Início Notícias A ameaça de Putin de colocar armas de longo alcance mais perto...

A ameaça de Putin de colocar armas de longo alcance mais perto do Ocidente deixa questões sem resposta

7

O presidente russo, Vladimir Putin, transmitiu publicamente a raiva de Moscovo pelo facto de a Ucrânia ter obtido a aprovação de alguns aliados da NATO para usar armas ocidentais mais livremente para defender as suas fronteiras e até mesmo para atacar alvos seleccionados dentro da Rússia.

No entanto, os analistas dizem que isso não significa que o Estado russo irá concretizar uma ameaça de potencialmente armar outras nações ou intervenientes de forma paralela, como Putin sugeriu ser uma possibilidade durante uma rara conversa com jornalistas internacionais esta semana.

“Os russos estão num estado de espírito muito ruim e isso pode distorcer o seu julgamento de muitas maneiras perigosas, mas, francamente, é difícil para mim imaginar coisas mais terríveis que eles poderiam estar fazendo do que o que já estão fazendo, dia após dia. dia após dia, aos seus supostos parentes na Ucrânia”, disse Stephen Sestanovich, que serviu como embaixador geral dos EUA na antiga União Soviética de 1997 a 2001, por e-mail.

ASSISTA | Mais flexibilidade no uso de armas dos EUA:

EUA suspendem proibição para a Ucrânia de atingir alvos dentro da Rússia

Os EUA levantaram as restrições ao uso das suas armas pela Ucrânia para atingir alvos dentro da própria Rússia, depois de a Rússia ter avançado em direcção a Kharkiv, realizando ataques a partir do seu território com impunidade.

A Rússia há muito que se opõe às armas ocidentais que fluíram para a Ucrânia durante a guerra total, agora no seu terceiro ano.

Mas alguns dos aliados de Kiev tornaram-se mais dispostos a apoiar o uso destas armas para além da fronteira, no meio de uma recente ofensiva russa na região ucraniana de Kharkiv, que aumentou a pressão para dar a Kiev mais liberdade para operar.

“Não há qualquer razão racional e pragmática para não permitir que a Ucrânia utilize essas armas contra a Rússia da forma mais eficiente”, disse recentemente o presidente da Letónia, Edgars Rinkēvičs, à CNN, argumentando que quaisquer receios sobre uma escalada eram discutíveis, dado o que a Rússia está a fazer. já está fazendo na Ucrânia.

Nos últimos dias, tanto a Alemanha como os EUA juntaram-se à lista de aliados que aprovam que Kiev tenha mais flexibilidade para usar o seu poder de fogo fornecido pelo Ocidente para lidar com as ameaças que enfrenta da Rússia – pelo menos na defesa de Kharkiv, uma região fronteiriça que abriga a população ucraniana. segunda maior cidade.

Outros aliados expressaram opiniões mais enérgicas sobre permitir que a Ucrânia opere além da fronteira.

‘Vamos pensar sobre isso’

No meio destes desenvolvimentos, Putin disse que a Rússia – por razões de retaliação – poderia colocar armas de longo alcance nas mãos de outros que poderiam estar em posição de atingir alvos ocidentais.

O presidente russo, Vladimir Putin, fala a um grupo de editores de agências de notícias internacionais, em São Petersburgo, Rússia, na quarta-feira, 5 de junho de 2024.
O presidente russo, Vladimir Putin, é visto conversando com um grupo de jornalistas internacionais em São Petersburgo, Rússia, na quarta-feira. Putin transmitiu a raiva de Moscovo pelo facto de a Ucrânia ter obtido a aprovação de alguns aliados da NATO para usar armas ocidentais de forma mais livre – até mesmo para atacar alvos seleccionados na Rússia. Analistas dizem que isso não significa que a Rússia irá cumprir a ameaça de armar outras nações de forma paralela, como Putin diz ser possível. (Valentina Pevtsova/Sputnik/Kremlin/Associated Press)

“Se eles consideram possível entregar tais armas à zona de combate para lançar ataques no nosso território e criar problemas para nós, por que não temos o direito de fornecer armas do mesmo tipo para algumas regiões do mundo, onde eles pode ser usado para lançar ataques contra instalações sensíveis dos países que fazem isso com a Rússia?” Putin disse quarta-feira, enquanto se reunia com um grupo de jornalistas internacionais à margem de um fórum económico em São Petersburgo, na Rússia.

“Vamos pensar sobre isso.”

Sestanovich destacou que Putin não é o único funcionário russo que se manifestou na questão das armas.

“A ameaça de fornecer a outros países armas que possam prejudicar os norte-americanos é um substituto interessante para as ameaças de escalada nuclear que têm sido a linha habitual da Rússia há algum tempo”, disse Sestanovich, que não ficou claro que forma isso poderia assumir.

Sestanovich suspeita que, nos bastidores, as autoridades russas “provavelmente tenham ficado bastante surpreendidas” com os limites que as nações ocidentais impuseram às armas que enviaram para a Ucrânia.

É possível que estes funcionários “começaram a sentir-se no direito a essa restrição”, disse ele.

Contudo, o barulho do sabre nuclear continuou em São Petersburgo, com Putin a reafirmar a vontade da Rússia de usar tais armas se enfrentar uma ameaça à sua soberania.

Dani Nedal, professor assistente de ciência política da Universidade de Toronto, observou que os comentários “vagos” de Putin em São Petersburgo careciam de detalhes sobre para onde especificamente essas armas de longo alcance poderiam ser enviadas.

Ele observou que os contactos russos como a China, o Irão e a Coreia do Norte têm programas de mísseis em operação e não necessitam de fornecimentos de outros lugares.

“Não deve ser interpretado inteiramente como um blefe”, disse Nedal, que, no entanto, acredita que se trata mais de um aviso de Putin do que de uma ameaça.

Contudo, há quem veja uma ameaça maior nas palavras de Putin.

Um homem em uma cadeira de rodas motorizada passa por uma série de outdoors, em São Petersburgo, Rússia, mostrando imagens de soldados russos envolvidos na campanha militar da Rússia na Ucrânia.
Um homem em uma cadeira de rodas motorizada passa por uma série de outdoors em São Petersburgo mostrando imagens de soldados russos participando da campanha militar da Rússia na Ucrânia. (Dmitri Lovetsky/Associated Press)

Oleg Ignatov, analista sénior sobre a Rússia do International Crisis Group, uma organização não governamental, vê uma mudança na retórica de Moscovo.

“Moscou costumava dizer que simplesmente destruiria as armas ocidentais se fossem enviadas para a Ucrânia”, disse ele por e-mail.

“Agora Putin está dizendo que a Rússia irá retaliar contra os próprios países ocidentais. Esta é uma mudança significativa. Mostra que a guerra na Ucrânia está em vias de escalada neste momento.”

Mensagens e significado

Nedal disse que seria instrutivo observar as mensagens das autoridades russas nos próximos dias.

Na quinta-feira, Dmitry Peskov, porta-voz do presidente russo, disse a uma emissora estatal que acreditava que o aviso de Putin tinha sido ouvido e estava a ser estudado no Ocidente.

“Eles precisam contar conosco e com nossa posição”, disse ele.

Numa conversa anterior com repórteres, Peskov recusou-se a dizer para onde Moscovo poderia enviar tais armas.

Desde então, o presidente dos EUA, Joe Biden, forneceu suas próprias mensagens sobre o assunto na quinta-feira.

Um ônibus passa por um outdoor de recrutamento de uma brigada militar ucraniana na capital ucraniana, Kiev.
Um outdoor em Kiev exibe um cartaz de recrutamento para o serviço na Terceira Brigada de Assalto Ucraniana. A foto foi tirada em meio a um apagão parcial de eletricidade, após ataques russos à infraestrutura energética ucraniana, na quarta-feira. (Anatolii Stepanov/AFP/Getty Images)

Numa entrevista à ABC News, Biden sublinhou o facto de Washington apoiar a utilização destas armas para um propósito limitado – ajudar a Ucrânia a reprimir os ataques russos em Kharkiv.

“Não estamos falando em dar-lhes armas para atacar Moscou, para atacar o Kremlin”, disse Biden. “Do outro lado da fronteira, onde estão recebendo disparos significativos de armas convencionais usadas pelos russos para entrar na Ucrânia e matar ucranianos”.

A invasão do seu vizinho pela Rússia alterou a vida na Ucrânia durante quase 28 meses, causou milhares de mortes de civis e destruiu uma quantidade impressionante de edifícios e infra-estruturas.

Mas a Ucrânia impôs pesadas perdas à Rússia, com responsáveis ​​do Pentágono afirmando no início deste ano que Moscovo viu cerca de 315 mil soldados mortos ou feridos no conflito.

Ao falar com jornalistas, Putin não quis declarar a extensão das perdas militares da Rússia – embora tenha afirmado que as baixas da Ucrânia são cinco vezes superiores às da Rússia.

Fuente