Início Melhores histórias A campanha de Rafah de Israel piora as terríveis condições em Gaza,...

A campanha de Rafah de Israel piora as terríveis condições em Gaza, dizem grupos de ajuda humanitária: atualizações ao vivo

8

Desde ataques mortais a profissionais de saúde até distritos urbanos reduzidos a escombros, o rápido agravamento das condições na Faixa de Gaza está a dificultar ainda mais os grupos humanitários que têm lutado para enfrentar a devastação causada pela guerra de Israel contra o Hamas, disseram responsáveis ​​humanitários na quinta-feira.

A terrível situação foi agravada nas últimas três semanas pela campanha militar de Israel em Rafah, uma cidade no sul de Gaza, onde mais de metade da população do enclave já tinha procurado abrigo durante a guerra. Os combates ali provocaram vagas massivas de deslocações e a destruição generalizada de serviços de saúde e humanitários.

“Os nossos parceiros humanitários que trabalham em Gaza dizem-nos que as condições estão piores agora do que nunca”, escreveu Samantha Power, administradora da Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional, nas redes sociais na quinta-feira.

Os palestinianos que regressaram brevemente a Jabaliya, no norte da Faixa de Gaza, fugiram para se proteger depois de uma escola ter sido atingida por um ataque israelita.Crédito…Omar Al-Qattaa/Agência France-Presse — Getty Images

Altos membros da administração Biden disseram nos últimos dias que a deterioração das condições para os civis em Gaza ainda não atingiu o ponto que provocaria uma mudança na política dos Estados Unidos de armar Israel. O presidente Biden alertou no início deste mês que os Estados Unidos bloqueariam certas transferências de armas se Israel atacasse áreas densamente povoadas em Rafah numa ofensiva em grande escala.

Muitos grupos humanitários e de cuidados de saúde descreveram uma crise cada vez mais profunda, não apenas em termos de uma enorme queda na ajuda, mas também porque a intensidade do bombardeamento está a encerrar hospitais e a forçar a deslocalização de clínicas.

O Crescente Vermelho Palestino disse na quinta-feira que dois de seus médicos foram mortos por um ataque israelense, elevando para 19 o número de seus funcionários e voluntários mortos na guerra em Gaza.

“Este é mais um lembrete da dura realidade que os trabalhadores médicos enfrentam – morte, exaustão e cenas horríveis dia após dia”, escreveu o Comité Internacional do Crescente Vermelho sobre o ataque.

Respondendo a um pedido de comentário sobre o ataque, os militares israelitas disseram ao The New York Times que um “veículo suspeito” se tinha aproximado de soldados israelitas de uma forma que “representava uma ameaça para as forças que operam na área de Rafah”.

“Assim, um tanque das FDI disparou contra o veículo”, acrescentou o comunicado dos militares, referindo-se às Forças de Defesa de Israel. A greve, dizia, estava sob revisão.

Membros da Sociedade do Crescente Vermelho Palestino rezando perto dos corpos de dois colegas paramédicos que foram mortos quando uma ambulância em missão de resgate foi atingida em um ataque israelense, em Rafah.Crédito…Hatem Khaled/Reuters

Os grupos de ajuda têm emitido avisos cada vez mais urgentes, não apenas sobre as condições em torno de Rafah, mas também sobre o efeito que os combates tiveram no trabalho humanitário em Gaza. A passagem da fronteira da cidade com o Egito era um importante canal para a entrega de ajuda, mas está fechada há semanas por causa dos combates. As remessas de ajuda para o enclave diminuíram 67 por cento desde que Israel lançou a sua campanha no país, de acordo com o Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários.

O Ministério da Saúde de Gaza disse na quinta-feira que 53 pessoas foram mortas nas 24 horas anteriores, enquanto intensos combates ocorriam em Rafah e nos arredores da cidade de Gaza.

Mais ao norte do enclave, vídeos feitos na quinta-feira por moradores que se aglomeraram na cidade de Jabaliya depois que os tanques israelenses se retiraram mostraram bloco após bloco de concreto com crateras e edifícios destruídos.

A destruição generalizada sublinha a luta diária dos civis e dos trabalhadores humanitários em busca de segurança.

Um ataque no domingo que incendiou um campo de refugiados no distrito de Tal al-Sultan, em Rafah, matando 45 pessoas, e um ataque na terça-feira em Al Mawasi, uma área costeira perto de Rafah, que matou 21 pessoas, ampliaram a confusão e o medo. entre civis e trabalhadores humanitários.

Israel insistiu que não atacou as áreas que designou como “zonas humanitárias”, para onde os evacuados de Gaza foram instruídos a ir. Mas as publicações nas redes sociais e os panfletos que Israel lançou sobre Gaza para identificar as zonas têm por vezes sido pouco claros.

Alguns civis que foram contatados disseram que nunca viram nenhum folheto, enquanto outros disseram que as instruções, que incluem um sistema de numeração que as IDF usam para descrever diferentes áreas, os confundiram.

Palestinos deslocados se reúnem perto de um campo improvisado no distrito de Tal al-Sultan, em Rafah, no sul da Faixa de Gaza.Crédito…Eyad Baba/Agence France-Presse — Getty Images

“Não entendemos as instruções contidas nos panfletos distribuídos pelo exército”, disse Rafeef Aziz, 37 anos, mãe de quatro filhos que recentemente fugiu de Rafah para Deir al-Balah, que fica dentro do que o porta-voz militar de Israel chamou de zona “mais segura”. . “Perguntamos uns aos outros e seguimos o que a maioria acredita.”

Mesmo quando os civis e os grupos humanitários compreendem as instruções, ainda pode ser difícil segui-las.

Louise Wateridge, porta-voz da UNRWA, a principal agência das Nações Unidas para ajudar os palestinianos, disse que as redes móveis pouco fiáveis ​​do enclave dificultavam que grupos de ajuda como o dela explicassem aos seus funcionários para onde acreditavam que era seguro ir ou transportar equipamento.

Para os residentes, disse Wateridge, os folhetos muitas vezes espalham mais medo do que informações úteis.

“O que você pode dizer às pessoas?” ela disse. “Ninguém sabe para onde ir. É pânico, é caos. Muitas pessoas veem esses panfletos apenas como um sinal de que a morte está chegando.”

Rawan Sheikh Ahmad, Abu Bakr Bashir e Johnatan Reiss contribuíram com reportagens.

Fuente