia solar representa agora mais de 16,6 por cento de geração de eletricidade no país, ficando bem acima dos 1,1% do Canadá e da média global de 5,5%.

“A energia renovável obviamente tem sido um grande tópico desde 2000 na Europa, mas a Holanda começou relativamente devagar”, diz Engler. “Ela realmente cresceu muito, muito rápido.”

Susan Ormiston está no telhado com um gerente de projeto da Sunrock, observando a instalação de um painel solar em andamento
A correspondente climática internacional da CBC News, Susan Ormiston, conversa com o gerente de projeto da Sunrock, Bert Meij, no telhado de um edifício em Dordrecht, na Holanda, enquanto equipes constroem uma instalação solar. (Jonathan Austin/CBC)

A Sunrock é especializada em energia solar comercial em telhados e se expandiu rapidamente pela Europa desde que foi fundada como uma pequena startup em 2012. A líder de mercado agora tem mais de 160 funcionários e mais de cinco milhões de metros quadrados de sistemas solares fotovoltaicos operacionais (painéis solares).

O gerente de projeto Bart Meij diz que usar telhados vazios oferece uma fonte de receita inexplorada para proprietários de edifícios e é uma venda fácil.

“(O dono do imóvel) pode alugar seu telhado e nós podemos instalar energia solar nele. Ganha-ganha”, diz Meij. “Armazenamento no interior, energia verde no telhado. Uso duplo, o que é melhor do que uso único.”

Um trabalhador instala painéis solares no telhado em Dordrecht, Holanda
A estrutura para 1.700 painéis solares está instalada no telhado de um edifício comercial em Dordrecht, na Holanda. Quando estiver em operação, o local gerará energia suficiente para abastecer milhares de lares. ( (Jill Inglês/CBC))

Cada projeto leva vários meses de preparação e algumas semanas de instalação antes de começar a fornecer energia para a rede.

“A energia solar pode ser construída muito rápido em comparação a muitas outras fontes de energia”, diz Sara Hastings-Simon, pesquisadora de sistemas de energia da Universidade de Calgary.

Isso foi de particular valor quando a guerra na Ucrânia eclodiu, ela diz, e expôs a dependência da Europa do gás russo como uma vulnerabilidade.

Canadá fica atrás na geração solar

No Canadá, onde os fluxos de energia tradicionais não foram ameaçados por conflitos, a energia solar não teve o mesmo crescimento, ficando em pouco mais de um por cento da geração de eletricidade.

Hastings-Simon também ressalta que grande parte da matriz elétrica geral do Canadá vem da energia hidrelétrica, que é uma fonte de baixo carbono.

Mas quando comparado com o investimento em combustíveis fósseis — a procura para a qual a Agência Internacional de Energia diz atingirá o pico no final da década — os investimentos em energia solar continuam baixos.

E as mudanças nas políticas provinciais em Ontário e Alberta, em particular, afastaram investimentos nacionais e internacionais na última década, de acordo com especialistas do setor solar.

“É inegável que (as energias renováveis) se tornaram mais politizadas aqui no Canadá, nos últimos tempos”, diz Hastings-Simon.

Alberta recebeu três quartos do investimento do Canadá em energia eólica e solar em 2022, de acordo com o Governo do Canadá, mas a província colocou um moratória de seis meses em novos projetos de energias renováveis ​​no verão passado, seguidos por novos regulamentos quando a moratória foi suspensa em fevereiro.

Críticos dizem que as regras ainda sufocam o crescimento.

“Acho que é justo dizer que as políticas que estão sendo colocadas em prática terão um impacto e desacelerarão o investimento em energia solar”, diz Hastings-Simon.

Mudanças políticas criam instabilidade para os negócios

Engler teme que mudanças políticas na Europa possam retardar a transição também.

Um trator está com uma placa dizendo "nenhum acordo verde" e um espantalho preso a uma corda, para sugerir que o acordo verde mata os agricultores.
Agricultores protestam em Bruxelas em 4 de junho, antes das eleições da União Europeia. Muitos se opuseram ao Green Deal da Europa. (Jill Inglês/CBC)

As eleições nacionais e a votação da União Europeia no mês passado deu poder a vozes mais populistas no continente, colocando em questão o futuro da política climática orientadora da Europa — conhecida como Pacto Ecológico Europeu.

“Há obviamente um risco de que esse progresso … possa desacelerar, o que obviamente tem consequências para nós como empresa, mas também para a mudança climática”, disse Engler. “É muito importante que haja uma continuação da visão.”

Ela diz que consistência e certeza permitem ambição.

“Quanto mais positivas forem as regulamentações, mais rápido poderemos realmente tornar isso uma realidade.”

ASSISTA | Mudança populista na Europa pode retardar o progresso climático:

O parlamento da UE pode mudar para a direita com o início das eleições

O próximo parlamento e as políticas da União Europeia podem ser moldados por partidos de extrema direita que devem ganhar nas eleições nos próximos quatro dias. Mudanças climáticas e imigração estão entre as questões definidoras, inclusive na Holanda, onde a votação já está em andamento.

Fuente